PUBLICIDADE
Topo

Luciana Bugni

Indireta de Camila Queiroz: método agita redes desde primórdios do Facebook

Camila Queiroz como Angel em cena de "Verdades Secretas 2": indiretas são uma mostra de dor? - Reprodução/TV Globo
Camila Queiroz como Angel em cena de "Verdades Secretas 2": indiretas são uma mostra de dor? Imagem: Reprodução/TV Globo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Luciana Bugni

Luciana Bugni é gerente de conteúdo digital dos canais de lifestyle da Discovery. Jornalista, já trabalhou na "Revista AnaMaria", no "Diário do Grande ABC", no "Agora São Paulo", na "Contigo!" e em "Universa", aqui no UOL. Mora também no Instagram: @lubugni

Colunista do UOL

19/11/2021 04h00

Internet, idos de 2011. Funcionava assim: você chegava no trabalho — àquele tempo era presencial, como faziam os incas —, dava um oi rápido para o pessoal e entrava num túnel eterno de afazeres. Aí, quando dava tempo de tomar um ar, lá pela hora do almoço, entrava no Facebook para procrastinar via Mark Zuckerberg.

Mas aí vinha a bomba. Uma colega que sentava a umas três baias de distância tinha postado uma indireta três horas antes. Podia ser algo leve, como "dar bom dia ainda é usado, viu?", ou algo mais pesado como "mais um dia fingindo que não estou vendo certos absurdos".

Pronto, era o que bastava para ficar com uma pulga atrás da orelha: será que você entrou apressada e não deu bom dia? Mas nesse caso, não valeria o velho método antigo de falar de maneira debochada em alto e bom som "bom dia, né?" ou "dormiu comigo, foi?".

Redes sociais vieram para complicar as relações humanas, isso não é segredo para ninguém.

O microcosmo da indireta pode mexer com alguns ânimos, perturbar a dinâmica de alguns trabalhos, mas em geral é inofensivo para a grande maioria das pessoas. Resumindo, diz mais sobre quem acha que vai abalar o dia de alguém escrevendo uma ou duas frasezinhas maldosas na internet do que sobre o alvo misterioso das acusações.

Teve um tempo em que decidi curtir todas as indiretas de qualquer pessoa com quem esbarrava no Facebook. Ah, dá dó da pessoa pensar que ninguém se importa, né? Se chegou naquele ponto de reclamar de maneira cifrada ao vento, bem não deve estar. Então toma um like para ver se compensa. Spoiler: não compensa.

Mas e quando o autor da indireta é uma pessoa famosa, dando claras indiretas sobre outras pessoas famosas... ai, ai, ai.

Será que Camila Queiroz realmente deu uma indireta?

"Eu tenho essa cara de anjo / mas eu sei de fofocas que ninguém tá ligado / Eu tenho uma pasta de prints, áudios, fotos e vídeos no meu grupo privado / Eu sei quem tá grávida, quem trai o namorado e o que fizeram no verão passado / Porque eu tenho carinha de anjo / mas possuo arquivos que fariam estrago", diz a letra que Camila Queiroz, ex-Angel, entoa com olhar cândido no TikTok. Rapaz do céu.

Os versos fazem parte de um trend engraçadinha que todo mundo tem feito nas redes sociais. Não dá sequer para saber se de fato é uma indireta, como bem lembrou a colega de Splash Aline Ramos. De qualquer forma, o ânimo dos fofoqueiros ficou exaltado. Quando Camila faz a dublagem engraçada de uma música divertida, temos a nítida impressão de que o império de sua ex-emissora pode desabar a qualquer momento. Todo mundo se anima, querendo saber mais. "Que fotos e que prints são essas?", eu penso antes de dormir. Será que tem alguma coisa a ver comigo? Não passo perto do Projac há mais de cinco anos, mas vai saber, né?

A agitação da indireta (será mesmo indireta?) dura pouco. A menos que apareçam fotos e prints do grupo privado, o assunto tende a morrer em poucos dias. Fica a vida real: a atriz foi demitida. De novo, diz mais sobre Camila do que sobre quem está supostamente em risco com esses segredos à beira de serem revelados. E atrás de uma trend engraçadinha cutucando alguém, tem uma mulher sofrendo.

Mark Zuckerberg deve possuir uns arquivos que fariam estrago mesmo. Enquanto isso, suas marcas e as de seus concorrentes pulverizam a discórdia por aí para alegria de uns e desespero de outros. Redes sociais não vieram para facilitar a vida emocional de ninguém mesmo. E, nelas, não parece ter muita gente preocupada com o outro. O negócio é ver o circo pegar fogo, queime a quem queimar. Triste.

Na dúvida, ler um livro parece ser mais seguro. Mas você pode discordar de mim no Instagram.