PUBLICIDADE
Topo
Iniciativas que inspiram

Iniciativas que inspiram

Família desenvolve aplicativo para facilitar comunicação de filho autista

Wagner Yamuto, pai de Gabriel e um dos criadores do Matraquinha - Divulgação
Wagner Yamuto, pai de Gabriel e um dos criadores do Matraquinha Imagem: Divulgação

Ana Prado

Colaboração para Ecoa, de São Paulo

29/06/2021 06h00

O paulista Wagner Yamuto, de 43 anos, conheceu a esposa em uma sala de bate-papo online em 1998. Os dois logo perceberam que queriam passar o resto da vida juntos e não demoraram a conversar sobre o desejo de ter filhos. O casamento aconteceu em 2002, mas o primeiro filho demorou a chegar.

"Descobrimos que não iríamos conseguir engravidar, mas depois de um tempo ficou claro para nós que o ato de ser pai ou mãe não está só em gerar um filho na barriga. Então, em 2006, entramos na fila para adoção", conta ele.

A notícia que o casal tanto esperava só veio em 2010, quando adotaram Gabriel, então com 10 meses. Wagner conta que o filho estava se desenvolvendo conforme o esperado para a idade, exceto por uma questão: ele não falava nenhuma palavra. Depois de visitar muitos médicos, uma neuropediatra finalmente deu o diagnóstico de autismo.

Gabriel já estava com dois anos e meio nessa época e logo começou diversas terapias para auxiliar seu desenvolvimento. "Nós nos preocupávamos com a ideia de ele nunca vir a falar, até que uma fonoaudióloga nos explicou que isso não significa ser impedido de se comunicar", lembra o pai. "Entendemos que a comunicação vai muito além disso."

A profissional então lhes apresentou uma prancha de fala, um fichário com diversas figuras que a criança pode apontar para dizer o que deseja. Essa foi sua forma de se comunicar por um bom tempo, mas tinha limitações que acabavam frustrando a família: as figuras acabavam se perdendo, o fichário às vezes era esquecido nos lugares e nem sempre era fácil manuseá-lo.

Gabriel segurando sua antiga prancha com figuras - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Gabriel segurando sua antiga prancha com figuras
Imagem: Arquivo Pessoal

Uma ajuda tecnológica

As coisas seguiam dessa forma até que o irmão de Wagner começou um curso de programação de aplicativos e lhe pediu uma sugestão para exercitar o que estava aprendendo. "Eu dei a ideia de fazer um app que ajudasse o Gabriel a dizer as coisas. Achei que seria uma solução bem acessível, já que todo mundo está sempre com o celular", explica.

Por ser educadora com ênfase em educação especial, Grazyelle, mulher de Wagner, deu suporte na parte pedagógica. O aplicativo, que recebeu o nome de Matraquinha, ficou pronto em julho de 2018, inicialmente como algo só para a família.

Com ele, a comunicação também é feita por meio de figuras. Mas aqui elas estão organizadas em diversas categorias (como necessidades, emoções, comida, dor e saudações, entre outras) e, ao serem clicadas, geram uma mensagem sonora com aquilo que a criança deseja expressar. Há, por exemplo, frases como "estou com dor de cabeça", "eu te amo", "não estou me sentindo bem" ou "quero beber água".

"Com isso, o Gabriel passou a transmitir com mais assertividade o que quer, e isso reduziu bastante as crises que ele tem quando está irritado", afirma o pai do menino, que hoje tem 12 anos. O resultado foi tão bom que eles decidiram tornar o app público para poder compartilhar com outros. Até agora, mais de 135 mil downloads foram feitos.

Gabriel mostrando o aplicativo Matraquinha - Arquivo Pessoal - Arquivo Pessoal
Gabriel mostrando o aplicativo Matraquinha
Imagem: Arquivo Pessoal

"Meu filho se tornou uma criança muito menos ansiosa. Consegue expressar sentimentos, emoções e necessidades, e relata felicidade por isso", relata Erika Cerqueira, mãe de um garoto autista.

Assim como ela, muitas pessoas compartilham histórias com os criadores do Matraquinha. "Teve uma mãe que descobriu, graças ao aplicativo, que o filho de 7 anos gostava de pipoca. Ela ficou encantada porque não fazia ideia disso, já que ele não sabia como pedir", lembra Wagner.

Ele conta que recebeu até mesmo relatos sobre crianças com paralisia cerebral que começaram a se comunicar usando o app. "A gente fica emocionado em ver o alcance e poder dessa ferramenta", diz.

Acessibilidade

A preocupação em ter uma ferramenta acessível esteve presente em todo o processo. O app é gratuito, não exige conexão com a internet e pode ser usado por crianças de qualquer idade.

Além disso, por ser um arquivo leve, pode ser instalado até mesmo nos modelos mais simples de celulares. "Antes da pandemia, o Gabriel costumava usar o aplicativo na escola em um celularzinho velho que a gente deu para ele", conta.

Como cobrar pelo app não é uma opção, a família tem estudado caminhos alternativos para conseguir recursos que permitam mantê-lo e melhorá-lo. Um deles é um financiamento coletivo que começou a operar há pouco tempo.

O outro é o lançamento de produtos pagos - o primeiro, um jogo chamado Matraquinha PAIR, já pode ser comprado pela plataforma Steam. Criado em parceria com o estúdio brasileiro Mens Sana Interactive, ele custa R$ 3,90 e estimula crianças e adolescentes com autismo por meio de atividades de combinação de figuras.

"Também queremos desenvolver materiais pedagógicos para crianças autistas e criar um programa com assessores esportivos para ajudá-las a praticar atividade física", completa.

Iniciativas que inspiram