PUBLICIDADE

Topo

Mães e filhos

Com dois filhos, mãe adota recém-nascida prematura e engravida na sequência

Mãe engravida após adotar criança recém-nascida - rebekah.laskowski/Reprodução Instagram
Mãe engravida após adotar criança recém-nascida Imagem: rebekah.laskowski/Reprodução Instagram

Da Universa

16/11/2018 19h11

Pode parecer um enredo de filme, mas na verdade essa é a história real da norte-americana Rebekah Laskowski, 27. Mãe de dois filhos gerados por ela, ela tinha o desejo de dar a luz a um terceiro, mas sem sucesso. Foi aí que a família decidiu adotar uma criança recém nascida prematura. A surpresa veio mesmo quando ela descobriu que também estava grávida.

Laskowski escreveu o seu relato no site "Love What Matters" e acabou viralizando na internet. "'Se isso der positivo, vai ser uma loucura, amor', disse ao meu marido, depois de fazer xixi em um teste de gravidez que eu sabia que sairia negativo", começa seu texto. Laskowski revelou que estava sentindo enjoos há algumas semanas, mas não acreditava que isso poderia ser uma gravidez. O seu marido estava segurando a recém-adotada Goldie quando recebeu a notícia. 

Veja também

Ela também conta que havia ficado seis semanas na UTI acompanhando o crescimento da criança, nascida de 36 semanas. "Nós estávamos extremamente nervosos sobre ter outro filho biológico. Sabíamos que a adoção estava em nossos corações e sentimos que era um sinal para avançarmos com a expansão de nossa família por esse meio. Tão logo falamos com nossos consultores, nos ligaram a uma menina que nasceria no fim de junho. Mas mal sabíamos que, na época, nossa garota Goldie tinha outros planos. Ela decidiu que não podia esperar para conhecer sua preciosa primeira mãe e nós!", escreve. 

A família, que é de Madisonville, no Estado de Kentucky, nos Estados Unidos, teve que voar até Utah para receber a nova integrante da família e Laskowski e o marido revezavam quem ficava em casa com os outros dois filhos, Georgia, 4, e Griffin, 2. "Eu voei para lá e para cá algumas vezes e fui abençoada o suficiente por ter minha mãe para ficar com ela por um longo fim de semana. Foram seis semanas exaustivas entre ver a nossa menina crescer e lutar para finalmente conseguirmos levá-la para casa. Eu estava tão grata pela montanha russa de emoção que estava chegando ao fim... Era o que eu pensava". 

Após passar semanas vomitando, a mãe resolveu fazer um teste de gravidez, que deu positivo. "Ele então começou a ler a caixa dizendo em voz alta: "Não, eu não acho que duas linhas significa positivo". E me deu outros dois testes, que imediatamente retornaram linhas positivas. Se bem me lembro, tenho certeza de que joguei o último teste nele, histérica. Eu não sabia se ria ou chorava. Então eu fiz as duas coisas. Olhamos um para o outro e depois para nossa pequenina recém-nascida dormindo em seus braços. Ele colocou as mãos em nosso bebê e depois no bebê que crescia dentro de mim. Nós choramos e depois rimos um pouco mais. Aquela "montanha-russa emocional" tinha chegado a uma descida grande". 

A gravidez acabou indo até as 39 semanas e então nasceu Gwyneth Reese. Apesar das inseguranças terem rodeado a mãe durante os meses da gestação, Laskowski vê o cenário como uma dádiva. "É um milagre verdadeiro e inacreditável", escreve. "Alguns dias são extremamente difíceis, dobram as fraldas, dobram o choro, dobram as mamadas da meia-noite", completa. 

Entretanto, o saldo da história é positivo. "No meio desse caos total, me encontrei. Embora possa haver o dobro das fraldas e dobrar o choro, há também o amor duplicado. A pura alegria e paz que esses bebês me trazem é algo que eu nem consigo colocar em palavras", finaliza. 

Mães e filhos