PUBLICIDADE

Topo

Tem problema comprar alimentos com embalagem danificada?

iStock
Imagem: iStock

Sibele Oliveira

Colaboração para o VivaBem

03/12/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Embalagens violadas, furadas, rasgadas e enferrujadas devem ser descartadas, pois deixam os alimentos expostos a contaminações
  • Se o dano for pequeno, como pequenos amassados, o alimento deve ser transferido para outro recipiente, guardado na geladeira e consumido logo
  • O maior perigo é consumir os que estão em caixas e latas estufadas, pois nelas há gases formados por micro-organismos
  • Além das características da embalagem, devemos observar sabor, cor e textura do alimento. Essas alterações ajudam a saber se ele foi afetado

Quem nunca fez uma compra de supermercado e, quando chegou em casa, notou que a embalagem do alimento não estava em perfeitas condições? A pressa do dia a dia ou falta de atenção na hora de pegar o produto podem nos impedir de ver garrafas, latas, potes e pacotes violados, levemente estufados, com partes amassadas ou enferrujadas, com furos, sulcos e vazamentos. Quando detectamos esses danos, ficamos em dúvida se o alimento está seguro para o consumo. E não é exagero ter esse tipo de hesitação.

"A embalagem pode perder sua função principal, que é proteger contra agentes externos e garantir a segurança e a qualidade do alimento embalado, engarrafado ou enlatado", afirma Renata Maria Galvão Cintra, professora do departamento de ciências humanas e ciências da nutrição e alimentação da Unesp (Universidade Estadual Paulista). Como muitas vezes não vemos nada de errado a olho nu, ignoramos o dano e comemos o alimento normalmente. Mas não é porque o perigo é invisível que ele não existe.

Quando a embalagem está danificada, micro-organismos podem atravessá-la e chegar ao interior do pacote. Sendo que os piores para saúde são os que se desenvolvem nos alimentos mais ricos em nutrientes, particularmente os proteicos como carnes e produtos lácteos, de acordo com a docente. E não é só isso. Quando ela não está intacta, é comum entrar oxigênio, que pode deteriorar óleos e gorduras e oxidar, por exemplo, vitaminas. Os pigmentos naturais do alimento também podem sofrer oxidação ou fotodegradação (decomposição pela ação da luz e da radiação).

Ainda há o risco de ocorrerem reações de componentes das embalagens com componentes dos alimentos, que podem conter aditivos químicos, alerta Michele Rigon Spier, cientista e professora de engenharia de alimentos da UFPR (Universidade Federal do Paraná). Nesse caso, ingerimos substâncias tóxicas sem perceber.

10.set.2020 - Pacotes de feijão na prateleira do supermercado em Sorocaba (SP). Alimentos como arroz, feijão, óleo de soja, macarrão e leite já apresentam alta nos preços e alguns estabelecimentos estão limitando a quantidade por cliente. - Cadu Rolim/Fotoarena/Estadão Conteúdo - Cadu Rolim/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Pacotes transparentes ajudam a notar se há algo de estranho com o alimento
Imagem: Cadu Rolim/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Às vezes a própria embalagem nos "avisa" que o alimento está estragado, mesmo que o prazo de validade não esteja vencido. É o caso de latas e caixas estufadas. "Elas representam um grande risco para a saúde, já que são resultado da formação de gases por micro-organismos presentes no alimento que ali se desenvolveram", avisa Cintra. O mais provável é que nelas haja a presença da bactéria Clostridium botulinum, causadora do botulismo. Os esporos formados pelo micro-organismo são muito resistentes e, por se nutrirem de componentes dos alimentos, ganham força para crescer e produzir gases como CO2 (dióxido de carbono) e H2S (sulfeto de hidrogênio).

O estufamento pode ser causado pelo tratamento térmico insuficiente na indústria, resfriamento inadequado, alterações pré-processamento e contaminação por meio de furos na embalagem. Mas também pode ocorrer pela presença de hidrogênio, por ferrugem, corrosão do metal da lata, técnicas ineficientes de esterilização do alimento, por pouco ou muito vácuo e por enchimento excessivo. Independentemente da causa, o fato é que embalagens estufadas sinalizam um enorme perigo para a saúde, podendo até ser fatal.

