PUBLICIDADE

Topo

'Eu venci': Autora de Maid lê relatos de brasileiras vítimas de violência

Luiza Souto

De Universa

12/11/2021 11h26

Quem assistiu à série "Maid", da Netflix, acompanhou a luta de Alex (Margaret Qualley) para romper o ciclo de violência doméstica e abandonar o marido junto a sua filha. Em seu processo de recuperação com outras mulheres, ela propõe uma roda de leitura entre as vítimas, em que cada uma deveria escrever sobre alguma imagem ou momento que as marcou.

A cena emocionante inspirou a autora Stephanie Land a fazer o mesmo com fãs da série, e num vídeo obtido com exclusividade por Universa, e que será lançado nesta sexta-feira (12) no Youtube, ela narra histórias inspiradoras que diversas mulheres comentaram em posts da plataforma de streaming enquanto assistiam à série.

Stephanie, de 43 anos, é autora do livro autobiográfico "Superação: Trabalho Duro, Salário Baixo e o Dever de Uma Mãe Solo", adaptado para a plataforma de streaming.

Uma internauta identificada como Andalú escreveu no Twitter que se pegou por diversas vezes chorando ao ver o sofrimento da personagem, pois ela também criou a filha sozinha, fazendo faxinas, mesma função de Alex na obra.

"Hoje posso dizer que venci. Minha filha tem 19 anos, está no terceiro ano da faculdade de direito. É uma mulher linda e minha cúmplice em tudo", a fã afirmou.

Emocionada, Stephanie, complementou:

"Eu amo que você falou: 'Eu venci'. E é porque a sua filha encontrou o sucesso. Eu me sinto da mesma forma. A história da minha criança, Story, que era personagem na série, quando era bem menor, agora tem 14 anos e é tão inteligente e me traz orgulho poder ver quão bem elas estão indo", entrega a autora. Na sua obra, a filha de Alex, Maddy, é interpretada por Rylea Nevaeh Whittet.

Outra seguidora, identificada como Agnes, entrega que ficava esperando uma reviravolta mirabolante da personagem, mas entendeu que tratava-se da vida real, porque a série mostra exatamente como mulheres vítimas de violência de gênero ficam desamparadas e "psicologicamente destruídas":

"Sofro por aquelas que não têm a oportunidade de sair do fundo desse poço. Me identifiquei demais quando ela volta [para a casa do pai de sua filha] e fica em depressão. É a história da minha vida. Hoje estou separada e na minha segunda faculdade. Foi difícil mas voltei a viver."

Após ler os cinco depoimentos, a autora finaliza o vídeo dividindo com o público que muitas vezes, como mãe solteira, sentiu que não tinha capacidade alguma, mas que não poderia dizer: "não posso fazer isso".

"Tudo tinha que ser possível, não importa o que a vida me reservasse e de alguma forma me senti extremamente cansada, mas por outro lado sinto que foi o momento em que eu mais me fortaleci em toda a minha vida."

' data-autoplay='true' data-start='' data-mute='true' data-related='false' data-btnfollow='false' frameborder='0' allow='autoplay; encrypted-media' allowfullscreen>