PUBLICIDADE

Topo

Edmo Atique Gabriel

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Vai passar por cirurgia? Veja quais precauções ter com o corpo e a mente

iStock
Imagem: iStock
Conteúdo exclusivo para assinantes
Edmo Atique Gabriel

Professor livre-docente na Unilago (União das Faculdades dos Grandes Lagos), palestrante, especialista em cirurgia cardiovascular com aprimoramento em centros como Harvard Medical School e Cleveland Clinic e pós-graduado em nutrologia médica pela Abran (Associação Brasileira de Nutrologia).

Colunista do UOL

18/09/2021 04h00

Ao longo de nossa vida, em decorrência de diversos problemas de saúde ou mesmo alguma situação mais pontual, necessitamos de uma cirurgia de caráter reparador ou paliativo. E quando se trata de ser operado(a), não basta simplesmente marcar a data do procedimento, comparecer ao hospital, deitar-se numa maca e "apagar" até que a cirurgia seja concluída.

O período de suma importância para o sucesso de uma cirurgia consiste na preparação pré-operatória, envolvendo uma série de medidas a serem adotadas com muita atenção e disciplina. Quando a cirurgia é indicada, ou seja, quando o cirurgião comunica oficialmente que há necessidade de realizar o procedimento e a data do procedimento já começa a ser definida, inicia-se este período de preparação, visando chegar ao dia da cirurgia com as melhores condições clínicas possíveis e um estado geral pleno e digno de suportar as agressões naturais de um procedimento cirúrgico.

No entanto, e já pude testemunhar isto por ser cirurgião, existe uma condição extremamente essencial para o sucesso de uma cirurgia, muitas vezes sobrepondo as medidas mais objetivas e protocolares. Trata-se da condição psicológica da pessoa que necessita do procedimento.

Em outras palavras, esta condição psicológica engloba uma espécie de energia que esta pessoa transmite a quem está mais próximo dela, incluindo o próprio cirurgião, no tocante a estar tranquila e otimista diante da cirurgia que terá de enfrentar.

Pode parecer algo muito simples e elementar, mas já pude testemunhar que, mesmo diante da gravidade de uma doença, uma pessoa extremamente convicta e consciente da necessidade de enfrentar a cirurgia, transmite uma energia positiva capaz de acalmar o ambiente e favorecer uma fluência adequada do procedimento.

Lembro-me de uma senhora que operei há cerca de 7 anos, que devido à gravidade e histórico de várias operações, todos categorizavam o caso dela como um procedimento terrivelmente trabalhoso e complicado. Mas, na manhã da cirurgia, horas antes de iniciar o procedimento, estive com ela e me impressionei com o otimismo e a energia positiva que ela transmitia ao me dizer calmamente: "Doutor, vai correr tudo bem, estou muito tranquila." E realmente o procedimento transcorreu com boa fluência e sem sobressaltos.

Assim, o primeiro cuidado essencial antes de uma cirurgia é avaliar o estado psicológico da pessoa e, se necessário, pedir mais apoio por parte dos familiares e de um especialista. Estando o lado psicológico a favor e apontando para um resultado promissor da cirurgia, tudo já flui mais suavemente.

Esta etapa seria uma medida mais subjetiva e mais íntima. A partir daí, existe uma série de ações e preocupações relacionadas a fatores objetivos, que também devem ser abordados visando preparar o corpo para o dia da cirurgia.

Estas medidas objetivas na verdade retratariam a condição orgânica global da pessoa, com todas as nuances necessárias para a melhor plenitude possível. Vamos então às medidas objetivas decisivas no período pré-operatório:

1) Revisão dos hábitos alimentares

Não seria uma boa conduta manter uma alimentação rica em gorduras, açúcares e bebidas alcoólicas. Ao contrário, a ideia deve ser priorizar os alimentos ricos em vitaminas e fibras, como as frutas e verduras, além de bebidas naturais, como água e sucos.

2) Revisão do estilo de vida

Nos meses que antecedem a cirurgia, seria uma grande oportunidade de refletir sobre o estilo de vida adotado e, sobretudo, sobre as imperfeições desta rotina. O nível de estresse, por exemplo, consiste em um aspecto que deveria ser priorizado tendo em vista o impacto negativo do mesmo no ato cirúrgico e nos resultados pós-operatórios.

Níveis extremos do estresse podem desencadear alterações hormonais severas que, por sua vez, impactam negativamente na imunidade da pessoa e no seu equilíbrio orgânico.

3) Uso de medicamentos

Em geral, muitas pessoas utilizam, de forma rotineira, algum tipo de medicamento. E nem todo medicamento deveria ser utilizado até a véspera da cirurgia, visando evitar efeitos colaterais durante ou após o ato cirúrgico.

Como exemplos de medicamentos que costumamos interromper alguns dias antes da cirurgia, estão aspirina e a metformina. No caso da aspirina, a justificativa para esta interrupção seria o risco maior de um eventual sangramento. No caso da metformina, que normalmente é usada para controle do diabetes, sua interrupção seria para evitar problemas renais no período logo após a cirurgia.

4) Atividade física

Praticar alguma modalidade esportiva pode ser muito útil no período pré-operatório, quando consideramos a melhora da capacidade cardiorrespiratória. No entanto, qualquer esforço exagerado, principalmente na semana do procedimento, pode ocasionar processos inflamatórios, dores e desgastes que poderão prejudicar o resultado da cirurgia.

5) Viagens prolongadas

A programação de viagens de lazer para relaxar corpo e mente pode ajudar bastante nesta questão do equilíbrio emocional prévio a uma cirurgia. Em geral, as viagens deveriam ser pouco cansativas, de duração mais curta, para que haja a menor sobrecarga física possível. Viagens muito prolongadas, que exigem muito tempo de deslocamentos e risco de trânsito mais intenso, deveriam ser evitadas.

6) Ambiente

Quando uma pessoa está se preparando para uma cirurgia, umas das mais preciosas necessidades diz respeito a sensação de paz. Fica realmente complicado obter um bom equilíbrio emocional se, na casa ou no trabalho, paira a tensão constante. Brigas, discussões, ofensas, tentativas de prejudicar as pessoas são situações muito desagradáveis, que podem mudar o resultado de uma cirurgia.

O ser humano não é somente um corpo físico, o ser humano tem funções orgânicas intensamente dependentes dos processos emocionais que ele vivencia. Além de tudo isto, muito importante evitar barulho excessivo ou mesmo assistir a filmes ou programas que causem tensão e aflições.

Uma cirurgia não deixa de ser um ato de desequilíbrio. Obviamente um desequilíbrio controlado. Mas não se pode negar que quando se corta a pele, quando se modifica o fluxo sanguíneo de um órgão e quando se coloca uma pinça para ocluir um vaso sanguíneo, estamos gerando, ainda que temporariamente, certo grau de distorção de nossas funções.

A preparação pré-operatória envolve desde um trabalho muito meticuloso de estabilidade emocional e confiança, como também modificar hábitos errôneos na vida e na alimentação.

Para saber mais sobre a saúde do coração, me acompanhe no Instagram: @edmoagabriel.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL