PUBLICIDADE

Topo

Victor Machado

Como lidar com o ganho de peso na quarentena

Com a pandemia, muitas pessoas passaram a buscar conforto na comida, mas isso não pode ser visto como maior dos problemas  - iStock
Com a pandemia, muitas pessoas passaram a buscar conforto na comida, mas isso não pode ser visto como maior dos problemas Imagem: iStock
Victor Machado

Victor Machado é nutricionista, pós-Graduado em nutrição esportiva e em nutrição Comportamental. Atua com foco em comportamento alimentar e é o idealizador da marca Nutrição Sincera, que tem como objetivo passar informações sobre saúde, alimentação e bem-estar por meio do humor.

Colunista do VivaBem

09/11/2020 04h00

O distanciamento social e a quarentena tiveram um impacto direto no padrão alimentar de muitas pessoas nos últimos meses —provavelmente por esse ter sido um período que gerou incertezas, inseguranças, ansiedade e por não sabermos ao certo como lidar com a situação.

Quando estamos diante do novo é comum termos momentos de instabilidade emocional e, aos poucos, irmos aprendendo e nos acostumando com a situação. Assim, crescemos e aprendemos a encarar momentos difíceis na vida. Com a alimentação não é diferente.

No início, muitos acreditavam estar diante de uma situação em que seria necessário aumentar o estoque de alimentos em casa. Além disso, outras pessoas procuraram novas formas de utilizar o tempo em casa e compartilhar momentos com os familiares, como testar todas aquelas receitas salvas nas redes sociais que nunca tiveram tempo de preparar. Logo vimos um monte de gente preparando pães caseiros —fenômeno graciosamente apelidado de "pãodemia"—, bolos, sobremesas, massas etc.

Agora, adicione a isso a rotina maluca do home office e estresse no fim do dia de trabalho, que traziam aquela vontade de comer algo gostoso ou mais calórico, que traz conforto, desejo facilmente atendido pelos app de delivery.

Acrescente também mudança nas vestimentas. Não era mais preciso colocar aquela calça jeans ou camisa, que deram espaço para o moletom confortável que não aparece nas reuniões feitas por videoconferência —e "esconde" os quilos adquiridos com o excesso de pães, doces, pizzas... A vontade de ficar de pijama o dia inteiro se tornou bastante comum diante dessa situação pandêmica onde muitos preferiam não pensar sobre o assunto, e já outras queriam apenas que tudo acabasse logo. O nosso pensamento estava em outro lugar e, muitas vezes a comida vinha para preencher algum vazio emocional.

Somando todos esses fatores acabamos perdendo parte da nossa percepção corporal e também ficamos distante dos nossos sinais de fome e saciedade. Naturalmente, a comida ganhou um papel de protagonista em nossas vidas —mas isso não quer dizer que precisamos procurar algum alimento culpado nessa história. Já que não existe nenhum alimento que engorda ou emagrece.

O que precisamos nesse momento é resgatar nossa conexão com nosso interior para que possamos ter contato com nossas reais necessidades fisiológicas e emocionais. Quando damos espaço para acolher nossos sentimentos e aprendemos a nos acolher diante dos momentos difíceis, os sinais de fome e saciedade ficam mais claros e assim conseguimos comer quantidades que não tenham prejuízos na nossa saúde. Além disso, não é momento para fazer restrição alimentar severa, nem exercício de forma compensatória e exagerada, até porque precisamos manter nosso sistema imune em dia.

No início da pandemia, o principal objetivo era sobreviver! O momento que passamos não tinha nada a ver com ceder a nenhuma pressão estética e supervalorização do "corpo ideal" que não existe. Na verdade, foi um momento de novos aprendizados e uma oportunidade de melhorarmos como seres humanos. Portanto, ganhar uns quilinhos a mais não precisa ser visto como o maior dos problemas. Apenas conecte-se com você e volte a ter uma alimentação saudável e uma rotina regular de atividades físicas, que com o tempo tudo vai se normalizar.