PUBLICIDADE

Topo

Carreira e finanças

Burnout: 7 em 10 brasileiras se dizem afetadas com sobrecarga de trabalho

Reprodução
Imagem: Reprodução

Camila Brandalise

De Universa

06/12/2021 04h00

Pamela Mendes começou em um emprego novo na pandemia. Trabalhando cerca de 14 horas por dia em um banco de investimentos, sem rede de apoio e com a filha em casa o dia todo, a mãe solo foi parar no hospital três vezes achando que estava morrendo. Com dor de cabeça e pressão alta, foi encaminhada ao psiquiatra e recebeu o diagnóstico: síndrome de Burnout. A pandemia também colaborou para que a assistente editorial Isis Ribeiro recebesse o mesmo diagnóstico. O cansaço, crises de choro e insônia ainda levaram Isis a pedir demissão.

Segundo pesquisa divulgada em setembro pelo Instituto Datafolha e feita a pedido da plataforma de saúde mental Zenklub, 68% das mulheres do país se sentiram sobrecarregadas com o trabalho durante a pandemia, contra 56% dos homens. Segundo a psicóloga do trabalho Maria da Conceição Uvaldo, do Instituto de Psicologia da USP (Universidade de São Paulo), essa sobrecarga pode ser o primeiro fator que eventualmente resulte na Síndrome de Burnout.

Para investigar como e por que esse esgotamento atinge as mulheres brasileiras de forma mais massiva, Universa foi a fundo no assunto e publica, essa semana, 5 reportagens sobre o tema, visto sob diversos ângulos: esta que você lê, sobre carreira; trabalho, relacionamentos, maternidade e ainda uma entrevista com a autora americana Anne Helen Petersen que, após uma experiência pessoal, escreveu o best seller "Não aguento mais não aguentar mais: Como os Millennials se tornaram a geração do burnout (ed. HarperCollins Brasil). O sucesso de vendas da publicação confirma o que especialistas ouvidos dizem: a sensação de esgotamento pode até não ser novidade, mas a preocupação em entender suas causas e soluções é um tema urgente.

O termo "burnout" (do inglês, esgotamento) surgiu em 1974 nos Estados Unidos, mas foi só de uns anos para cá que a palavra se popularizou no Brasil. A síndrome, que se refere à exaustão psíquica ligada ao trabalho, ficou ainda mais forte na pandemia, segundo especialistas ouvidos por Universa. Os dados também mostram que as mulheres são as mais impactadas.

A síndrome de burnout é considerada uma doença desde 2019 pela OMS (Organização Mundial da Saúde), mas só fará parte da CID (Classificação Internacional de Doenças) na próxima revisão da lista, lançada em janeiro de 2022. Após o diagnóstico, é possível tirar uma licença do trabalho por causa da condição.

"Claro que todo mundo passa por cansaço e fadiga no trabalho, ou fica de saco cheio. Mas no caso do burnout, isso adoece a pessoa, que começa a trabalhar sem limites, não porque quer, mas por causa das necessidades que se colocam em sua vida", explica Uvaldo.

"As empresas já entendem que o funcionário precisa se afastar da sua função, mas, no geral, não sabem lidar com o problema. É uma questão que tem muito menos a ver com o indivíduo em si e mais com a organização do trabalho e ao que a vida profissional representa, como produzir cada vez mais."

Por que o burnout afeta mais as mulheres?

Um relatório divulgado pela consultoria McKinsey em setembro deste ano nos Estados Unidos mostra que 42% das mulheres afirmam se sentir esgotadas frequentemente ou quase sempre durante a pandemia. O índice é 10% maior do que antes da crise sanitária. Entre os homens, o número, em 2021, foi de 35%. O estudo entrevistou 65 mil pessoas de 423 organizações.

"À medida que as empresas continuam a gerenciar os desafios da pandemia e procuram construir um local de trabalho mais igualitário para o futuro, elas precisam se concentrar em duas prioridades principais. Primeiro a de promover todos os aspectos da diversidade e inclusão. Depois, de lidar com o desgaste crescente que todos os funcionários - mas principalmente as mulheres - estão experimentando ", afirma o relatório.

Uvaldo aponta que a estrutura de trabalho é um lugar de adoecimento para a população feminina. "Sabemos que há o machismo e que muitas mulheres precisam se 'masculinizar' para serem reconhecidas. Precisam fazer o dobro, provar que são capazes. Isso é desgastante", afirma.

Apesar de jornada contínua e os cuidados com casa e família trazerem peso extra para a maioria das mulheres, a médica Rosylane Rocha, presidente da ANAMT (Associação Nacional de Medicina do Trabalho) afirma que o trabalho doméstico não entra no diagnóstico do burnout, pois não considera turnos além das tarefas de casa e de cuidados com a família.

"Mas tais tarefas consomem energia e também figuram como fator estressor que se somam às atividades laborais. Assim, geram na mulher efeitos de fadiga e irritabilidade, levando a alterações do sono e apetite, além de problemas nas relações interpessoais. Se a mulher está com burnout, o excesso de tarefas e compromissos domésticos agravam o estado no todo", explica.

