PUBLICIDADE
Topo

Oyama: Para Bruno Araújo, Aécio quer implodir 3ª via para ajudar Bolsonaro

Colaboração para o UOL

24/05/2022 10h55Atualizada em 24/05/2022 12h08

O presidente nacional do PSDB, Bruno Araújo, tem dito a interlocutores que o deputado federal Aécio Neves (MG) tenta implodir a terceira via com o discurso de que os tucanos ainda devem ter candidatura própria após a desistência do ex-governador de São Paulo João Doria.

De acordo com apuração da colunista do UOL Thaís Oyama, em O Radar das Eleições, Bruno Araújo avalia que Aécio quer beneficiar a candidatura à reeleição do presidente Jair Bolsonaro (PL) para reforçar seu grupo do PSDB em um eventual novo governo, em detrimento do MDB.

"Com esse comentário, o Bruno encampa a tese de que o Aécio está fazendo o jogo bolsonarista. Quando ele começa a tumultuar, ele quer implodir a 3ª via, beneficiar o campo bolsonarista e enfraquecer o MDB, para que não seja o interlocutor mais forte".

Ontem, por meio de nota, Aécio Neves defendeu que o partido tenha um nome próprio na disputa presidencial. "A decisão do ex-governador João Doria de afastar-se da disputa presidencial obriga o PSDB a reabrir a discussão sobre como vamos enfrentar as próximas eleições. Continuo defendendo, como sempre fiz, que tenhamos candidatura própria".

Uma ala do PSDB, liderada pelo deputado federal, defende que a sigla lance candidatura própria, preferencialmente a do ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite. Outro grupo, porém, avalia que os tucanos devem abraçar a campanha da senadora Simone Tebet (MDB-MS) pela chamada terceira via — grupo de oposição ao atual mandatário Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Leite aceita ser candidato se for 'ungido'

Segundo apuração de Thaís Oyama, o ex-governador Eduardo Leite aceita ser candidato à Presidência pelo PSDB caso seja 'ungido' pelos integrantes da terceira via.

"O que os aliados dizem é que ele está disposto, sim, mas desde que seja ungido candidato; não vai mais entrar em 'bola dividida'. Já houve um desgaste muito grande na disputa com o Doria. Do contrário, ele estará com os dois pés no governo do Rio Grande do Sul".

Hoje, em entrevista ao UOL News, Leite se esquivou da discussão. "Se eu quisesse simplesmente ser candidato a presidente, eu tinha opção no momento em que me foi ofertado por outros partidos políticos a condição de ser candidato, e eu não troquei de partido. [...] A discussão se dá no PSDB com a participação também em conversas com outros partidos".

O ex-governador do Rio Grande do Sul também disse que não planeja ocupar a função de vice em uma eventual chapa liderada por Simone Tebet na disputa presidencial.

"Não estou trabalhando com essa perspectiva. [...] A eleição nacional não se dá apenas pela formação de chapa nacionalmente, mas também pelos palanques regionais, trabalho nos bastidores", disse o tucano.