Mariana Piza

Mariana Piza

Siga nas redes
Opinião

Levar as crianças pra gastar energia ajuda em questões comportamentais

Esta é a versão online da newsletter Pitaco da Maritaca enviada nesta sexta (17). Quer receber as dicas completas da Maritoca, com o texto principal e mais informações, no seu email nas próximas semanas? Cadastre-se aqui!

***

Pular corda, subir no muro, na árvore, dar estrela, jogar bola, frescobol, brincar de elástico. Sem telas de celular, minha infância foi hiperativa. Acho que não fui diagnosticada com TDAH porque não existia esse distúrbio nos dicionários de medicina daquela época e porque tudo que pulsava em mim virava movimento.

Fui uma criança de apartamento e, mesmo assim, achava um jeito de extravasar: fazia uma parada de mão no sofá toda vez que ia da cozinha em direção ao quarto (e vice-versa), ou escalava umas quinhentas vezes o batente da porta. Minha hiperatividade era enorme, mas, sem celular, eu dava conta de gastar essa energia para, depois, conseguir prestar atenção em algo quando precisava ficar sentada na escola.

Por volta dos 11 anos fui diagnosticada com distúrbio de atenção, fiz psicoterapia nessa idade e tudo foi melhorando aos poucos. Acho, também, que fui sabendo lidar melhor com isso enquanto crescia.

Não tive um filho diferente de mim nesse sentido. E talvez pela minha falta de atenção, esqueci como eu era quando criança e demorei para perceber que ali, diante de mim, tinha um serzinho hiperativo. Trancado em casa na pandemia, ficou muito claro que tudo que ele precisava era gastar energia desesperadamente. Fugi do apartamento e fomos para a natureza. Melhorou, mas não resolveu. Era preciso direcionar a atividade. Não era correr simplesmente; tínhamos que inventar um propósito para correr. Jogar bola junto, nadar junto, porque se não houvesse interesse naquilo, o que ele mais queria era ficar nos jogos eletrônicos. Quando voltamos para a cidade, retomamos o skate com afinco. Ele poderia andar sozinho, manter o distanciamento necessário das pessoas e, além de consumir a energia loucamente, o ajudava a ter foco --no skate, só existe o tempo presente: se você pensar no que foi ou no que virá, o tombo é certo.

Demoramos, mas achamos um caminho de serenidade para a hiperatividade. Hoje em dia, quando ele fica aflito sentindo a bateria cheia, ele diz: "Mãe, preciso gastar energia", e rapidamente partimos pra fazer algo.

Sei que tem crianças com o índice de hiperatividade bem sério, e que só gastar energia não é suficiente. Ao mesmo tempo, vemos tantos pequenos sendo diagnosticados com TDAH atualmente, e acho que se elas saíssem das telas e fossem pular corda, por exemplo, o vulcão interno dormiria um pouco mais em paz

Escute os episódios do Programa Maritaca relacionados ao tema:

Artes de capa do Programa Maritaca
Artes de capa do Programa Maritaca Imagem: Programa Maritaca
Continua após a publicidade

Pitacos da Maritoca

Crianças brincando no Parque Villa-Lobos
Crianças brincando no Parque Villa-Lobos Imagem: Divulgação

Quando as atividades mais corriqueiras, como brincar no quintal, correr na área de lazer do prédio, jogar bola ou andar de bicicleta, entre tantas outras, não estiverem dando conta do recado no quesito "gastar a bateria da criança", separamos aqui algumas dicas de programas bacanas que podem ajudar nesse sentido.

Expediente

Criação: Mariana Piza
Edição: Camila Rossi
Produção: WIP Ventures
Ilustrações Maritaca: Estúdio Anêmona

Continua após a publicidade

Quer falar com a gente? Escreva para pitacodamaritaca@gmail.com

***

Só na newsletter

Receba dicas culturais semanais exclusivas assinando nossa newsletter

O UOL pode receber uma parcela das vendas pelos links recomendados neste conteúdo.

Opinião

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes