PUBLICIDADE
Topo

TIM expande prévia do 5G para ciclofaixa, parque e mais cidades de SP

Estúdio Rebimboca/UOL
Imagem: Estúdio Rebimboca/UOL

Lucas Carvalho

De Tilt, em São Paulo

07/05/2021 16h56

Quem tem um celular compatível com a futura rede 5G já pode experimentar uma prévia da nova geração de internet móvel em São Paulo. A operadora TIM anunciou nesta quinta-feira (6) que expandiu a cobertura do seu 5G DSS (uma tecnologia de transição para o 5G definitivo) para mais pontos da capital e outras cidades do estado.

O 5G DSS da TIM, que já estava disponível em vários pontos da capital, como nos arredores do Itaim Bibi e na Avenida Paulista, agora foi ativado em toda a ciclofaixa da Marginal Pinheiros e no entorno do Parque do Ibirapuera. Além disso, a operadora ativou a nova rede em Campinas (SP), no bairro Taquaral, e em toda a Orla de Santos, na Baixada Santista.

Fora de São Paulo, a operadora já oferece o sinal de internet de nova geração em regiões de Brasília (DF), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ) e Curitiba (PR).

A TIM não é a única a oferecer 5G DSS no Brasil, porém. A Claro já disponibiliza o sinal em Brasília (DF), Goiânia (GO), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP) e outros municípios do interior paulista. A Vivo oferece em São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Salvador, Goiânia, Curitiba e Porto Alegre. Até a Oi, que vendeu sua operação móvel para as rivais, também tem 5G DSS, mas só em Brasília.

    5G DSS é 5G de verdade?

    É bom reforçar que a tecnologia DSS é um primeiro passo para o 5G comercial no Brasil, mas não se pode considerar este serviço ainda a versão "definitiva" do 5G, cuja operação ainda depende do leilão das faixas pela Anatel (Agência Nacional das Telecomunicações), a ser realizado ainda este ano.

    A sigla DSS significa Compartilhamento Dinâmico de Espectro, em inglês. Essa tecnologia é capaz de alternar as frequências pelas quais o sinal de internet viaja de forma dinâmica para obter mais velocidade de conexão, usando faixas que antes eram usadas só para o 4G.

    Para ter uma noção de como a conexão 5G DSS se sai, em nossos testes no ano passado, conseguimos atingir uma velocidade média de download de 128 Mbps (Megabits por segundo). No mesmo teste, a velocidade média do 4G ficou na casa dos 26,5 Mbps.

    Seria como numa estrada. Você pode ter uma Ferrari passando em alta velocidade e um outro carro passando em velocidade normal. É como se o 4G e o 5G cedessem espaço um ao outro em uma mesma faixa de uma rodovia, sem gerar congestionamento, cada um na sua velocidade.

    Mas o 5G de verdade não é só mais rápido que o 4G. A nova geração promete baixa latência —isto é, tempo menor de reação entre um pacote de dados enviado para a rede e sua volta ao aparelho — que é mais um indicador de qualidade de conexão do que de velocidade. E a versão DSS ainda não oferece isso.

    Veja uma lista de celulares vendidos no Brasil compatíveis com 5G (incluindo o DSS) até agora:

    • iPhone 12 (Apple)
    • iPhone 12 Pro (Apple)
    • iPhone 12 Pro Max (Apple)
    • iPhone 12 mini (Apple)
    • Galaxy A52 5G (Samsung)
    • Galaxy A32 5G (Samsung)
    • Galaxy S21 (Samsung)
    • Galaxy S21+ (Samsung)
    • Galaxy S21 Ultra (Samsung)
    • Galaxy Note 20 (Samsung)
    • Galaxy Note 20 Ultra (Samsung)
    • Galaxy Z Fold 2 (Samsung)
    • Moto G100 (Motorola)
    • Moto G 5G Plus (Motorola)
    • Moto G 5G (Motorola)
    • Motorola Edge
    • Motorola Edge Plus
    • Legion Phone Duel (Lenovo)
    • Xiaomi Mi 10T
    • Xiaomi Mi 10T Pro
    • Realme 7 5G
    • ROG Phone 2 (Asus)