Topo

Sexo

Quer entrar na suruba? Veja dicas para ninguém ficar de fora no sexo grupal

Caio Borges/UOL
Imagem: Caio Borges/UOL

Da Universa

28/10/2018 04h00

Sexo grupal, ainda que seja tabu para muita gente, é uma das mais frequentes fantasias sexuais. Seja para incluir mais um homem ou mulher ao casal, seja para realizar a troca de parceiros, esse tipo de prática é mais comum do que você provavelmente pensa.

A rede social Sexlog, voltada a prática de swing e troca de casais, fez uma pesquisa com seus mais de 6 milhões de inscritos, para mapear qual o perfil do brasileiro interessado de verdade em participar de surubas. Os números apontam que o maior interesse é de homens (53%), mas também é alto entre casais (40%). Quem mais busca prazer dessa forma mora principalmente na região Sudeste do país (52,58%).

Veja também

Se você também quer tentar entrar para a turma do sexo grupal, é importante anotar algumas dicas.

É para você?

Tem dúvidas se você está pronto para sexo com mais de uma pessoa? Faça o teste e saiba se trazer mais gente para a cama é mesmo a sua neste momento.

Não aceite só para agradar

Todos precisam concordar com o que for acontecer. Se não for consensual, não é sexo, é abuso. Então, sente com seu par e combine previamente quais suas fantasias, o que vocês ficarão mais à vontade de fazer e o que você não topa de jeito nenhum. Você não tem que aceitar algo só para agradar ao outro.

Mas como interagir?

Quando muda o número de participantes no sexo pode pintar aquela dúvida: onde cada um fica e o que faz? É preciso um pouco de criatividade, mas você também pode deixar a coisa fluir. Mulheres praticantes de swing indicaram as posições que mais funcionam e proporcionam prazer, para ninguém ficar só olhando.

Onde fazer?

Hoje já existem festas fechadas onde o objetivo é o sexo em grupo. Outra opção são as casas de swing. Veja aqui 10 coisas que você precisa saber antes de entrar em uma. Mas se você preferir ir para um destino com ainda menos chances de esbarrar em um conhecido, existem resorts, cruzeiros e outros destinos para você se aventurar no sexo grupal.

Cuide de sua segurança

Uma dica vale para qualquer relação sexual: se há uma câmera envolvida e você não é do tipo exibicionista que quer ficar famoso na internet, repense a ideia de gravar o sexo. As imagens podem ser vazadas, mesmo que quem filmou não deseje isso: já pensou se alguém mal-intencionado invade seu arquivo na nuvem e expõe você? Embora a prática seja crime, nenhuma pena imposta desfaz a exposição que a vítima já sofreu.

Sexo