PUBLICIDADE

Topo

Minha história

"Transformei meu divórcio em um negócio para ajudar outras mulheres"

Calila Matos, 38 anos, fundadora do idivorciei - Arquivo pessoal
Calila Matos, 38 anos, fundadora do idivorciei Imagem: Arquivo pessoal

Calila Matos em depoimento a Simone Machado

Colaboração para Universa

09/12/2020 04h00

"Há um ano, durante uma reunião de trabalho com a proprietária de uma empresa que auxilia noivas e noivos na organização de casamentos, brinquei dizendo que havia tanta gente se separando que deveríamos criar um negócio para ajudar essas pessoas também.

A brincadeira ficou ali na mesa de reunião, mas eu, que trabalhava com gestão de negócios e marketing digital em São Paulo, fiquei com essa vontade de querer ajudar as pessoas que estão se divorciando ou prestes a passar por esse processo. Sei que esse período de recomeço não é simples. Antes de dar os primeiros passos para sair de um casamento e durante o processo de separação, muitas dúvidas surgem e precisamos de diversos profissionais para organizar esse recomeço.

Conheço bem essa situação porque vivi na pele tudo isso. Há quatro anos, me divorciei e, com um filho que então tinha quatro anos, tive que reaprender a viver. A dor de deixar uma relação para trás existe e, na maioria das vezes, não sabemos como lidar com ela e começar nossas vidas novamente.

Somos ensinadas a casar, não a separar

calila - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Calila Matos, criadora do idivorciei
Imagem: Arquivo pessoal

Costumo dizer que nós, mulheres, somos educadas para namorar e casar, mas não somos preparadas para divorciar. Não nos é ensinado como lidar com dores e perdas.

Tive que aprender tudo sozinha. Precisei buscar auxílio jurídico, aprender a lidar com esse sentimento de perda que o divórcio causa e recomeçar a minha vida junto com o meu filho.

Foi pensando em ajudar outras pessoas para que esse processo seja menos doloroso que criei o idivorciei, plataforma lançada há um mês para auxiliar pessoas que estão perdidas nesse novo universo.

Apesar de a ideia da plataforma ter surgido há um ano, estávamos com o lançamento dela previsto para 2021, mas a pandemia -e a alta de divórcios que veio com ela— acelerou nossos trabalhos.

Mulher é quem mais busca ajuda

O site veio para apoiar todas as pessoas que precisam de ajuda nesse momento. Não fazemos distinção de sexo e gênero, mas, nesse primeiro mês, já pude perceber que o público feminino é o que mais procura ajuda.

Oferecemos essa ajuda das mais diversas maneiras. Com conteúdo criado por profissionais, como advogados, psicólogos e até teólogos, abordamos o assunto e explicamos como deve ser cada passo do divórcio, tudo de forma gratuita.

Quem tem dúvidas específicas e precisa de um auxílio individual pode fazer um cadastro no site e escrever a sua dúvida. Um profissional da área vai ajudar, direcionando esse processo.

Nesse primeiro mês, já percebemos que muitas pessoas foram impactadas. Recebemos diversas mensagens de agradecimento de mulheres que dizem que a plataforma as ajudou a enfrentar esse período. E que, além da ajuda dos profissionais, se sentirem amparadas e acolhidas fez a diferença. E esse é o nosso objetivo.

A dor de uma separação é única e cada pessoa a sente de um jeito. Por isso, buscamos que cada pessoa que nos procure se sinta abraçada e sinta que não está sozinha nesse recomeço.

Mãe solo também viaja

Além do acolhimento e da ajuda profissional, também busco mostrar para empresas que esse público existe, vem crescendo e precisa ser notado. Por que as agências de viagem focam só em pacotes para casais, mas não dão opções para mães ou pais solo que querem viajar com seus filhos?

É esse cenário que queremos melhorar. Queremos que as pessoas enxerguem e valorizem quem está nessa fase da vida."

Minha história