Topo

Mães e filhos


Mães e filhos

Casal de mulheres engravida do mesmo doador: "Nossos filhos serão 'gêmeos'"

As barrigas com uma semana de diferença - Iluminar
As barrigas com uma semana de diferença Imagem: Iluminar

Verônica Fraidenraich

Colaboração para Universa

30/08/2019 04h00

Juntas há 14 anos, a fotógrafa de Campinas (SP), Vívian Scaggiante, 39 anos, e a videomaker Suzanne Shub, 40 anos, nascida em Toronto, no Canadá, vivem o sonho da maternidade em dobro. Elas passaram dois anos frequentando clínicas de reprodução assistida — Vívian realizou cinco procedimentos, entre inseminações artificiais e fertilizações in vitro — até que um amigo das duas se ofereceu para doar esperma em parceria com sua esposa.

Elas decidiram então engravidar ao mesmo tempo — na verdade, com uma semana de diferença, segundo o período fértil de cada uma — por meio de inseminação caseira, e conseguiram. Isso foi em fevereiro de 2019 e hoje elas estão na 28ª e 29ª semanas (o que equivale, nos dois casos, ao sétimo mês de gravidez).

Para fazer as inseminações, elas criaram um clima especial. Nas duas vezes, enquanto aguardavam a entrega do sêmen em um quarto, na casa do casal de amigos, colocaram música e ficaram 'namorando'. "Tivemos vários orgasmos. O propósito era tornar os encontros o mais prazeroso possível para que os bebês chegassem em um ambiente de amor", conta Vívian.

As duas são sócias na empresa de fotografia e vídeo de parto humanizado Além D'Olhar fotografia (www.alemdolhar.com.br ) — uma das pioneiras do ramo no Brasil, e, inclusive, responsável por muitas imagens de arquivo usadas na trilogia do documentário O Renascimento do Parto.

Os procedimentos em clínicas

Suzanne conta que em 2014, após nove anos juntas, decidiram que queriam ser mães. Conversaram com alguns amigos queridos e como não encontraram alguém disposto a doar sêmen, resolveram fazer inseminação artificial. Vívian faria primeiro, pois ela dizia já sentir a presença de um bebê em seu campo energético. Depois, Suzanne faria também.

A primeira inseminação foi feita em fevereiro de 2016, numa clínica em Florianópolis, onde moram. "A gente achava que por fazermos exercícios, nos alimentarmos bem e termos uma boa saúde, ela engravidaria fácil. Foi um baque emocional quando descobrimos que não estava grávida. Na segunda vez, Vívian tomou um medicamento que permite a liberação do óvulo em dia programado, mas ainda assim não engravidou".

O casal em Florianópolis, onde vivem - Iluminar
O casal em Florianópolis, onde vivem
Imagem: Iluminar

Cada vez que realizavam um novo procedimento, sentiam que precisavam mudar alguma coisa, procurar algo diferente. Por isso, na terceira vez, já em 2017, foram para uma clínica recomendada, em Ribeirão Preto, no interior paulista. Ela fez então três fertilizações in vitro (FIV). Nos intervalos entre os tratamentos, fizeram juntas limpeza do fígado e do intestino, tratamentos ayurvédicos (método que propõe a harmonia entre corpo, mente e alma), acupuntura e vaporização do útero. Foi uma fase emocionalmente intensa, porque além dos procedimentos em si, havia as idas e vindas a Ribeirão, o fato de estarem longe de casa e que exigiam grandes pausas no trabalho.

Viagens em busca do autoconhecimento

"Encaramos todos os desafios como aprendizados, mas lidar com tantas experiências profundas foi desgastante principalmente para mim, que sentia no corpo as doses hormonais e medicamentos que acompanhavam os procedimentos. A quinta vez que voltamos da clínica sem estarmos grávidas, entrei num espaço interno de vazio, como se nada mais fizesse sentido na vida. Sentia a necessidade de me encontrar, ficar bem comigo mesma, e decidi viajar sozinha", conta Vivian.

Em dezembro de 2017, ela passou uns 30 dias no Vale do Capão, na Chapada Diamantina (BA). Logo que voltou, em janeiro de 2018, viajou de novo, para a aldeia indígena Guarani, na Serra de Itariri, em São Paulo. "Frequentamos os rituais Guarani há dez anos. Nesta cerimônia, chamada de Busca da Visão, fiz jejum de quatro dias sem falar, sem comer nem beber nada, nem água, como parte de um ritual que trabalha a espiritualidade e o autoconhecimento de cada um", conta a fotógrafa.

De volta à casa, decidiram dar um tempo das clínicas e da maternidade. "Quando tiramos o foco, um campo de possibilidades se abriu. Um amigo e uma amiga muito especiais, casados, com filhos, nos chamaram para conversar e dizer que ele poderia doar esperma para a gente com consentimento e participação da sua esposa. Era uma doação feita com muito amor, deles reconhecendo nossa vontade de querer ser mães e sentindo que podiam gerar essa oportunidade."

