PUBLICIDADE
Topo
Final feliz

Final feliz

Lista de filmes ajuda a entender a importância do movimento negro

Cena da série "Olhos que Condenam", da Netflix - Divulgação
Cena da série "Olhos que Condenam", da Netflix Imagem: Divulgação

Diana Carvalho

Colaboração para Ecoa, de São Paulo

09/04/2021 06h00

Busque conhecimento. Resumidamente, essa foi a mensagem do Big Brother Brasil na última terça-feira (6). O reality show, de maior audiência na TV aberta, tocou em um ponto extremamente importante ao explicar sobre a resistência do movimento Black Power após um comentário racista do participante agora eliminado Rodolffo sobre o cabelo de João Luiz, colega negro de confinamento.

Durante o programa, o apresentador Tiago Leifert alertou que brancas e brancos, como ele, precisam antes de tudo se informar para não cometer erros que não são mais tolerados e que o respeito à dor do outro deve existir independente se o gesto ou atitude foi considerado uma "brincadeira" ou sem intenção de machucar. Dentro da casa, Camilla de Lucas reforçou o discurso e desabafou dizendo que está cansada de explicar o racismo para quem não o sente na pele.

"As pessoas falam 'ah é mimimi' estão cansadas de ouvir isso? Eu estou cansada de ter que falar também. Se é cansativo para vocês ouvirem, eu estou cansada de viver. Eu estou cansada de ficar explicando isso pra todo mundo (...). A internet está aí, o YouTube, vão se informar", disse a sister.

Pensando nisso, Ecoa, que já tem uma biblioteca antirracista indispensável para quem quer se familiarizar com o tema, separa agora uma lista de filmes e séries quem ajudam e muito a entender a importância do movimento negro, do Black Power e da luta contra o racismo.

Infiltrado no Klan (2018)

Citado por Leifert, o filme do diretor Spike Lee ganhou o Oscar de Melhor Roteiro Adaptado em 2019 ao contar a história do policial negro Ron Stallworth, que conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan, grupo extremista e xenofóbico que pregava a supremacia branca nos anos 1970. Ingresso no grupo, ele sabotou e evitou ataques racistas e crimes de ódio. Splash conta aqui onde assistir ao filme.

Corra! (2017)

Dirigido pelo cineasta Jordan Peele, o filme usar um clima de terror e suspense para abordar o racismo e o privilégio branco na sociedade americana. Na história, um jovem negro interpretado pelo ator Daniel Kaluuya viaja para conhecer a família da namorada, branca. A partir daí, diversas situações acontecem em torno dele e dos sogros em meio a um enredo que prende até o último minuto quem está assistindo. Entrar em maiores detalhes entregaria toda a genialidade de Peele em uma obra original e com uma narrativa surpreendente. Vale a pena!

Olhos que Condenam (2019)

A minissérie revive o caso de 1989, que ficou conhecido como "Central Park Five". Cinco adolescentes negros de Harlem são acusados de espancamento e estupro de uma mulher branca. Coagidos pela polícia a assumirem a culpa pelo crime, os jovens tiveram suas vidas interrompidas e sofreram condenações de cinco a 12 anos de prisão. Na época, o então empresário Donald Trump comprou anúncios em jornais de Nova York para pedir a pena de morte aos jovens. Até hoje, nenhuma prova sequer que ligasse os garotos ao crime foi encontrada.

Menino 23 (2016)

O documentário de Belisario Franca retrata a investigação do professor e pesquisador Sidney Aguilar. Por intermédio de uma aluna, ele descobre uma fazenda com tijolos marcados com suástica em uma fazenda de Campina de Monte Alegre, interior de São Paulo. Buscando pistas sobre o que teria acontecido no local, Aguilar chega ao fato de que 50 crianças negras, na década de 1930, foram escravizadas pela família Rocha Miranda, tradicional e influente na época. Ainda durante a investigação, o pesquisador encontra duas vítimas: Aloísio Silva e Argemino Santos. Na fazenda, as crianças eram identificadas por números, Aloísio era o 23, que dá nome ao documentário.

Branco Sai, Preto Fica (2014)

Flertando com a linha da ficção e do documentário, o diretor Adirley Queirós aborda a opressão policial contra jovens negros tendo como ponto de partida a abordagem violenta que aconteceu durante o baile do Quarentão, na década de 1970, em Ceilândia, no Distrito Federal. Na ocasião, policiais invadiram o local e começaram a atirar contra os negros. Um dos atingidos, o rapper Marquim da Tropa, adolescente na época, ficou paraplégico e atuou no longa.

M8 - Quando a morte socorre a vida (2019)

"Vocês repararam que todos os corpos do laboratório são pretos?" Essa é a pergunta do personagem de Juan Paiva durante uma aula de anatomia após ingressar no curso de Medicina. No filme de Jeferson De o conflito do personagem em entender suas próprias angústias e descobrir a identidade de um dos cadáveres dissecados durante a aula reflete em questões muito mais complexas, como o racismo e a impunidade.

Emicida: Amarelo - É Tudo Pra Ontem (2020)

Respiro e um sopro de esperança. Muito mais do que mostrar os bastidores de um show impecável no Theatro Municipal de São Paulo, o documentário resgata a importância e o legado da cultura e do movimento negro no país. Sensível e com um roteiro que parte da música à política, o filme produzido pelo Laboratório Fantasma conta a história que segue esquecida nos livros e inviabilizada por uma sociedade pautada por uma hegemonia cultural.

Malcolm X (1992)

Também dirigido por Spike Lee, o filme biográfico narra a trajetória do ativista negro Malcolm X, que teve o pai assassinado pela Ku Klux Klan, e passou parte da sua vida lutando pela liberdade do povo negro nos EUA. A obra mostra passagens importantes como sua relação com o islã até seu assassinato em fevereiro de 1965.

Cara Gente Branca (2017)

Ao abordar a realidade de um grupo de estudantes negros, a série mostra os efeitos do racismo estrutural em uma universidade ocupada majoritariamente por alunos brancos. A trama começa com uma festa de Halloween cujo tema é "afroamericana". A partir daí, se discute não só sobre "blackface" e racismo, mas sim sobre a vida de cada pessoa em sua individualidade, com suas próprias experiências, dores, desamores e conquistas.

Se a Rua Beale Falasse (2019)

O filme mostra a luta da jovem Tish (Kiki Layne). Grávida e prestes a se casar, ela precisa provar a inocência do noivo, acusado por um crime que não cometeu e preso sob contextos racistas.

Selma, uma luta pela igualdade (2014)

O filme retrata as marchas organizadas por Martin Luther King, em 1965, entre as cidades de Selma e Montgomery, um importante marco para a luta por igualdade de direitos para pessoas negras norte-americanas. O ativista e seus seguidores, à época, lutavam, por exemplo, pelo direito de todos ao voto.

Histórias cruzadas (2011)

Baseado no livro "The Help", o filme se passa na década de 1960 no estado do Mississipi (EUA) e mostra a realidade de empregadas domésticas negras durante a luta que começa a surgir por direitos civis. Com o sonho de se tornar escritora, a personagem Skeeter (Emma Stone) registra a história de mulheres negras da cidade que deixaram suas famílias para criar filhas e filhos de pais e mães da elite branca, da qual ela faz parte.

Final feliz