Os pacotes transparentes também nos ajudam a perceber quando o alimento está impróprio para o consumo. É o caso dos de arroz, macarrão, farinhas e grãos como o feijão, que nos permitem visualizar carunchos e outros insetos que porventura estejam ali, assim como os pequenos furos por onde eles podem ter entrado. "Ou mesmo a presença de mofo (fungos) em massas refrigeradas, que são um dos problemas mais comuns de cunho sanitário", diz Spier.

Os riscos de cada material

10.set.2020 - Caixas de leite na prateleira do supermercado em Sorocaba (SP). Alimentos como arroz, feijão, óleo de soja, macarrão e leite já apresentam alta nos preços e alguns estabelecimentos estão limitando a quantidade por cliente. - Cadu Rolim/Fotoarena/Estadão Conteúdo - Cadu Rolim/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Melhor evitar embalagens de papelão danificadas
Imagem: Cadu Rolim/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Papelão

Embalagens cartonadas (tipo longa vida), utilizadas para acondicionar leite, sucos, chás, creme de leite, leite condensado, água de coco, sopas, polpa e molho de tomate geralmente são produzidas com 75% de papel-cartão (papelão), 20% de polietileno de baixa densidade (PEBD) e 5% de alumínio. Esses componentes fornecem proteção, estrutura, resistência mecânica, bloqueiam os vapores de gases (O2 e CO2) e formam uma barreira à luz e à umidade.

Quando elas estão muito amassadas ou danificadas, o alimento perde essa proteção e agentes contaminantes podem migrar para ele. Por isso, é importante verificar se o amassamento não danificou a área de fechamento da embalagem, se não abriu rasgos ou furos, se não há vazamento e se a tampa está perfeita, vedando bem a caixinha. A presença de umidade também deve chamar a nossa atenção, pois favorece o desenvolvimento de fungos nocivos à saúde. Por outro lado, se o dano for pequeno, como um leve amassado, não há motivo para se preocupar.

Molho de tomate em lata - iStock - iStock
Pequenos amassados na lata não comprometem o conteúdo
Imagem: iStock

Latas

Assim como acontece com as embalagens de papelão, pequenos amassados podem não expor o alimento aos compostos químicos que constituem a estrutura metálica da lata, segundo o Ital (Instituto de Tecnologia de Alimentos). Para evitar contaminações, a indústria aplica uma camada de verniz ou esmalte específico, cuja função é isolar o metal, de modo que ele não passe para o alimento.

Só que dependendo da extensão da deformação, a película de verniz pode se romper, deixando esse alimento em contato direto com metais da lata como o alumínio e suas ligas, folhas de aço cromadas e folhas-de-flandres, compostas por estanho, aço de baixo teor de carbono e ferro. O problema é que esse rompimento que pode provocar uma reação de corrosão, contaminando o produto. Além disso, o impacto pode causar microfissurras na lata, deixando a comida desprotegida.

Todo cuidado é pouco, mesmo porque não sabemos o que aconteceu no trajeto da fábrica para os pontos de venda. As latinhas de cervejas, refrigerantes e chás costumam ficar expostas ao ar, a micro-organismos como bactérias mesófilas e fungos, a aves e animais roedores, que podem transmitir infecções variadas. Por isso, elas precisam ser higienizadas antes de irem para a geladeira, principalmente o lacre da tampa. E por falar em geladeira, caso os alimentos que compramos em latas não sejam totalmente consumidos na hora, o ideal é transferi-los para um recipiente de vidro e mantê-los refrigerados.