Para Paula Castilho, sócia da McKinsey no Brasil, a diferença entre o desgaste da população masculina e feminina fica mais evidente entre as mães. "Elas são duas vezes propensas do que os pais a se preocupar que suas responsabilidades de cuidadores resultem em julgamentos negativos de seu desempenho profissional. Com isso, um terço das mães, versus um quarto dos pais, estão pensando em deixar a força de trabalho ou 'desacelerar' suas carreiras", afirma, citando estudos da empresa feito nos Estados Unidos.

"Tinha crise de pânico ao sentar em frente ao computador para trabalhar"

A assistente editorial Isis Rangel: melhora veio com tratamento psicológico e ioga - Reprodução/Facebook - Reprodução/Facebook
A assistente editorial Isis Rangel: melhora veio com tratamento psicológico e ioga
Imagem: Reprodução/Facebook

A pandemia foi crucial para desencadear uma crise de burnout na assistente editorial Isis Rangel, 28. "Manter o ritmo de trabalho no home office e no meio dessa loucura era absurdo. Já sentia isso no início, mas fui segurando as pontas, precisava trabalhar. Até que tive uma crise de choro e ansiedade, não conseguia dormir pensando que queria sumir para não precisar trabalhar no outro dia, tinha pânico só de sentar em frente ao computador", diz.

"Pedi demissão e fui atrás de tratamento psiquiátrico. Mas foi muito complicado. Era tudo muito incerto, minha renda caiu bruscamente, meu namorado e eu moramos juntos e somos freelancers. Ele é fotógrafo e na época atuava em eventos, então do dia pra noite acabou tudo, né? Demorou para a gente ser aprovado no auxílio emergencial, passei a dever aluguel e coisas do tipo que eu nunca tinha passado."

Para Pamela Mendes, 25, que tinha a função de coordenadora de experiência de clientes em uma grande empresa, o fato de ser mãe solo aumentou ainda mais a tensão. "Em agosto do ano passado troquei de emprego, fui trabalhar em um banco de investimentos. Não tinha controle de jornada. Comecei a trabalhar 12h por dia, que viraram 14h, que no fim chegavam a 18h. E minha filha não estava frequentando a escola, então tinha as demandas da casa também", conta.

Pamela Mendes teve síndrome de burnout em 2020 - Reprodução - Reprodução
Pamela Mendes teve síndrome de burnout durante a pandemia
Imagem: Reprodução

"A pandemia tirou minha maior rede de apoio que era a escola da minha filha. Além disso, o trabalho remoto também contribuiu para que a noção de horário no mundo corporativo se perdesse, e o trabalho se confundiu com a vida pessoal. Acredito que a junção desses fatores acelerou a minha estafa", explica.

Os primeiros sintomas de esgotamento apareceram em outubro de 2020, com manifestações físicas. "Eu ficava doente com bastante frequência, cheguei a ir no hospital três vezes achando que estava morrendo e era pressão alta, coisa que nunca tive. Numa dessas idas ao hospital me reviraram e não encontraram nada que justificasse os meus sintomas, que eram dor de cabeça e pressão alta. Cheguei a desmaiar. Fui encaminhada para a psiquiatria, onde recebi o diagnóstico de burnout. Ainda segui minhas atividades laborais por um período, mas ficou insustentável e precisei me afastar."

Como explica a psiquiatra Danielle H. Admoni, especialista pela ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria), a sensação de sobrecarga gerada pelo trabalho, em um quadro de burnout, extrapola a área profissional e passa a afetar também a vida social. "Em geral, as pessoas dizem que não conseguem produzir como antes e passam a se cobrar mais. Torna-se um círculo vicioso", aponta. "Isso piorou com o home office por não ter horários estabelecidos, trabalhar mais, não ter hora para terminar o expediente. Antes o que era tudo dividido, horário de chegar e de sair, virou uma coisa só."

Procurar ajuda profissional é fundamental

Hoje com acompanhamento psiquiátrico, Pamela se sente melhor, mas não voltou para o antigo emprego. "Diria para quem estiver passando por isso, que procure ajuda. Os efeitos do burnout foram terríveis por aqui, emagreci 15 quilos em três meses, tive sintomas de ansiedade e depressão, tentei suicídio. Não conseguia fazer mais nada além de ficar deitada tamanha a exaustão, tinha dias que estava tão cansada que sequer conseguia dormir. Até hoje tomo psicoativos e sigo em tratamento."

Isis também procurou ajuda. "Ter psicóloga e psiquiatra para me ajudar foi essencial", diz. Reduzir a carga de trabalho e renegociar prazos para desacelerar um pouco também fez efeito: apesar de o tratamento ser recente, diz já se sentir um pouco menos ansiosa e mais disposta. Praticar exercícios, no caso dela, ioga, é outra estratégia. "É muito bom descarregar fisicamente a pressão emocional."

Carreira e finanças