Topo

Mães e filhos


Mães e filhos

Mãe ouve de aeromoça que precisa "se cobrir" ao amamentar e faz post viral

Mulher amamentando no avião - iStock
Mulher amamentando no avião Imagem: iStock

De Universa

16/07/2019 18h24

Durante voo da companhia aérea Royal Dutch Airlines (KLM), uma mãe alega que foi orientada por uma comissária de bordo a esconder o seio enquanto amamentava sua filha. O caso, publicado em um relato no Facebook por Shelby Angel, na página da empresa, se tornou viral, com comentários de usuários e outros passageiros da companhia em apoio à mulher.

Ela afirmou que, enquanto viajava de São Francisco (nos Estados Unidos) para Amsterdã (Holanda), resolveu amamentar sua filha porque isso a acalmava e a "ajudava a dormir e se sentir confortável". Antes mesmo de o avião decolar, no entanto, foi abordada por uma comissária de bordo que informou que, se ela quisesse continuar a amamentar, precisava se cobrir.

"Eu disse a ela que não, minha filha não gosta de ser coberta. Isso a incomodaria quase tanto quanto não amamentá-la. Ela então me avisou que, se alguém reclamasse, seria um problema meu (ninguém reclamou em nenhum dos voos que eu levei minha filha. Na verdade, ninguém nunca reclamou comigo sobre a amamentação em público, exceto essa comissária de bordo".

Pedido segue política da empresa

Após o episódio, Shelby afirmou ter feito uma queixa formal à KLM. Ela teria recebido como resposta que o pedido da funcionária "estava em conformidade com a política da empresa" -- o que revoltou os usuários na rede social.

"Foi-me dito que eu precisava ser respeitosa com pessoas de outras culturas e que a resposta desta comissária de bordo estava em conformidade com a política da empresa", relata. "Então, em vez de defender e proteger as mães que amamentam e nossos filhos, já sob o peso de voar com nossos filhos pequenos, a KLM prefere manter valores antiquados que envergonham os corpos das mulheres".

A publicação recebeu muitos comentários de usuários, especialmente mães, que se solidarizaram com a situação vivida por Shelby. "Ó Meu Deus, e eu pensava que a KLM tinha um pensamento mais moderno. Desculpe por você se sentir assim", comentou uma usuária. "Isso é chocante. Eu voei pela KLM em outubro e eles foram tão amáveis com nossa amamentação. Mas a resposta da empresa é simplesmente desrespeitosa e embaraçosa da parte deles", disse outra. "Você fez bem em fazer uma queixa, e você nunca deve cobrir se você não quiser também. Não se trata de culturas, é sobre alimentar um ser humano, que é um bebê", escreveu outra.

Leia o relato completo (traduzido abaixo)

"Aqui está um aviso para todas as mães que amamentam: NÃO voem com a KLM! Um mês atrás, eu estava voando com minha filha de um ano em um voo da KLM de São Francisco para Amsterdã. Foi o terceiro voo em que estive com ela. Eu amamentei ela. Isso a acalma e a ajuda a dormir e a deixa confortável. Ela também é uma criança agitada que não gosta de ser coberta. Eu faço o meu melhor para ser discreta, mas às vezes alguma pele aparece.

Antes mesmo de decolar, fui abordada por uma comissária de bordo carregando um cobertor. Ela me disse (e cito): 'Se você quer continuar fazendo a amamentação, precisa se cobrir'. Eu disse a ela que não, minha filha não gosta de ser coberta. Isso a incomodaria quase tanto quanto não amamentá-la. Ela então me avisou que, se alguém reclamasse, seria um problema meu (ninguém reclamou, em nenhum dos voos que eu levei minha filha. Na verdade, ninguém nunca reclamou comigo sobre a amamentação em público. Exceto essa atendente no voo). O restante deste voo aquela comissária de bordo não me olharia nos olhos. Eu me senti extremamente desconfortável e desrespeitada.

Quando chegamos em casa, enviei uma reclamação para a KLM. Foi-me dito que eu precisava ser respeitosa com pessoas de outras culturas e que a resposta desta comissária de bordo estava em conformidade com a política da empresa. Então, em vez de defender e proteger as mães que amamentam e nossos filhos, já sob o peso de voar com nossos filhos pequenos, a KLM prefere manter valores antiquados que envergonham os corpos das mulheres.

Levei muito tempo para escrever isso, porque nunca recebi uma resposta tão negativa sobre cuidar da minha filha. Espero que todos que considerem um voo com seu filho amamentado possam escolher uma companhia aérea que respeite a autonomia corporal e o direito de cuidar de nossos filhos da melhor maneira que sabemos".