PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Em meio à crise política, seleção chega para Copa América sem cartolas

Juninho Paulista, coordenador da seleção brasileira, é representante máximo da CBF em Brasília - Lucas Figueiredo/CBF
Juninho Paulista, coordenador da seleção brasileira, é representante máximo da CBF em Brasília Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

13/06/2021 04h00

*Com Gabriel Carneiro, do UOL, em Brasília

A seleção brasileira desembarcou ontem (12) em Brasília sem nenhum representante do seu alto escalão político. Com Rogério Caboclo afastado da presidência por conta das acusações de assédio sexual e moral por parte de uma funcionária, o time chega para a Copa América sem nenhum cartola e sem chefe de delegação.

O fato é raro em viagens da seleção. É praxe que sempre algum dirigente seja convidado para acompanhar o grupo tanto em viagens internacionais quanto nas nacionais. Os escolhidos normalmente são presidentes de federações, de clubes ou até mesmo os vices da CBF. Nenhum deles está presente por enquanto em Brasília.

Com isso, ao menos no trecho em que o time estiver na capital federal, o representante máximo do grupo é Juninho Paulista, que é ex-jogador e coordenador de seleções. Seria ele, por exemplo, que receberia figuras políticas para encontros de cunho político que normalmente acontecem na concentração.

O atual presidente é Coronel Nunes, que não está com o time em Brasília. É possível que os jogadores recebam a visita de algum dirigente após o jogo de estreia, quando já estiverem concentrados novamente em Teresópolis, na Granja Comary, que será a base do time durante esta competição.

Por conta da pandemia, a Conmebol permitiu que os times não cumprissem o protocolo de se instalar em uma cidade sede e ainda chegasse sempre ao local do jogo com um dia de antecedência. Sem Caboclo, a entidade sul-americana colocou o vice da CBF Fernando Sarney como um dos cabeças na organização da competição.