PUBLICIDADE
Topo

Sala de aula de invertida coloca o estudante no centro da aprendizagem

Débora Garofalo

Com foco em educação criativa, traz dicas e insights sobre como driblar obstáculos de falta de estrutura, tempo e material para encantar alunos e alunas na sala de aula

29/07/2020 04h00

Nos últimos tempos falamos muito sobre as metodologias ativas e sobre o potencial de permitir uma aprendizagem que envolva os estudantes, ofertando a personalização do ensino.

Em tempos de pandemia, em que o ensino está sendo realizado através de aulas mediadas por tecnologia, seu papel se tornou ainda mais essencial, na busca de uma aprendizagem envolvente e que leve reflexões aos estudantes. Neste sentido, a sala de aula invertida é um caminho possível para colocar o estudante no centro do processo de aprendizagem, nesse momento de ensino emergencial.

Na prática

A sala de aula invertida (fllipped classroom) é conhecida como uma grande evolução no processo de aprendizagem ao permitir que os estudantes tenham acesso a materiais de maneira antecipada, usando o tempo de aula de maneira otimizada.

O principal objetivo dessa metodologia é fazer com que o estudante possa se aprofundar sobre um determinado assunto, que pode ocorrer por meio de livros, vídeos, filmes, textos, ou, online, como jogos e plataformas, tendo acesso ao conteúdo/tema que será trabalhado de maneira antecipada e permitindo que o momento de aula seja o local de interação entre professor e estudante para sanar dúvidas, construir atividades entre outras possibilidades.

Com a sala de aula invertida, os estudantes podem realizar o processo (que se daria todo em sala de aula) em etapas fora do ambiente escolar, como em casa, no transporte, uma praça e posteriormente utilizam o tempo em aula para debater e construir o que foi observado.

Desta maneira, o aluno assume o centro do processo de aprendizagem ao participar de maneira interativa de atividades que buscam a autonomia e o protagonismo, mesclando ambientes, uma característica de ensino híbrido.

Benefícios desta aprendizagem

Alunos ativos: na sala de aula invertida o estudante trabalha a autonomia e a construção da aprendizagem lidando com diversas situações e desenvolvendo habilidades importantes como autoconfiança, autocuidado, gerenciamento do tempo e organização de uma rotina de estudos.

Tempo: com a sala de aula invertida o tempo é otimizado e melhor aproveitado nas aulas. Os estudantes também se organizam para o ensino com um conhecimento prévio sobre o assunto/currículo a ser trabalhando, possibilitando discussões sobre os temas.

Materiais: os estudantes têm acesso a uma gama de possibilidades como assistir vídeos aulas, filmes, games, e-books, aplicativos, textos e outros materiais que possam complementar a aprendizagem de maneira dinâmica e inovadora e, claro, sempre com o professor apoiando e realizando a mediação do conhecimento.

Um ponto importante de atenção é possibilitar aos estudantes o acesso aos conteúdos, como, por exemplo, disponibilizar materiais em alguma plataforma de acesso e traçar um roteiro para orientar os estudos. É necessário que no início do trabalho com esta metodologia aconteça muita conversa para que o estudante compreenda a importância e como poderá intervir em seu processo de aprendizagem. Com o tempo e o engajamento, eles podem criar o seu próprio material de estudo e se aprofundar sobre os assuntos de maneira espontânea e colaborativa, parte essencial para a aplicação da sala de aula invertida.

Aprendizado personalizado: cada estudante possui o seu ritmo de aprendizagem, o seu momento de tecer reflexões sobre o conteúdo a ser trabalhado, dessa maneira, é possível que cada estudante se aprofunde sobre determinado assunto, considerando o seu tempo e trabalhando de maneira colaborativa com os demais colegas. E o professor terá subsídios para intervir nesse processo.

Enfim, podemos verificar a vantagem de trabalhar com a sala de aula invertida principalmente no aspecto de melhoria de desempenho dos estudantes. Ao ter contato com diferentes fontes de aprendizagens, os alunos aprendem a respeitar o seu ritmo e interagir com colegas na busca da personalização do ensino.

Um abraço e até a próxima semana.

Debora Garofalo