PUBLICIDADE
Topo

Luciana Bugni

Masturbação na novela: cena de Andrea Beltrão questiona o que é sensual

Rebeca (Andrea Beltrão) se masturbou em cena de "Um Lugar ao Sol" - Reprodução/TV Globo
Rebeca (Andrea Beltrão) se masturbou em cena de "Um Lugar ao Sol" Imagem: Reprodução/TV Globo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Luciana Bugni

Luciana Bugni é gerente de conteúdo digital dos canais de lifestyle da Discovery. Jornalista, já trabalhou na "Revista AnaMaria", no "Diário do Grande ABC", no "Agora São Paulo", na "Contigo!" e em "Universa", aqui no UOL. Mora também no Instagram: @lubugni

Colunista do UOL

25/11/2021 16h20

Quando Andrea Beltrão coloca o livro sobre o colo, deitada na cama, e começa a fazer movimentos com as mãos no púbis, sob o lençol, na cena de "Um Lugar ao Sol", o brasileiro suspira prostrado no sofá. "Ela vai fazer isso mesmo? Na frente de todo mundo?", se questionam os tradicionais se ajeitando no assento.

Masturbação de mulher é tabu. Um tabu esquisito porque seguramente são as cenas de sexo que menos mostram a pele. Não tem nudez, não tem saliva ou língua, não tem corpos se esfregando. É geralmente um rosto na tela fazendo caras e bocas — imagem até essa quarta (25) inédita na telenovela brasileira. De onde vem a intensa sensualidade embutida na imagem de uma mulher esfregando suas partes íntimas — partes essas que geralmente nem estão enquadradas?

Mesmo para quem fala de sexo com naturalidade, o assunto masturbação é sublimado das conversas. A feminina então... mais ainda. Uma mulher atingindo o orgasmo sem ajuda de um homem? Parece que é algo que tem que ser feito escondido, para não constranger ninguém. Por isso, na cena da novela em que a personagem de Andrea se masturba, o ponto alto de tensão é o momento em que Túlio (Daniel Dantas) flagra Rebeca se tocando. O marido fica irritado, ela, constrangida.

É interessante como Lícia Manzo compõe o roteiro. Uma mulher tem um dia complicado, encontra um rapaz que a elogia durante a tarde, recebe um convite desse garoto para praticar esporte na manhã seguinte. Chega em casa à noite, após discutir e ser confrontada pela irmã, e encontra o marido no quarto. Tenta falar sobre o que houve, mas ele minimiza o diálogo e quer sexo.

Ela afirma que não quer transar e ele entra no banho. Ela então começa a ler, mas logo decide se masturbar — não queria nada com ele, mas tinha, sim, desejo sexual.

As tais preliminares verbais

Durante a cena em que a atriz, de 58 anos, se toca, o público imagina o que se passa na cabeça dela. Mesmo que ainda não tenha sido verbalizada, fica claro na imagem que a sexualidade de um casal é uma construção. Desejos individuais existem em qualquer ser humano, mas naquele momento Rebeca não estava interessada em satisfazer os do marido — não naquela velocidade que ele propunha. Minutos mais tarde, ela puxa o diálogo e afirma que sexo não é um momento, um clique: é o ápice de um envolvimento que vem nas horas anteriores.

Túlio diz que é imaturo pensar que marido e mulher precisem de três horas de conversa antes do sexo. Ele afirma que eles não são namorados e podem transar sem essas "preliminares verbais".

Pode até ser. Mas as tais preliminares verbais podem ser altamente excitantes para a mulher — Túlio não sabe o que está perdendo. Envolvido em um relacionamento extraconjugal, seus interesses naquele casamento já estão difusos. E ela, carente, está gostando de conversar ou ser respeitosamente elogiada por um homem mais novo, Felipe, o personagem de Gabriel Leone. Nesse momento, isso parece mais excitante do que a intimidade de um matrimônio maduro. Acontece.

Após a briga, Túlio vai dormir na sala. Ela se levanta cedo e decide ceder ao convite e praticar remo com o rapaz. O cuidado que Felipe tem com ela na prática, o interesse genuíno que ela tem em sua conversa, as descobertas: tudo vai compondo uma tensão sexual crescente que leva o público de volta à imagem de Rebeca de masturbando.

Em cena, os dois só apareceram se pegando em uma fantasia dela. Um beijinho rápido de ambos vestidos, mas com pegada. Precisa mais? A sexualidade feminina está muito além dos estereótipos que nos foram ensinados. Por isso, a imagem do rosto de Andréa enquanto ela supostamente toca suas partes íntimas incomoda alguns e é tão irresistivelmente sexy para outros. A liberdade é de fato estimulante.

Você pode discordar de mim no Instagram.