De uma gestação por vez às duas juntas

Vivian conta que até aí, a ideia era engravidarem uma de cada vez. Mas, certo dia, após meses mergulhada nos estudos de física quântica, Viviam disse para Suzanne: "E se engravidarmos juntas? A gente pode colapsar uma função de onda (processo que pode mudar a realidade, segundo conceitos da física quântica) entre infinitas possibilidades e fazer essa escolha".

Imagina que lindo, as duas grávidas?

Suzanne, a princípio, se espantou, mas logo mudou de ideia, quando começaram a pensar em todas as coisas maravilhosas que vivenciaríam — grávidas juntas, sentindo contrações, parindo, quem sabe, ao mesmo tempo, e vendo as crianças crescerem, andando uma ao lado da outra de mãos dadas. "Combinamos que se uma engravidasse e a outra não, seguiríamos até a outra conseguir também."

A escolha de contar aos bebês quem doou o sêmen

Antes de fazer qualquer coisa, conversaram bastante com o casal de amigos e todos estavam de acordo que era importante honrar a forma maravilhosa como os bebês chegariam ao mundo, e que eles saberiam quem havia sido o doador. Fizeram também uma declaração de doação de sêmen em cartório, para que ficasse esclarecida a responsabilidade das duas como mães dos bebês sem participação paterna do doador.

Outro documento importante foi o provimento nº 63, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), de 17/11/2017, que criou um novo modelo de certidão de nascimento, passando a permitir na filiação o nome de duas mães ou dois pais, em casos de união homoafetiva. A norma facilita registros de paternidade e maternidade de filhos não biológicos e regulamentou o registro de crianças geradas por técnicas de reprodução assistida, entre outras medidas.

Uma inseminação feita em ambiente de amor — e com orgasmos

Por causa de viagens, trabalho e outros motivos, demoraram quase um ano para iniciar as experiências de inseminação caseira. A primeira vez foi em fevereiro de 2019 e deu certo para as duas. Como Suzanne entrou no período fértil antes, fizeram primeiro nela. "A gente comprou testes de farmácia para confirmar a fase de ovulação e, dado o sinal positivo, ligamos para nossos amigos e fomos à casa deles. Eles 'namoraram' em um quarto, retiraram o sêmen, o colocaram num pote esterilizado e passaram para uma seringa. Depois, nos entregaram o líquido abençoado, repleto de vida. O injetei dentro da Suzanne e ela ficou deitada com as pernas para cima, por uns 30 minutos, para aumentar as chances de fecundação do óvulo". Na semana seguinte, Vivian entrou no período fértil e repetiram o mesmo procedimento.

Nas duas vezes, enquanto aguardávamos no quarto, colocamos uma música e ficamos 'namorando'. Tivemos vários orgasmos. O propósito era tornar o encontro o mais prazeroso possível para que os bebês chegassem em um ambiente de amor.

"Naquele instante, sentimos uma forte presença no útero, como uma bola de energia. Poucas semanas depois, surgiram outros sinais da gravidez, como sensibilidade nos seios, mas escolhemos não fazer testes de farmácia para confirmar. Sentíamos que o mais importante era nos conectarmos com o momento, afinal, mesmo com a comprovação dos testes, tudo pode mudar".

Quando as menstruações não vieram e as barrigas começaram a crescer, não restavam dúvidas — estávamos grávidas. E aí apareceram os enjoos, o mau humor junto com a fome, os chutes e movimentos dentro do útero, entre outras sensações gostosas.

Sexo e nome dos bebês na hora dos partos

"Agora, a gente entende que não engravidamos antes — porque os bebês queriam vir juntos. Sempre que colocamos a mão nas barrigas, percebemos um fluxo, uma energia muito forte, é como se os bebês estivessem sentindo 'que bom que você está aqui comigo'", ela conta. O casal optou por saber o sexo deles no momento dos nascimentos, previstos para meados de novembro. Vão definir os nomes também nessa hora — querem que tenham a mesma pronúncia em português e inglês. Enquanto isso, os chamam carinhosamente de Mooshie e Kooshie.

Vivian e Suzanne: grávidas juntas, do mesmo doador - Iluminar
Vivian e Suzanne: grávidas juntas, do mesmo doador
Imagem: Iluminar

Embora eles não sejam gêmeos, as duas passaram a chamá-los assim porque todo mundo começou a dizer isso e concordaram que faz sentido. "Eles são gêmeos de pai, já que a diferença de concepção é mínima, e podem até nascer no mesmo dia; vão crescer juntos e com a mesma idade. Se as pessoas na rua nos perguntarem se são gêmeos, vamos dizer que sim, gêmeos de duas mães".

Com este relato, esperam inspirar outras pessoas. "Que elas percebam que existem infinitas possibilidades no universo para as coisas se manifestarem. A maioria da sociedade, hoje, está muito presa ao celular, à internet e às notícias negativas, e por isso a importância de entrar em contato com outros campos de expansão para ter mais liberdade e prazer de viver."