PUBLICIDADE

Topo

Mais de 24 mil mulheres foram vítimas de violência na cidade de SP em 2020

Novembro foi o mês em que mais mulheres procuraram atendimento por causa da violência: 2.890 - Getty Images/EyeEm
Novembro foi o mês em que mais mulheres procuraram atendimento por causa da violência: 2.890 Imagem: Getty Images/EyeEm

De Universa, em São Paulo

12/01/2021 14h34Atualizada em 12/01/2021 15h01

Em um ano marcado pela pandemia do coronavírus, os casos de violência contra a mulher também despertam preocupação. Em 2020, a Prefeitura de São Paulo atendeu 24.113 mulheres que sofreram algum tipo de agressão ou abuso.

Os atendimentos foram feitos nos postos que compõem a rede de proteção a mulheres vítimas de violência da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania.

No período pré-pandemia, o mês de março foi o que teve maior número de atendimentos, 2.886. Entre abril e maio, no período mais rígido da quarentena, houve queda de 65% nos atendimentos, para 1.003 em abril e mil em maio.

Em junho, houve uma ligeira recuperação na procura pelos serviços, com 1.420 atendimentos, representando elevação de 41% em relação aos meses anteriores, mas ainda muito abaixo dos patamares anteriores.

A curva só voltou ao patamar de mais de 2.000 atendimentos em julho, onde se manteve subindo gradualmente até novembro, o pico do ano passado com 2.890 atendimentos.

Para a secretária municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Claudia Carletto, os números do ano recém-encerrado reforçam a necessidade de ações mais efetivas para que as mulheres busquem por ajuda.

"É importante que as mulheres saibam a estrutura que elas têm à disposição pela cidade de São Paulo, e onde elas podem procurar ajuda para quebrar o ciclo de violência. Elas precisam saber que não estão sozinhas", afirmou.

A secretária disse ainda que em 2021 a pasta deverá focar na conscientização sobre o machismo estrutural, uma das raízes do problema, e avaliará oportunidades de ampliação da oferta de serviços.

Veja onde buscar atendimento da Prefeitura em caso de violência contra a mulher em São Paulo

Casa da Mulher Brasileira (todos os dias, 24 horas)
Rua Vieira Ravasco, 26 - Cambuci
(11) 3275-8000

Posto Avançado de Apoio à Mulher (segunda a sexta-feira, das 8h às 19h)
Estação Santa Cecília do Metrô (Linha 3 Vermelha)

CRM 25 de Março (segunda a sexta-feira, das 10h às 16h)
Rua Líbero Badaró, 137, 4º andar - Centro
(11) 3106-1100

Casa Brasilândia (segunda a sexta-feira, das 10h às 16h)
Rua Sílvio Bueno Peruche, 538 - Brasilândia
(11) 3983-4294

CCM Perus (segunda a sexta-feira, das 10h às 16h)
Rua Joaquim Antônio Arruda, 74 - Perus
(11) 3917-5955

CCM Itaquera (segunda a sexta-feira, das 10h às 16h)
Rua Ibiajara, 495 - Itaquera
(11) 2073-4863

Casa Eliane de Grammont (segunda a sexta-feira, das 10h às 16h)
Rua Dr. Bacelar, 20 - Vila Clementino
(11) 5549-9339

CRM Maria de Lourdes Rodrigues (segunda a sexta-feira, das 10h às 16h)
Rua Luiz Fonseca Galvão, 145 - Capão Redondo
(11) 5524-4782

CCM Parelheiros (segunda a sexta-feira, das 10h às 16h)
Rua Terezinha do Prado Oliveira, 119 - Paralheiros
(11) 5921-3665

CCM Santo Amaro (segunda a sexta-feira, das 10h às 16h)
Praça Salim Farah Maluf, s/n
(11) 5521-6626

CCM Capela do Socorro (segunda a sexta-feira, das 10h às 16h)
Rua Professor Oscar Barreto Filho, 350 - Grajaú
(11) 5927-3102