PUBLICIDADE

Topo

Beleza

Vegano, natural, cruelty free: entenda cada termo do rótulo dos cosméticos

Selos e termos indicam qualidade e procedência dos ingredientes nos produtos de beleza - Pexels
Selos e termos indicam qualidade e procedência dos ingredientes nos produtos de beleza Imagem: Pexels

Isabella Marinelli

De Universa

04/05/2021 04h00

A sustentabilidade passou de preocupação desejável à valor obrigatório no mercado de beleza. Em 2021, não é possível mais construir um discurso de marca sem levar em consideração a urgência climática e demandas do meio ambiente. O papo teórico já se provou fazer parte do comportamento de consumo atual, especialmente da Geração Z, que está cada vez mais fluente na leitura de rótulos. Uma pesquisa da consultoria MorningConsult mostrou que a palavra "vegano" faz o produto ficar mais atraente para 29% das pessoas de 18 a 21 anos. — contra 14% dos boomers. Já de acordo com o bureau de tendências Mintel, o lançamento de produtos de beleza veganos cresceu 175% de 2013 a 2018. A transparência desejada é aplicada em embalagens cada vez mais educativas, capazes de explicitar origem de ingredientes e até as condições dos processos. Para tanto, termos e certificados aparecem em quase todas elas.

Vegano, cruelty free (ou, em português, livre de crueldade), natural, orgânico, clean beauty... São diversas nomenclaturas no glossário verde. Mas você sabe o que significa cada um deles? A cosmetóloga Ana Carolina Ribeiro, diretora da Associação Brasileira de Cosmetologia, explica a seguir.

Produtos de beleza sustentáveis já são realidade

Para um produto ser considerado sustentável, há uma infinidade de critérios aplicados. A maior parte deles corresponde à origem dos ingredientes, métodos de cultivo e extração, mão de obra empregada nas etapas, processo fabril, escolha de embalagens e até comunicação. "Hoje, a categoria que considero mais completa é a clean beauty, ou 'beleza limpa', que se preocupa com o organismo, com a sociedade e com o meio ambiente ao mesmo tempo", afirma Ana Carolina.

geração z - Prostock-Studio/Getty Images/iStockphoto - Prostock-Studio/Getty Images/iStockphoto
Geração Z está interessada em produtos que se preocupam com o meio ambiente
Imagem: Prostock-Studio/Getty Images/iStockphoto

Entenda os termos

Produtos artesanais
São aqueles produzidos fora das indústrias e, portanto, sem certificações da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Em sua grade maioria, entretanto, têm capital cultural no processo. "São feitos em casa ou em estúdio de artesanato. Pela legislação, os produtos artesanais não são classificados como cosméticos, uma vez que não são submetidos às réguas de segurança previstas em lei", explica.

Produtos naturais
Antes de tudo, é preciso diferenciá-los. "Sintéticos são aqueles ativos produzidos em laboratório ou que passam por um processo químico em algum ponto da manufatura. O que é natural vem das substâncias da natureza. Pode ser feito de plantas, de animais e de minerais. É importante mencionar que não necessariamente aquilo que é natural é vegetal ou vegano. Só significa que ele carrega ativos que vêm da natureza", enfatiza Ana Carolina.

No Brasil e no mundo, temos algumas empresas certificadoras, que dão os selos de garantia. Por aqui, os mais comuns são IBD (Institudo Biodinâmico) e Ecocert. Para que um cosmético possa ser validado por eles, é necessário um mínimo de 90% de ingredientes naturais na formulação descontando a água.

"Vale lembrar que os certificados são pagos. Por isso, existem produtos no mercado que seguem os critérios, mas não têm o selo, porque a marca não tem condições de pagar por ele. Outro detalhe importante é que, para receber a certificação de produto natural, a formulação não pode conter silicones nem óleos minerais, pois são considerados ingredientes duvidosos", afirma.

Produtos orgânicos
O produto orgânico também recebe selo de certificação, desta vez baseado na agricultura sustentável. "Isso significa que o plantio, a colheita, o manuseio e a extração não podem envolver intervenções químicas, como aplicação de agrotóxicos e solventes", diz a especialista.

Veganos x Livres de crueldade
Produtos veganos são aqueles que não contêm traço algum de ingrediente de origem animal. Já os que são livres de crueldade são preferencialmente veganos, mas a terminologia se refere à ausência de testes em animais durante o processo de desenvolvimento.

"Preciso dizer que hoje, no Brasil e no mundo, os testes em animais já são considerados exceção. Ainda que permitidos em algumas legislações, a ciência provou que é um processo arcaico. Já é possível realizar ensaios em culturas de células ou mesmo pessoas (nas fases mais avançadas). Quando acontece, também ficam reservados apenas aos ativos e moléculas completamente novos, sem nenhum estudo prévio. Mesmo assim, há protocolos específicos para que se recorra às análises in vitro em tudo o que for possível", conta.

Clean beauty
Acumula o maior número de critérios sustentáveis, entretanto, a grande preocupação está voltada aos ingredientes. São vedados da beleza limpa os ingredientes considerados suspeitos à saúde humana e ao meio ambiente. O que isso significa? Algumas substâncias, como derivados de petróleo, perfumes sintéticos e corantes artificiais são contraindicados, uma vez que não existem tantos estudos a longo prazo que indiquem segurança no uso contínuo e consequente acúmulo no organismo.

Beleza