PUBLICIDADE

Topo

Moda

Marca Ginger anuncia doações para Amazônia. Isso é moda sustentável?

A atriz Marina Ruy Barbosa é um das sócias da marca Ginger - Reprodução/Instagram
A atriz Marina Ruy Barbosa é um das sócias da marca Ginger Imagem: Reprodução/Instagram

Mariana Toledo

De Universa

22/09/2020 04h00

No final de julho, o público foi apresentado à Ginger, marca de roupas da atriz Marina Ruy Barbosa com a sócia Vanessa Ribeiro. No texto de apresentação que escreveu para anunciar a marca por meio de um post em seu Instagram, Marina a definiu como uma combinação de moda, sustentabilidade e arte. Em sua rede social, refletiu: "Acredito em uma moda com olhar para o futuro, com mais atenção ao meio ambiente e preocupada com o impacto".

Desde a primeira coleção, a marca doa lucros para ONGs e instituições. Recém-lançado pela Ginger, o moletom "Arara" terá 100% do lucro de suas vendas revertido para a criação do Viveiro Agloflorestal da Casa do Rio, que ajudará no reflorestamento da Amazônia. Além disso, a peça foi produzida em malha de fios 100% desfibrados, ou seja, com resíduos de confecções têxteis - como o tecido usa retalhos coloridos como matéria-prima, economiza água e corante no processo de tingimento. A parceria entre a Ginger e a Casa do Rio contempla ainda a doação direta de mudas para o Viveiro Agloflorestal, por meio do site da loja. Para cada muda doada, a Ginger se compromete a dobrar a arrecadação.

A Ginger nasceu em meio a uma onda de moda sustentável que está ganhando força dentro do mercado. A busca por uma indústria que seja menos nociva ao meio ambiente vem em resposta a alguns dados alarmantes: uma das mais poluentes do mundo, a indústria da moda responde por cerca de 9% das emissões globais de gases-estufa, mais do que a aviação e o transporte marítimo juntos. Além disso, é o segundo setor da economia que mais consome água e um dos que mais produz águas residuais ao redor do planeta. Mas, afinal, o que é moda sustentável?

Mão de obra justa e ética

Esse termo que aparece entre os pilares das marcas sustentáveis está relacionado, no caso da moda, na valorização de quem trabalha para que as peças ganhem forma, isto é, os costureiros. Para além da questão ambiental, outro problema grave da indústria da moda está no lado social da história: condições praticamente sub-humanas de trabalho, com profissionais enfrentando jornadas exaustivas, com horas de esforço manual sem intervalo e salários irrisórios.

Essa é uma preocupação latente para quem se propõe a produzir moda sustentável. À frente da marca Mumo, Renata Tozzi, 37, afirma que paga R$4,50 por camiseta para a pessoa que a costura. Achou pouco? Saiba que a média do mercado é de 50 a 80 centavos para o serviço. "Apesar da modernização, o processo de confecção ainda é artesanal, envolve mão de obra humana. Toda vez que pagamos muito barato por determinada peça precisamos pensar que alguém está se prejudicando por isso, e normalmente é o meio ambiente ou o trabalhador", conta Renata para Universa.

Já Julia Portela, 29, criadora da Giraflor, diz que sua marca parte do entendimento de que os costureiros são tão importantes quanto qualquer outra pessoa envolvida nesse processo: "O mercado os trata como nada, quando na verdade eles são a base. Para que uma marca de roupa exista, ela precisa de costureiros. Tenho uma relação de troca e diálogo com eles - escuto sempre quanto eles querem cobrar por determinado serviço e seus motivos e muitas vezes já falei que ia pagar mais porque o que eles estavam cobrando era muito pouco".

Julia - Acervo Pessoal  - Acervo Pessoal
Julia, a criadora da Giraflor, com peças da marca
Imagem: Acervo Pessoal

Julia reforça que não gostaria que as pessoas associem moda sustentável a luxo: "Quero disseminar isso para o mundo. O preço cobrado dos clientes é consciente e meu papel é fazer com que as pessoas entendam a percepção de valor em torno daquilo, todos os cuidados que estão por trás".

Cuidado na escolha de tecidos

As duas empreendedoras com quem Universa conversou concordam que moda sustentável passa especialmente pela origem do tecido com o qual as peças são feitas. Na Giraflor, Julia utiliza o máximo de tecidos sustentáveis que for possível, e garante que, hoje, as opções já são diversas. Em breve, a marca vai lançar uma coleção de camisetas e camisas feitas exclusivamente de algodão orgânico, por exemplo, que é um tecido natural. Ela ressalta que, além de investir em tecidos desse tipo, é importante ainda pensar no tratamento dos resíduos das produções. "Nós encaminhamos esse material para reciclagem, reaproveitamos ou então doamos", conta.

A Mumo, de Renata, também busca usar tecidos com certificações para moda sustentável, além de garimpar outros que não são novos, mas que não teriam utilidade para outras marcas, isto é, matéria-prima de reúso. Ao usar malha com garrafa PET reciclada, por exemplo, a marca economizou 107 litros de água. Falando sobre a importância de conhecer a origem dos tecidos, Renata cita o novo "vilão" do mundo da moda: o poliéster. "Cerca de 60% da produção de roupa mundial leva poliéster, que é uma matéria-prima oriunda do petróleo, ou seja, é praticamente plástico. As pessoas querem passar menos roupa e por isso optam por peças de poliéster, que não amassam tanto. Mas sua decomposição na natureza leva mais de 300 anos, tanto das peças quanto dos retalhos", alerta. E pregando o mantra "faça as melhores escolhas", ela lembra que, no Brasil, a lei obriga que todas as peças de roupa tragam nas etiquetas essas informações a respeito do tecido. Por isso, não vale usar a desculpa de não saber com qual tecido aquela blusinha foi feita.