AMP - Plástico 3 - ermingut/Getty Images/iStockphoto - ermingut/Getty Images/iStockphoto
A embalagem de plástico não deve estar furada ou riscada
Imagem: ermingut/Getty Images/iStockphoto

Plástico

Por serem frágeis, devemos examinar cuidadosamente as embalagens plásticas para ver se estão furadas, riscadas ou rasgadas. Pois os danos, mesmo que sejam pouco perceptíveis, são portas de entrada para micro-organismos. Da mesma maneira que acontece com as latas, embalagens plásticas de bebidas, sucos e refrigerantes e até os canudos podem se transformar em um depósito de fungos e bactérias, que causam diferentes infecções. Por essa razão, nunca devemos levá-las direto à boca, principalmente sem antes fazer uma boa higienização.

Além disso, é importante evitar aquecer alimentos em recipientes plásticos, a menos que sejam específicos para serem levados a altas temperaturas. O problema de aquecer o alimento em plásticos não apropriados é que eles podem liberar substâncias tóxicas como dioxinas, ou mesmo microplásticos. Mais uma vez, é necessário se certificar de que a embalagem está íntegra, sem trincas, rachaduras, abaulamentos e vazamentos, pois esses problemas podem acelerar a degradação do alimento.

Receita de Família/NOSSA - Potes de vidro com geleia de tangerina - Keiny Andrade/UOL - Keiny Andrade/UOL
O vidro é ótimo para conservar alimentos
Imagem: Keiny Andrade/UOL

Vidro

Potes, frascos e garrafas de vidro são excelentes para acondicionar e conservar alimentos, pois os protegem bem de micro-organismos, além de serem totalmente impermeáveis a gases. No caso deles, o cuidado é observar se há trincas ou rachaduras, pois pequenos fragmentos do material podem se misturar aos alimentos e ser ingeridos.

Outra sugestão é aproveitar a transparência de alguns vidros para examinar bem o conteúdo na hora de comprar. Se o líquido estiver espumoso ou turvo, é sinal de que o alimento está estragado. A tampa também deve ser observada: não pode estar mal ajustada, enferrujada ou sem lacre. Após aberta a embalagem, ela deve ser mantida na geladeira sem jogar o líquido fora, pois ele ajuda a conservar o produto.

Quando jogar o alimento fora

Antes de arremessar o alimento no lixo, observe-o bem. Se ao chegar em casa você notou que a lata ou a caixa está estufada, é melhor descartar o produto imediatamente. O mesmo vale para os que apresentam um aspecto diferente, consistência ou gosto estranho, como bolachas que já estão amolecidas quando abrimos o pacote ou um suco azedo além do normal. "Se houve alteração sensorial, de sabor, cor ou textura e a embalagem está alterada, amassada, rasgada, furada, há perda de qualidade", enfatiza Cintra.

Se o rótulo está danificado, inclusive na parte da informação nutricional e do prazo de validade, o ideal é solicitar a troca do produto no local da compra, caso ainda tenha a nota fiscal. Ou pedir que o fabricante o substitua, uma vez que o problema pode ter sido causado durante o processo de fabricação.

Mas e se a pessoa não quiser ter esse trabalho? Ela pode se valer do bom senso. "Se uma caixinha de leite ou uma lata só amassou —às vezes até em casa a gente deixa cair e ela amassa por causa da queda —, isso não vai causar a perda. Recomendo que deixe o produto na geladeira e que seja o primeiro a ser consumido", aconselha Spier. Ela sugere abrir a embalagem, transferir o alimento para um recipiente de vidro, guardar na geladeira e consumir em até 72 horas, de modo que o alimento não entre em contato com o material que pode ter sofrido um dano. Mas isso somente se ele estiver dentro do prazo de validade.

Se a embalagem estiver em boas condições, a orientação é lavá-la com água e sabão, enxaguar e secar bem. Em tempos de pandemia, é bom finalizar esse processo passando álcool 70%. Esses cuidados devem ser estendidos aos alimentos in natura, que frequentemente vêm com o plástico filme rasgado ou a bandeja de isopor grudada. No caso deles, a dica também é caprichar na lavagem e secagem. Se precisarem ir para a geladeira, devem ser transferidos para um saquinho plástico ou um recipiente apropriado, sem deixar acumular ar dentro.