PUBLICIDADE
Topo

Ford: app e realidade virtual acham defeito oculto e combustível adulterado

Ford testa diagnóstico por realidade virtual e informações direto para o dono do carro - Jorge Moraes/UOL
Ford testa diagnóstico por realidade virtual e informações direto para o dono do carro
Imagem: Jorge Moraes/UOL

Jorge Moraes

Colaboração para o UOL, em São Paulo (SP)

18/02/2019 07h00

Resumo da notícia

  • Realidade virtual permite encontrar falhas com equipe local ou remota
  • Aplicativo entrega diagnóstico na mão do motorista
  • Tecnologias devem vigorar totalmente até 2020

A Campus Party deste ano serviu como ponto de encontro para conectar o pós-venda ao dono do carro que, naturalmente, está muito mais bem informado e exige velocidade de resposta. A Ford mostrou, na feira de tecnologia em São Paulo, o projeto-piloto de algo que promete assistência mais rápida, bem como solucionar dúvidas dentro da oficina.

O mecânico usará óculos de realidade virtual aumentada para visualizar a mecânica do carro, ao mesmo tempo em que entrará em contato direto com a engenharia e suporte da fábrica. O resultado? Será a dúvida resolvida quando a informática e o técnico no local (ou remotamente) encontrarem, juntos, a possível falha. 

A assistência remota começa na rede até o final do semestre e permitirá um diagnóstico que vai influenciar diretamente no humor do consumidor. Aposto nisso. Imagine aquele defeito não identificado na hora, o quanto desanima e influencia o mercado?

Em tempos de redes sociais, então, aí é que o bicho pega. Assim, outra solução é o misto de app e sistema de diganóstico Ford Pass, que agora promete também mostrar também ao dono situações antes só disponíveis para análise dos técnicos da oficina, como por exemplo o indicativo de que o motor recebeu combustível adulterado, válido agora apenas para modelos a diesel, caso da picape Ranger.

Joaquim Arruda Pereira, diretor de Serviço ao Cliente da Ford América do Sul, defendeu a eficiência do projeto "com foco no cliente, na forma como a montadora passa a tratar o tempo de solução". Finalmente respostas eficazes para problemas anteriormente não identificados.

Para a implementar o projeto-piloto, o fabricante selecionou dez concessionárias de todo o Brasil para ampliar o desenvolvimento da experiência com o uso da tecnologia e depois dessa fase, que vai durar cerca de um ano, está prevista a expansão para toda a rede, até 2020.

Sem estepe 

A Ford promoveu, também na Campus Party, uma nova exibição do EcoSport Titanium, modelo que dispensa o estepe na tampa traseira (ou no assoalho) e usa a tecnologia "run flat". O fabricante também aproveita o espaço para ativar o "Rock in Rio", como empresa patrocinadora.

* Jorge Moraes é jornalista, influenciador digital, jurado do Prêmio UOL Carros e fala sobre tecnologia em automóveis.

Salão de SP: Ford Ecosport perde estepe em nova versão Titanium

UOL Carros