Renata da Mumo Moda  - Acervo Pessoal  - Acervo Pessoal
Renata, à frente da Mumo Moda
Imagem: Acervo Pessoal

Moda sustentável & Moda consciente

A sustentabilidade começa quando se toma consciência a respeito de todos os processos que envolvem o ecossistema do mundo da moda. E, além de pesquisar informações como qual tecido foi usado naquela roupa que você está de olho e se a remuneração dos costureiros daquela marca é justa, essa consciência deve continuar após o momento da escolha e da compra, estando presente na hora de cuidar da peça também. Renata, da Mumo, explica: "A gente se acostumou mal a cuidar das nossas roupas, as maltratamos demais. Tudo nós colocamos na máquina, depois na secadora, ou então no varal com dois pregadores. Isso encurta muito a durabilidade das peças. É necessário prestar atenção de verdade nas instruções de lavagem das etiquetas, saber o que pode ou não pode fazer". Ela também alerta sobre a necessidade de lavar a roupa toda vez que usa, o que além de também interferir na durabilidade, prejudica o meio ambiente, já que lavar roupa gasta bastante água. "Às vezes, só deixar a roupa tomando um ar já resolve", sugere.

Outro ponto levantado por Renata está no número de vezes que usamos cada peça de roupa antes de descartá-las: "Outro dia, fui procurada por uma empresa que queria que eu produzisse camisetas para uma ação promocional. Aquelas blusas seriam usadas uma única vez e por isso não topei. Por isso, defendo que as pessoas conheçam seu estilo pessoal - as cores que mais te valorizam, os cortes que caem melhor. Assim, só compram o que realmente vão usar. Isso é consumo consciente". Dentro desse tema da consciência, vale dizer que a Mumo planta uma árvore para cada peça de roupa que comercializa, graças a uma parceria com a ONG One Tree Planted. Até hoje, já foram cerca de 3 mil árvores plantadas.

Julia, da Giraflor, por sua vez, traz outra questão à tona: "Se estamos atentos ao planeta, também estamos atentos às questões sociais, humanas e emocionais das pessoas. Além de ter desvalorizado os costureiros e poluído o planeta, o mercado da moda também acabou com a autoestima de muitas mulheres. Por isso, dentro da moda consciente, estamos cada dia mais preocupados em limpar estereótipos de gênero e tamanhos". Na Giraflor, por exemplo, ela garante que um dos próximos passos é ampliar mais uma vez a grade de tamanhos, indo além do GG. "Eu, que sou padrão e visto M, passo por dificuldades na hora de encontrar roupas nas lojas grandes. Não quero nunca que uma cliente passe por isso aqui", declara.

Tendência mundial ou movimento pequeno?

As empreendedoras afirmam que o movimento da moda sustentável está ganhando cada vez mais força, mas que ainda é pequeno diante do tamanho da indústria. "Ainda não me sinto segura para dizer que a maioria das marcas traz isso como prioridade. Ao mesmo tempo, pequenos produtores, influenciadores, pesquisadores, jornalistas e muitas outras pessoas estão endossando essa onda cada vez mais. Então acredito nessa força, mas não sei dizer se estão todos preocupados com isso", aponta Julia. Renata acrescenta: "Grandes marcas não conseguem migrar e fazer esse tipo de trabalho porque já têm seus custos instalados, a média de preço, o marketing, a margem de lucro. Então não vejo como isso vá se equacionar no mercado. Tem que vir de uma própria demanda do consumidor, que eu acredito estar cada vez mais consciente".

Do lado das modelos, quem defende a moda sustentável é Gab Ghader. "Sustentabilidade tem a ver com os efeitos das nossas ações de hoje no nosso futuro, e esse pensamento foi responsável por aguçar meu interesse por ajudar a tornar a moda mais sustentável", disse a modelo para Universa. Na hora de comprar uma peça nova, Gab vai atrás do discurso e da história da marca - o que eles defendem e apoiam e qual as composições de seus tecidos, por exemplo. "Geralmente, as marcas que possuem compromisso com a sustentabilidade também dispõem de algum projeto social ou ambiental, como de reflorestamento, o que também chama a minha atenção. Além disso, é importante que os produtos finais da marca sejam orgânicos e que ela não teste em animais. Uma peça eco-friendly dificilmente será tão barata quanto as são produzidas em grande escala. Mas o custo benefício de aderir ao estilo eco-friendly não pode ser medido apenas pelo dinheiro", completa.

Gab Ghader  - Divulgação  - Divulgação
Gab Ghader veste Aluf
Imagem: Divulgação

Além das marcas citadas acima, Gab indica outras opções sustentáveis: Aluf, Vert Shoes e Novo Louvre. Entre as internacionais, ela é fã da Reformation e Stella McCartney.

Para assistir

O documentário "The True Cost" (disponível online) explora a ligação entre a pressão dos consumidores por alta-costura de baixo custo e a exploração de trabalhadores nas fábricas. Para Julia, da Giraflor, assistir ao filme foi um verdadeiro "divisor de águas" e fez com que ela começasse o processo de consciência que, mais tarde, deu origem à marca de moda sustentável que ela comanda hoje. A direção do filme é de Andrew Morgan.

Moda