PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Por que a ideia de prazer centrado na penetração limita as mulheres no sexo

iStock
Imagem: iStock

Natália Pinheiro

Colaboração para Universa

27/04/2021 04h00

A associação entre as palavras sexo e satisfação nem sempre faz parte do vocabulário das mulheres. E quando elas se relacionam com homens, a situação pode ser ainda mais comum. A ideia de que sexo tem a ver apenas com penetração é o que reduz a experiência delas, que diversas vezes se sentem esquisitas ou com algum problema por não conseguirem chegar ao orgasmo quando são penetradas.

Mas na maioria das vezes não há nada de errado com o corpo, ele só não está sendo estimulado da melhor maneira. Não conseguir "chegar lá" pode ser muito mais comum do que se imagina. Um estudo do Projeto de Sexualidade (Prosex) da faculdade de medicina da USP (Universidade de São Paulo) realizado em 2016, apontou que 55,6% das mulheres entrevistadas tinham dificuldade para chegar ao orgasmo. Já uma pesquisa realizada pelo Pleasure Positivity Project, da sex shop britânica Ann Summers, apontou que, em 2019, apenas duas a cada cinco mulheres estavam completamente satisfeitas no sexo praticado com seus parceiros. E ainda tem mais: das 2 mil britânicas entrevistadas, 20% afirmaram que raramente ou nunca conseguiram atingir o orgasmo durante o sexo.

Pelos cálculos feitos nessa última pesquisa, uma mulher deixa de gozar aproximadamente 1.734 vezes durante toda a vida. O que está desalinhado no sexo, afinal de contas? Uma das respostas para as mulheres que se relacionam com homens pode estar na construção do que é sexo: "Na hora que sexo se torna uma ação muito limitada de penetração, o que a gente está fazendo é privando a mulher de sentir prazer", afirma Mariana Stock, fundadora do Prazerela.

Mariana fundou a Casa Prazerela após sair do seu emprego em uma grande empresa e passar seis meses descobrindo outras atividades que a satisfaziam. "Eu não sabia o que me dava prazer. Essa era uma pergunta que norteou muito a minha guinada: 'O que me dá prazer na vida?' e eu não sabia o que era isso", lembra. Foram muitos aprendizados: ela pintou, dançou, escreveu, começou a estudar Psicologia e também o tantra. E assim surgiram as terapias orgásticas, um processo dedicado ao entendimento da potência orgástica do corpo feminino como um todo, o "direito de sentir através dele", explica Mariana.

Educação para o prazer

Colocar o prazer além da penetração no sexo a dois é também um caminho de autoconhecimento. E nesse ponto, as mulheres encontram obstáculos: "Quando eu era mais nova, não conseguir gozar com penetração fazia eu sentir que era alguma coisa errada comigo", conta a designer Eduarda*, de 24 anos. "E na minha família, não existia muito esse diálogo de conhecer o nosso corpo. E nem com as minhas amigas essa conversa acontecia."

A troca de experiências e a educação sexual muitas vezes não estão presentes na vida da mulher, o que prejudica a vida sexual e a própria construção de sexualidade. No consultório, a ginecologista Olívia Oléa percebe algumas das origens de queixas sexuais que chegam de suas pacientes: "De uma mulher, pode ser um conceito anatômico que ela não entendeu direito — por exemplo, ela não sabe o que é clitóris ou onde ele fica. De outra, pode ser o histórico sexual dela ou ainda a falta de comunicação no sexo", explica.

A falta de conhecimento anatômico e daquilo que realmente dá prazer leva as mulheres a fazerem escolhas ruins na hora do sexo, segundo a ginecologista. A importância dada para a penetração pode ser uma delas:"Revisar conceitos anatômicos é uma forma das pessoas entenderem onde conseguem sentir prazer e começar a desencanar dessa questão da vagina e da penetração", diz Olívia.

A anatomia do corpo feminino parece direcionar o orgasmo para clitóris, mas nenhuma possibilidade é excluída, já que as formas de sentir prazer são diferentes para cada mulher. "Quando a gente sente prazer com penetração, na verdade a gente está estimulando os braços do clitóris", explica a ginecologista.

Como sair desse pensamento automático então? Para Mariana Stock, o caminho é "fortalecer a individualidade e a subjetividade das pessoas. A partir disso, acho que a gente pode ter relações a dois muito melhores". A designer Eduarda* percebeu que o autoconhecimento tirou da sua cabeça a ideia de que existia algo de errado com ela — e a permitiu gozar com ou sem penetração: "Eu acho que até o fato de você ter vibrador te ajuda a se conhecer melhor, e também depende muito da pessoa com quem você está, se é possível ter um diálogo com ela", diz.

A ginecologista Olívia Oléa lembra que algumas mulheres podem ter mais sensibilidade no colo do útero ou gozar com o estímulo da penetração, o que está longe de ser um problema — mas essa é a realidade de uma minoria. Segundo ela, é necessário entender que o sexo não é óbvio e a comunicação entre as pessoas é importante: "Sexo é um conceito guarda-chuva: debaixo dele existem diversas práticas sexuais e cada pessoa tem sua preferência. Beijo, sexo oral, masturbação, massagem, um amasso. Tudo isso são práticas sexuais — e a penetração é apenas uma delas".

* A entrevistada pediu para que o nome dela fosse trocado.

Sexo