PUBLICIDADE
Topo

Assinantes cobram Netflix por fala transfóbica em especial de Ricky Gervais

Ricky Gervais começa seu novo especial de comédia fazendo comentário transfóbico - Reprodução/Instagram
Ricky Gervais começa seu novo especial de comédia fazendo comentário transfóbico Imagem: Reprodução/Instagram

De Splash, em São Paulo

24/05/2022 12h38

Uma fala transfóbica do comediante Ricky Gervais no especial "SuperNature", lançado hoje na Netflix, motivou reclamações dos assinantes — alguns apontam que não é a primeira vez que a Netflix permite conteúdo transfóbico em seus especiais de comédia.

Na marca de quatro minutos, Ricky Gervais afirma: "Ah, mulheres! Não todas as mulheres, quero dizer as antigas. As mulheres antigas, que têm úteros. Esses dinossauros".

Ele continua: "Eu amo as novas mulheres. Elas são ótimas, não são? Essas novas, que temos visto por aí, com barba e p*u. São ótimas, eu as amo. E agora as antigas dizem: 'Ah, querem usar nossos banheiros'. Por que elas não deveriam usar seus banheiros? 'São para mulheres!' Elas são mulheres, veja os pronomes delas! Que parte dessa pessoa não é mulher? 'Bem, o pênis dele'. O pênis dela, sua preconceituosa! 'E se ele me estuprar?' E se ela te estuprar, sua TERF v*dia?"

"TERF" é uma sigla em inglês que significa "feminista radical trans-excludente" e descreve feministas que não acreditam que mulheres trans são mulheres.

Gervais volta a citar mulheres trans em outros momentos do especial. No final, afirma: "Na vida real, é claro que eu apoio os direitos das pessoas trans. Eu apoio todos os direitos humanos, e direitos trans são direitos humanos. Viva a sua vida. Use os pronomes que você quiser. Seja do gênero que você sente que é. Mas, moças, vamos ceder um pouco. Tirem esse p*u. Só peço isso".

Nas redes sociais, espectadores questionaram: "Ricky Gervais poderia fazer piada com govenos, bancos, bilionários. As pessoas que causam danos reais a pessoas normais no mundo todo. Ao invés disso, ele ataca pessoas trans. Sim, Ricky, fale a sua verdade. Covarde".

Outro usuário comentou: "Estou furioso. Por que lixo transfóbico como esse ainda é lançado? De um lado, a Netflix fica feliz em ser elogiada pela representatividade trans em 'Heartstopper'. Quatro semanas depois, eles têm a cara de pau de lançar isso? Nojento!"

Alguns lembraram que, no ano passado, outro especial de comédia da Netflix foi criticado por conter transfobia: "The Closer", de Dave Chappelle. O comediante diz que "gênero é um fato" e critica quem aponta a transfobia nas falas de J.K. Rowling: "Ela disse que gênero é um fato, a comunidade trans ficou brava e começou a chamá-la de TERF. Eu sou do time TERF".

Na época, o jornal New York Post divulgou um suposto comunicado enviado pelo CEO da Netflix aos funcionários, já que alguns fizeram protestos contra a exibição do especial de Chappelle. "Chappelle é um dos comediantes stand-up mais populares hoje em dia, e temos um contrato longo com ele. Seu último especial, 'Sticks & Stones', também é controverso, e é nosso stand-up mais assistido e premiado até hoje", diz o texto, que também fala em "liberdade artística".

A Netflix foi procurada para comentar a polêmica, e esta nota será atualizada quando houver uma resposta da empresa.