PUBLICIDADE
Topo

Doria: 'O Lula não é Bolsonaro. É inteligente e tem passado. Eu o respeito'

O ex-governador de SP, Doria foi mais duro em críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PL) - Fredy Uehara/LIDE
O ex-governador de SP, Doria foi mais duro em críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PL) Imagem: Fredy Uehara/LIDE

Do UOL, em São Paulo

27/04/2022 08h54Atualizada em 27/04/2022 12h42

O ex-governador de São Paulo João Doria (PSDB), pré-candidato à Presidência, disse em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada hoje que respeita o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e que o petista "é inteligente e tem passado". Ao falar sobre o presidente Jair Bolsonaro (PL), no entanto, o tucano afirmou que o atual chefe do Executivo federal "não merece" respeito.

Embora eu seja um antagonista ao Lula, eu o respeito. O Lula não é Bolsonaro, o Lula é inteligente e tem passado. Eu tenho posições diferentes das dele, mas tenho respeito por ele. Já Bolsonaro não merece o meu respeito. Eu sou um liberal social.
João Doria, pré-candidato do PSDB à Presidência da República, em entrevista ao Valor Econômico

Questionado sobre o que é um liberal social, o presidenciável respondeu: "É aquele que acredita na economia de mercado, mas que compreende também a importância do trabalho no combate à pobreza e às desigualdades. Não é o privado que cuida disso. Isso é função do Estado".

Chances da terceira via

Doria é um dos nomes que tenta se viabilizar como o candidato da chamada "terceira via", grupo que diz se apresentar como alternativa aos nomes de Lula e Bolsonaro na corrida ao Palácio do Planalto.

Sobre as chances de vitória desse grupo, o ex-governador paulista disse acreditar que é possível. Hoje, as pesquisas eleitorais apontam para um possível segundo turno entre Lula e Bolsonaro, com os demais pré-candidatos com dificuldades para alavancar suas intenções de voto.

"Ainda há 44% de eleitores que não tomaram sua decisão. Entre eles, neste momento estão aqueles que estão optando pelo 'menos ruim', de um lado [Lula] ou de outro [Bolsonaro]. Estes eleitores são os que vão aderir a um nome que possa representar uma alternativa aos dois extremos", afirmou Doria.

O tucano também falou sobre a resistência ao seu nome dentro do PSDB e o resultado das prévias do partido, realizadas em novembro do ano passado. Na ocasião, Doria venceu o ex-governador do Rio Grande do Sul Eduardo Leite. A vitória, no entanto, foi apertada, o que acabou causando um racha no PSDB. O paulista, porém, elogiou Leite por reconhecer da disputa interna.

"Eduardo Leite teve a grandeza de, em carta pública divulgada na sexta-feira, dia 22, manifestar o seu apoio e reconhecimento às prévias", disse.

Mesmo com a sinalização de reconhecimento, no entanto, Leite adotou um discurso de pré-candidato ao Palácio do Planalto em inserções da propaganda partidária de TV do PSDB no Rio Grande do Sul feitas na segunda-feira (25).

"Tem gente que é antiBolsonaro. Eu entendo. Tem gente que é antiLula. Eu entendo. Mas sabe do que o Brasil precisa agora? De gente como você, que é antimiséria, antidesemprego, anti-inflação, antiviolência, antidesmatamento. Foi assim que nós do PSDB viramos o jogo no estado (do Rio Grande do Sul). Atacamos os problemas, e não as pessoas. Fizemos só um Rio Grande. Agora, é hora de fazer um só Brasil", afirmou o gaúcho.