PUBLICIDADE

Topo

Moda

Mas como fica o bronze? Técnicas para usar o biquíni de amarração sem erro

O apresentador Rodrigo Faro brincou com modelo de biquíni, ao lado da parceira Vera Viel, que também apostou nas amarrações - Reprodução/Instagram
O apresentador Rodrigo Faro brincou com modelo de biquíni, ao lado da parceira Vera Viel, que também apostou nas amarrações Imagem: Reprodução/Instagram

Nathália Geraldo

De Universa

22/01/2021 04h00

Com todo verão, ainda que neste haja mil restrições, um novo modismo vem à tona. Em 2021 é a vez é dos biquínis de amarração, como já mostramos aqui em Universa. Com tiras cruzadas pelo corpo, famosas e anônimas estão inundando as redes sociais com modelos recortados, trançados e atados - num tom sexy e fetichista.

O truque de estilo fica lindo nas fotos, mas biquíni de close também pode ser biquíni de corre? Conversamos com especialistas para saber se o modelo garante o conforto no corpo e como fugir de um bronze listrado em meio a tanta tira.

preta gil, fernanda paes leme e luisa sonza - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Luísa Sonza, Preta Gil e Fernanda Paes Leme usam biquíni de amarração, tendência deste verão
Imagem: Reprodução/Instagram

No Instagram, as famosas esticam uma tira alongada do biquíni amarrando todo o tronco que, por sobrar, ganha um desenho que pode ser feito de várias formas. O modelo já é tão queridinho das influenciadoras, que o apresentador Rodrigo Faro até brincou com a versão para seu corpo, copiando a tendência adotada pela mulher.

A moda dos biquínis de amarração, assim como a do biquíni invertido, leva à reflexão sobre até que ponto a roupa para "dar close" funciona nas situações reais da vida.

A produtora de conteúdo e autora do livro "Use a moda ao seu favor", Carla Lemos, que já contou em Universa a saga que passa para encontrar biquíni por ser peituda, avalia como seria viver "amarrada" na praia, estirada na areia ou encarando o mar. "Esse tipo de amarração serve para foto no espelho. Se for para o mar do Rio de Janeiro, na primeira onda é capaz que a pessoa fique pelada", alerta.

Ela sugere uma avaliação real de como aquela peça que vemos no Instagram vai funcionar para cada tipo de corpo. "A gente precisa saber filtrar essas influências, e isso vale para a moda da amarração. Porque tudo é pose, tudo é luz", ressalta.

"A indústria da moda praia nos limita"

É importante repensar ainda de que forma a moda praia pode contribuir para que as mulheres se sintam desajustadas na relação com o corpo e com a autoestima. "A indústria da moda praia nos limita, especialmente com biquínis. É o caso de só vender parte de baixo e de cima casadas, de tamanho P, por exemplo. Ou às vezes o tamanho G é pequeno. Isso não corresponde ao corpo da mulher."

Mulheres com corpos de diferentes tamanhos querem opções confortáveis. Mulheres gordas falam disso o tempo inteiro, lutando contra a gordofobia há muitos verões. "A conversa avança graças a essas influenciadoras, mas a indústria da moda não acompanha. Aí, se forma uma lacuna. O biquíni de tira acaba marcando partes do corpo que as mulheres aprenderam a rejeitar. É complicado", analisa Carla.

E o bronze?

Além do questionamento sobre o conforto, há a questão prática: como fica o bronze? Tem como dar close na laje, na piscina do prédio, num parque, sem ficar uma zebra?

A dermatologista Iara Resende, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia, diz que sim. Três cuidados essenciais podem evitar a marca na pele: a escolha do horário de exposição ao sol, de preferência antes das 10h e depois das 16h, inclua na dieta a ingestão de cápsulas de proteção solar e a reaplique o protetor solar físico com frequência, conforme as indicações do fabricante.

"O protetor solar em cápsula não substitui o de uso tópico, mas ele ajuda a não ficar tão vermelha e é antioxidante. Já o protetor solar deve ser passado no corpo todo, inclusive na pele que ficará embaixo das tiras. Falo para as minhas pacientes passarem peladas, em casa, e depois irem reaplicando ao longo do dia", explica. Ou seja, é preciso afastar a preguiça e espalhar o protetor também na pele coberta pelas tiras - ao se movimentar elas podem se deslocar, expondo a área ao sol.

E atenção à quantidade do protetor solar tópico: use uma medida de colher de chá do creme para cada parte do corpo (uma para o tronco, duas para os dois braços, e por aí vai).

Iara ressalta que mesmo que seja necessária mais destreza para se proteger com tantas amarrações no corpo, não vale a pena repetir o erro dos verões passados, em que ela viu pessoas chegarem no consultório com problemas na pele. "Teve muita queimadura de primeiro grau, marca sobre marca, descamação da pele. Esses biquínis de amarração estão em alta agora, mas isso já aconteceu com outros modelos."

Se o planejamento é tomar sol por dias seguidos, trocar o modelo de biquíni por outros que não tenham tiras pelo corpo pode suavizar as marcas. Mas daí é recomendado começar a temporada de bronze com o modelo e depois adotar peças com o recorte desejado.

Moda