PUBLICIDADE

Topo

Beleza

"Maquiagem era para a vida real; hoje é para selfie", diz diretor da MAC

Romero Jennings é o diretor artístico da MAC - Divulgação
Romero Jennings é o diretor artístico da MAC Imagem: Divulgação

Natália Eiras

De Universa

23/01/2020 04h00

Romero Jennings, diretor artístico da marca canadense de cosméticos M.A.C, é um veterano no mundo da beleza. Mas, ao contrário de muita gente que está há muito tempo no mercado, ele não tem medo de novidades. Tanto que, em papo com Universa durante uma passagem dele pelo Brasil, os olhos do maquiador brilhavam ao falar sobre a importância das redes sociais para o seu trabalho. "Antes, nos maquiávamos para ficarmos bonitos pessoalmente. E agora pensamos em como sairemos na selfie", afirma.

O profissional, no entanto, não vê o fato de estarmos mais focados na timeline do Instagram do que na vida real como algo necessariamente ruim.

Para Romero, este é um novo movimento da maquiagem, em que linhas gráficas contrastam com uma pele praticamente inacabada, mas pronta para fotos. Inclusive, percebe que está acontecendo uma inversão de valores em que tendências de beleza saem das redes sociais para a passarela, não mais da passarela para a timeline. E isso tem tudo a ver com uma vontade das pessoas de mostrarem a que vieram. "Elas querem se expressar e dizer no que acreditam através de sua aparência."

O maquiador diz ainda que a série "Euphoria", da HBO, tem um papel muito importante nessa "revolução" e que a próxima grande tendência de maquiagem está em um scroll do Tik Tok. Segue o fio:

Qual é a grande diferença entre fazer maquiagem hoje e antes das redes sociais?
Antes nos maquiávamos para ficarmos bonitos pessoalmente. E agora pensamos como sairemos na selfie. A maquiagem não precisa perfeita, porque podemos usar filtros. Então você pode abrir mão da base da pele porque poderá usar um filtro depois. Basicamente, as pessoas pensam que não precisam mais gastar tanto tempo fazendo uma maquiagem perfeita porque sempre podem mexer nela com programas. Além disso, as pessoas também se maquiam pensando nos comentários que despertará nos outros.

Estamos tentando parecer os filtros que usamos nos aplicativos, como por exemplo as sobrancelhas de Instagram, que são supermarcantes. Como isso está mudando a forma como nos maquiamos?
Antes, as tendências vinham da passarela de moda, do entretenimento e da rua. Agora as tendências estão vindo das redes sociais, porque estamos criando visuais pensando no Instagram e isso tem influenciado as tendências de beleza.

Sabemos que, se usarmos uma sombra superchamativa ou brilhante, vamos ser notados na timeline, vamos conseguir mais curtidas.

O Instagram tem ditado o que é tendência. Isso tem feito as pessoas serem mais ousadas em relação à moda e beleza inclusive na vida real.

A maquiagem para uma foto é sempre mais dramática do que a que usamos na vida real. Você acha que as redes sociais vão nos transformar em personagens?
Estamos parecendo mais personagens de animação do que humanos: a pessoa perfeita. Mas o que é legal na maquiagem é que realmente podemos criar isso. Leva tempo para uma maquiagem parecer um filtro, mas é possível. A diferença é como se usa as tendências: tem quem as adapte para a vida real de uma maneira discreta, e quem gosta de chamar atenção. É legal porque, nesse caso, você precisa ter a personalidade que consiga carregar esse look.

A gente tem se olhado mais pela câmera de um celular -que muitas vezes já vêm com o filtro de beleza embutido- do que pelo espelho. Isso pode ser ruim para nós?
É diferente para todo mundo. Porque algumas pessoas usam o celular como uma ferramenta para aprimorar seu trabalho como maquiador ou cabeleireiro. Outros podem se tornar tão obsessivos com aquela imagem que vão ao extremo. No entanto, ambos são válidos a partir do momento em que você se sente autêntico e feliz. Mas isso pode ser muito prejudicial se você não é cuidadoso. É preciso aprender que não devemos nos resumir ao que vemos e parecemos nas redes sociais. Estamos vendo tudo pela tela e, nela, o reflexo do que você é parece mais importante do que a realidade.

Como as brasileiras estão usando as redes sociais para a maquiagem?
Brasileiras gostam de maquiagem, mas elas têm usado de uma maneira para trazer o melhor de suas individualidades. Como o Brasil é um caldeirão de culturas e cores, eu vejo muita diversidade no make. Mas a principal característica que percebo é que as mulheres brasileiras gostam muito de batom e, principalmente, o vermelho. E quando as brasileiras usam um batom vermelho é da maneira mais matadora possível. É algo como "ou vou te amar ou vou te odiar, então cuidado comigo".

As mulheres brasileiras tomam para si o controle da própria aparência.

Por que o batom vermelho é tão importante?
Quando você pensa na beleza clássica, a gente usava mais maquiagem antigamente. Hoje em dia, não usamos tanto produto, mas queremos uma aparência bem acabada, pronta para a selfie. Por isso, o batom vermelho é como colocar uma jaqueta. É como se pele fosse uma camiseta branca e aquela jaqueta marcante fosse o batom vermelho. Você se sente poderosa, mas não precisa usar tanta maquiagem. Por isso o batom vermelho é uma tendência tão forte.

Algumas tendências dos anos 2000 estão voltando. Acha que o mesmo vai acontecer na maquiagem?
Foi uma época realmente divertida, tudo era uma festa, mas não sei se é uma tendência que vai ficar por muito tempo. Algo que está muito popular agora é a série "Euphoria", que pega elementos dos anos 2000, como as sombras cintilantes e o glitter, e leva para um lado mais futurista. Os jovens se identificaram com essa série porque muitos looks, na verdade, nasceram nos bastidores.

É interessante, porque enquanto assistia eu conseguia ver como muitos dos visuais a gente vê fora das telas. Mas eles fizeram de uma maneira muito descolada porque eles usaram um elemento de cada vez. E não precisa ser uma make perfeita, porque você vê lágrimas em glitter. Algo bagunçado como essas lágrimas criam um visual maravilhoso.

Na verdade, a maquiadora de "Euphoria" disse, em uma entrevista para Universa, que a inspiração para os visuais da série foi o Instagram. Ela estava pesquisando o que a geração X estava fazendo e reproduziu isso de uma maneira lúdica.
O mais inteligente é que ela fez de uma maneira que parece acessível para qualquer pessoa. É divertido, mas também parece que você pode fazer em qualquer lugar. O programa é sobre expressão pessoal e todo mundo pode usar glitter, todo mundo pode usar gloss, todo mundo pode usar vermelho. O que é muito interessante, porque casa muito bem com um novo movimento de maquiagem em que se brinca com elementos gráficos.

Você cita um novo movimento de maquiagem. Como isso começou?
Acho que pessoas mais jovens, millennials e geração Z, querem expressar suas individualidades. E agora, nos eventos de moda, nós pensamos em maquiagens que enfatizem a beleza natural das modelos. Não temos mais desfiles em que todas elas usam um batom vermelho, por exemplo. Porque queremos adaptar a beleza para cada tom de pele, tom de cabelo. O que é muito legal porque o look casa com a personalidade de cada modelo e é isso que os jovens querem. Eles querem se expressar suas individualidades.

Por que expressar-se se tornou tão importante?
Porque as pessoas já não querem mais se parecer com todo mundo. Parte disso tem a ver com o momento político que vivemos, que desperta nas pessoas a vontade de mostrar quem você é e no que você acredita pela sua aparência. É tão energizante, porque as pessoas sentem que têm poder sobre suas próprias individualidades e que podem abraçar seu corpo, a sua aparência. E é ok ser exatamente quem você é.

E como isso se traduz na estética das maquiagens?
É sobre reflexo. Diferentes metais e sobre o que brilha. Azuis, verdes. Pontos de cor misturados com metálicos. É por isso que o gloss, o glitter estão em alta. São itens que atraem atenção para o rosto. Linhas gráficas, formas gráficas. O delineador marcante é o novo batom ousado. O que é legal nessa tendência é que, se você apostar no blush, é apenas isso. Não importa o que esteja fazendo todo mundo quer passar uma mensagem. Pode ser um delineador, a sobrancelha. É sobre se destacar.

A pele é uma parte muito importante também do look. Em muitos casos, a tendência é ter uma pele de vidro, que seja brilhante, super-hidratante. E isso leva muitos produtos. Esse é um outro tipo de movimento, em que a pele perfeita é o centro, mas ela também parece inacabada, sem cobertura.

Há uma discussão sobre a pele perfeita ser o novo "corpo perfeito". Você concorda com essa pressão?
Concordo completamente, porque o que faz essa maquiagem marcante mais moderna é o fato de que a pele precisa de pouca cobertura. Você pode usar um batonzão e ainda assim ser acessível, em vez de colocar também, corretivo, cílios postiços. Porém, ao focarmos na pele, colocamos pressão nas pessoas jovens em que elas deveriam ter uma pele melhor.

E como podemos ter essa pele boa sem que seja uma pressão estética a mais?
É sobre cuidar de si, ser honesta com você mesmo. Por exemplo, eu tenho problemas em ganhar massa, mas quero ter músculos. No entanto, eu gosto do meu corpo. Quero mudá-lo um pouco, mas sei que esse é o meu biotipo, então não vou levá-lo ao extremo. O mesmo pode valer para a pele. Você pode cuidar dela, fazer o melhor para que ela seja melhor, mas sem ultrapassar limites. Podemos nos importar, mas sem nos tornarmos obcecados. Precisamos respeitar a nossa realidade.

Qual deve ser a próxima grande tendência?
Acredito que o blush vá ganhar mais destaque nas próximas temporadas. Atualmente, é algo que você acaba não notando, porque está tão preocupada passando iluminador e fazendo o contorno

Porém, o blush faz com que a gente pareça saudável e, ainda por cima, sai muito bem na foto. As jovens do Tik Tok e no Twitch usam o blush bem marcado, como se tivesse tomado sol. Então penso que isto deve ser uma grande tendência para a próxima temporada.

Beleza