Topo

Mães e filhos

Menino ou menina? Futuros pais americanos vão além do chá de revelação

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Washington (EUA)

19/11/2019 18h21

Um acidente de avião no Texas, uma explosão mortal em Iowa, um incêndio maciço no Arizona. Cada vez mais elaborados, os chás de revelação do sexo dos bebês, uma tendência crescente entre os futuros pais nos EUA, em alguns casos acabam se transformando em pesadelo.

"É menina!". Depois de soltar 350 galões de água cor-de-rosa, um pequeno avião voando a baixa altitude parou de repente e caiu em um campo do Texas.

Felizmente, não houve vítimas no acidente, que ocorreu no início de setembro, mas outra festa desse tipo - em que os futuros pais preparam uma encenação para revelar o sexo do bebê - se tornou fatal quando uma mulher de Iowa, 56 anos, foi morta no mês seguinte por estilhaços de uma bomba caseira.

Os pais americanos não estão mais satisfeitos com o método tradicional de revelação de gênero: cortar um bolo para revelar, depois de muito suspense, um interior azul (para menino) ou um rosa (para menina).

Com o surgimento das mídias sociais, as revelações de gênero tornaram-se cada vez mais sofisticadas e "extremas", de acordo com Carly Gieseler, professora de estudos de gênero e mídia da City University of New York (CUNY).

Ela estuda a tendência de revelação de gênero desde seu surgimento, no final dos anos 2000.

O que começou como uma "reunião íntima e pequena" se tornou "um espetáculo muito maior, um assunto muito mais grandioso", disse Gieseler à AFP.

"Chegamos ao ponto em que você tem explosões e fogos de artifício, paraquedistas" aparecendo no Instagram ou YouTube.

Na opinião de Gieseler, os chás de revelação de gênero estão "preenchendo o vazio das reuniões comunitárias que quase não temos mais".

Eles ficaram tão na moda nos EUA que "é quase uma expectativa de todos os pais neste momento", disse.

E empresas especializadas começaram a aparecer, ansiosas para atender à demanda.

"Quem se importa?"

Bolas de beisebol e golfe que explodem em pó rosa ou azul quando atingidas, tiro ao alvo, balões, guirlandas, doces... "Há um mercado enorme", disse Gieseler.

Ele complementa outro costume americano, o do chá de bebê - uma festa, principalmente para mulheres, onde uma mãe grávida recebe suprimentos para o bebê.

Embora os chás de revelação de gênero podem ter conseguido envolver os homens nas festividades pré-natal, eles também são acusados de reforçar os estereótipos de gênero.

"Embora a revelação de gênero pareça algo alegre, ela tem implicações em termos de restabelecer o binário de gênero, marcando um feto que ainda nem foi trazido ao mundo com a ideia de ser homem ou mulher, e então com todos os papéis e premissas de gênero que a acompanham", disse Gieseler.

Até a mulher que inventou a tendência - a blogueira Jenna Karvunidis, que escreveu um post de blog sobre sua festa em 2008, quando estava grávida de sua primeira filha - hoje sente que criou um monstro.

"Tive muitos sentimentos contraditórios sobre minha contribuição aleatória à cultura", escreveu em um post na página de seu blog no Facebook. "Isso explodiu em loucura depois".

"Quem se importa com o sexo do bebê?", Karvunidis perguntou no post, que já recebeu mais de 35.000 curtidas.

"Eu fiz na época porque não vivíamos em 2019 e não sabíamos o que sabemos agora - que atribuir foco ao gênero no nascimento deixa de fora muito de seu potencial e talento que não têm nada a ver com o que há entre suas pernas".

Mães e filhos