Estou com nível de insulina alto, o que posso comer no pré e no pós-treino?

Os alimentos recomendados variam de acordo com o tipo e intensidade do treino, mas, de modo geral, deve-se evitar antes do treino carboidratos de alto índice glicêmico, que são aqueles que se transformam rapidamente em açúcar no sangue, como pão branco, massas, arroz branco, açúcar, biscoitos doces ou recheados, entre outros.

Portanto, os alimentos ingeridos devem ser de médio a baixo índice glicêmico, como uma banana com aveia, batata-doce e frango, mandioca e carne moída, salada de fruta com granola sem açúcar.

Já para o pós-treino, quando o objetivo é melhorar a recuperação dos músculos, o ideal é associar o consumo de carboidrato, proteína, fibras, vitaminas e minerais. Assim, pode-se ingerir arroz integral, feijão, carnes magras e omeletes com vegetais, por exemplo. Aliás, o consumo de fibras e proteínas faz com que o carboidrato da nossa alimentação seja absorvido de forma mais lenta, o que contribui no controle da secreção de insulina.

O que é insulina

Insulina é um hormônio secretado pelo pâncreas e sua principal função é levar o açúcar do nosso sangue para dentro das células. Quando a insulina não age direito, esse açúcar fica circulando no sangue e pode levar a uma série de complicações, entre elas o desenvolvimento de diabetes.

É importante, claro, ficar de olho nos possíveis sinais que envolvem a resistência à insulina, que são:

acantose nigricans (manchas escuras e aveludadas em região de dobras, como pescoço, virilha, axilas e pele);

hiperandrogenismo ovariano (acne, irregularidade menstrual, excesso de pelos etc.);

acúmulo de gordura abdominal;

Continua após a publicidade

excesso de peso, principalmente de gordura abdominal;

aumento da glicemia;

aumento de triglicérides e ácido úrico, entre outros.

Por isso, caso você esteja com um ou mais desses sintomas, é muito importante buscar a ajuda de um médico, seja o endocrinologista ou nutrólogo, por exemplo. Esses profissionais farão, além da famosa anamnese, todos os exames necessários para chegar a um diagnóstico correto.

Tratamento para resistência à insulina

O principal tratamento está na mudança do estilo de vida, ou seja, manter uma alimentação saudável e praticar atividade física regularmente. Além disso, muitas vezes é necessário tratar o sobrepeso ou a obesidade para normalizar os níveis de insulina. Nesse caso, pode ser indicado o uso de medicações que diminuem a resistência insulínica ou ajudem na perda de peso.

Continua após a publicidade

Em relação à prática regular de atividade física, além de ajudar no controle do peso e redução de risco cardiovascular, os exercícios levam a uma melhora do aproveitamento da glicose pelos grupos musculares. Isso faz com que a entrada de glicose nas células seja facilitada, melhorando a resistência à insulina.

Para alimentação, o ideal é ter uma dieta saudável, com:

carboidratos de frutas;

vegetais;

grãos integrais;

legumes;

Continua após a publicidade

leite desnatado;

proteínas magras.

Também é importante reduzir as gorduras saturadas e incluir ácidos graxos monoinsaturados (oleaginosas, azeite, abacate) e ômega 3 na dieta.

Vale lembrar novamente que a resistência à insulina, quando não tratada, pode, a longo prazo, levar ao desenvolvimento de diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares, que são a maior causa de mortalidade no mundo.

Fontes: Joyce Santos Paiva, médica endocrinologista do HGCC (Hospital Geral Dr. César Cals), em Fortaleza; Ligia Cristina Lopes de Farias, médica endocrinologista do HUAC-UFCG (Hospital Universitário Alcides Carneiro da Universidade Federal de Campina Grande), ligado a Rede Ebserh (Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares); Mônica Aguiar Medeiros, médica endocrinologista da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo.

Quais são suas principais dúvidas sobre saúde do corpo e da mente? Mande um email para pergunteaovivabem@uol.com.br. Toda semana, os melhores especialistas respondem aqui no VivaBem.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes