Topo

Família luta para trazer corpo de brasileira morta por namorado em Portugal

Corpo de Camila da Silva Medes, 30, foi encontrado dentro de mala em Arruda dos Vinhos, em Portugal - Arquivo Pessoal
Corpo de Camila da Silva Medes, 30, foi encontrado dentro de mala em Arruda dos Vinhos, em Portugal Imagem: Arquivo Pessoal

Natália Eiras

De Universa

08/10/2019 04h00

O pedreiro Werleis da Silva Marques, 36, está à frente de uma campanha para arrecadar dinheiro para trazer a irmã, Camila da Silva Mendes, de Arruda dos Vinhos, em Portugal, para ser enterrada em Ipatinga, no interior de Minas Gerais. O corpo da jovem, que tinha 30 anos, foi encontrado dentro de uma mala de viagem na última quarta-feira (2). De acordo com a polícia portuguesa, ela foi assassinada a facadas pelo namorado e primo de primeiro grau, Robson Mandela, 38, com quem estava se relacionando há cinco meses. "O que aconteceu com ela nem a pior pessoa do mundo merece", diz Werleis em entrevista por telefone. "Ela era tão amigável, uma pessoa extraordinária, e agora corre o risco de ser enterrada em um país onde não nasceu, como uma indigente, como se não tivesse família. É muita tristeza."

Werleis foi, na segunda-feira (7), até uma funerária em Ipatinga, onde descobriu que a família precisará desembolsar cerca de R$ 30 mil para fazer o traslado do corpo de Camila. Caso a família opte pelo sepultamento da jovem em Portugal, os custos serão de R$ 16 mil. "Mas gostaríamos que pelo menos minha mãe e um acompanhante para ela pudessem estar presentes no enterro de minha irmã", diz o pedreiro. "Essa é a nossa maior preocupação nesse momento, que a gente possa ter a oportunidade de dar um último adeus. Queremos enterrá-la como um ser humano."

"Não pudemos fazer nada"

Camila e Werleis cresceram muito próximos da casa de Robson, cujo pai é tio deles. O primo, no entanto, morava há 15 anos em Portugal, onde trabalhava com construção civil, e, por isso, eles não tinham muito contato. Há cinco meses, ele veio ao Brasil e ficou próximo de Camila. "Ela era muito meiga, falava com todo mundo, fazia amizade muito fácil", diz Werleis. O relacionamento de Camila e Robson surpreendeu a família toda. "Somos bem conservadores. A gente não aprovava o namoro porque ele era um homem que usava drogas, bebia muito", afirma o irmão. "Mas, quando ficamos sabendo, ela já estava com a passagem comprada e com planos de morar com ele na Europa. Não pudemos fazer nada."

No dia 15 de setembro, ela desembarcou em Portugal com Robson e logo encontrou um emprego como garçonete em um café. "Porém, ela descobriu que a realidade era outra. O padrão de vida de que ele tinha falado não era exatamente verdade, e eles começaram a passar necessidade", diz Werleis. O pedreiro afirma que Camila teria dito para a mãe que ela havia sido agredida por Robson. "Ela chegou a fazer um boletim de ocorrência contra ele, mas não levou para frente. Talvez por medo de ser deportada."

O motivo do assassinato ainda está sendo apurado, mas Werleis acredita que o primo cometeu o feminicídio por causa de dinheiro. Segundo conhecidos de Camila, Robson teria roubado dinheiro dela e a estava ameaçando. "Ele estava há alguns dias sem trabalho, e ela tinha economizado uma quantia para levar a filha de dez anos para morar com ela", afirma o irmão da vítima. Além disso, o primo teria muito ciúme de Camila. "Ela ainda mantinha contato com muita gente do Brasil e havia feito amigos. Ele bebia e brigava com ela por causa disso."

Robson Mandela foi preso na quinta-feira (3), pela Polícia Judiciária de Portugal. Segundo informações preliminares, o construtor teria matado Camila no quarto onde residiam, em Arruda dos Vinhos, com uma arma branca. Ele, então, teria enrolado a vítima em um lençol e colocado o corpo em uma mala, que foi abandonada a cerca de 300 metros de distância da casa dos dois. Robson teria planejado sair do país após ocultar o cadáver da namorada.

Universa entrou em contato com a assessoria de imprensa do Itamaraty, que disse, em nota, que, quando um cidadão brasileiro falece no exterior, "as embaixadas e consulados brasileiros procuram apoiar familiares com orientações gerais, expedição de documentos e também no contato com autoridades locais, especialmente para tentar facilitar trâmites". O órgão afirma, no entanto, que não há previsão legal que permita o pagamento de despesas hospitalares ou translado dos corpos pelo Governo Federal.

Sobre a prisão de Robson, Werleis diz que não está preocupado com o futuro do primo. "Temos uma morte e uma prisão dividindo a nossa família, mas a nossa prioridade agora é dar um enterro digno para minha irmã." Como o Governo não cobre os custos financeiros, a família decidiu fazer a campanha para arrecadação de dinheiro. "Nós somos pobres, estamos todos os dias tentando sobreviver. Não temos condições de arcar com as despesas, mas queremos nos despedir de Camila."

Violência contra a mulher