PUBLICIDADE
Topo

Guilherme Ravache

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Globo vende R$ 2,4 bi em propriedades e poderia ganhar R$ 1 bi na poupança

Jorge Nóbrega (à esq.), que comandou venda de ativos e reestruturação, e Paulo Marinho, que assumirá a Globo no início de 2022 - Reprodução / Internet
Jorge Nóbrega (à esq.), que comandou venda de ativos e reestruturação, e Paulo Marinho, que assumirá a Globo no início de 2022 Imagem: Reprodução / Internet
Conteúdo exclusivo para assinantes
Guilherme Ravache

Guilherme Ravache é consultor digital. Jornalista com passagens pelas redações da Folha de S. Paulo, Revista Época e Editora Caras. Foi diretor de atendimento da Ideal H+K Strategies e gerente sênior de comunicação e marketing de relacionamento da Diageo.

Colunista do UOL

26/12/2021 04h00

Resumo da notícia

  • Com alta dos juros, se apenas deixar o dinheiro do caixa e propriedades vendidas em 2021 investidos, Globo pode receber mais de 1,3 bilhão ao ano
  • A Globo tem uma extraordinária posição financeira, com mais de R$ 12,5 bilhões em caixa, 2,5 vezes o valor das dívidas
  • A venda de propriedades ainda traz benefícios como otimizações de custos, ganhos de impostos e permitem à Globo focar no que faz melhor
  • Venda das torres permitirá, por exemplo, que Globo, SBT, Record, Band e outras emissoras dividam o uso dos equipamentos ou os usem para telefonia
  • Data center da Globo demandava altos investimentos, e o acordo da emissora com o Google tornou o projeto sem sentido
  • À medida que o negócio de TV aberta e a cabo perde valor, Globo tira o máximo proveito dos recursos disponíveis e tenta se reinventar no digital

Não, a Globo não está quebrando. No meio deste ano a empresa possuía em seu caixa mais de R$ 12,5 bilhões. Sim, existe uma dívida bilionária em dólar. O montante é de pouco mais de US$ 1 bilhão. É um valor alto, mas o caixa ainda é 2,5 vezes superior à dívida. Essa dívida também é protegida por operações atreladas ao dólar (hedges), que protegem a empresa de grandes movimentações do dólar.

Além disso, a Globo prevê fechar o ano com faturamento entre 17% e 19% acima de 2020 e registrar lucro. Nos primeiros nove meses de 2021, a receita da Globo cresceu 18% em relação ao mesmo período do ano passado e atingiu R$ 10,8 bilhões.

Mas se os números e resultados são positivos, o que explica os sucessivos cortes e a crescente venda de propriedades da Globo?

Venda da Som Livre, data center, torres e até a sede

Somente no primeiro semestre de 2021, a Globo cortou R$ 281 milhões em salários. O movimento seguiu na segunda metade do ano, com sucessivas saídas de nomes notórios como Cissa Guimarães, Lázaro Ramos e altos salários em geral, particularmente no jornalismo.

Além do corte de salários, houve ainda uma aceleração na venda de negócios e propriedades da Globo.

Em abril, a Globo vendeu a Som Livre para a Sony por R$ 1,4 bilhão. Em outubro, foi a vez do data center ser negociado com a holding Piemonte, por valor estimado de R$ 300 milhões. Ainda houve a venda de 17 torres de TV e 16 imóveis para o grupo IHS Towers, da Nigéria, no início de dezembro, por cerca de R$ 200 milhões, como noticiado pelo colunista Gabriel Vaquer.

Finalmente, dias atrás, a emissora carioca vendeu para a Vinci Real Estate todo o seu complexo de imóveis onde funciona a sede da emissora em São Paulo, em um negócio de mais de R$ 522 milhões. O acordo é de lease back. A Globo receberá o dinheiro da venda agora, mas permanecerá como inquilina do imóvel.

A Globo também fez em julho o spin-off de sua área de games, criando a Player1 Gaming Group . Game é um negócio promissor, mas que nunca vingou para valer na emissora.

Por que a Som Livre foi vendida

Imaginar que as vendas realizadas pela Globo são motivadas somente pelo corte de custos é simplista.

Ao vender a Som Livre, a Globo saiu de um negócio em que não era líder e nem tinha chances de liderar. A gravadora tinha boas margens e estava bem posicionada em um mercado que cresceu dois dígitos nos últimos anos. Ela também possuía grandes nomes da música no catálogo. A decisão de vender não teve relação com a performance da empresa, mas com o foco na estratégia D2C, da qual uma gravadora de música comercial e de desenvolvimento de talentos artísticos deixou de fazer parte.

A nova dona da Som Livre, a Sony, é uma das três maiores gravadoras do mundo. A venda de músicas para o TikTok, Instagram e streamings como o Spotify disparou nos últimos anos e revitalizou o mercado musical. Mas a Globo, por ser pequena em uma escala global no mundo da música, não conseguiria negociações tão boas quanto a Sony com as redes sociais e streamings.

Negócio mudou e data center perdeu sentido

O data center da Globo é outro exemplo de negócio pouco competitivo em escala mundial. Um aspirador de recursos criado para as Olimpíadas de 2016 do Rio, perdeu sentido quando a Globo fechou um contrato de nuvem e tecnologia com o Google em abril deste ano.

Em uma entrevista à revista especializada DTC, Alessandro Lombardi, CEO da Piemonte Holding, empresa que comprou o data center da Globo, afirma que "o imóvel foi projetado para ter uma capacidade duas vezes maior que a atual e, obviamente, não é foco estratégico da Globo fazer mais investimentos no local para alocar a capacidade ociosa a terceiros, o que deve ser feito por pessoa qualificada e experiente como a Piemont. Portanto, a ideia é dobrar a capacidade do ativo o mais rápido possível".

Segundo a Globo, "o data center foi concebido em 2014 dentro de uma visão que se modificou inteiramente nos últimos anos, com o surgimento da tecnologia da nuvem para armazenagem de dados, mais eficiente e com menor necessidade de investimentos. Era um ativo tão bom que sua venda foi muito disputada no mercado. Para a Globo, a decisão de venda é uma consequência natural do seu processo de transformação, particularmente no que se refere à sua jornada para a cloud".

Torres da Globo? e do SBT, Band, Record

Ao vender suas torres, a Globo se livrou de um abacaxi. Se a TV estará cada vez mais no streaming, suas torres terão cada vez menos valor para TV. Mas para a IHS faz sentido. "Por que ter uma torre sozinho se você pode ter uma torre sendo alugada para várias emissoras (SBT, Record, Band, Globo etc)? Ficará mais barato para todo mundo", comenta o executivo de uma emissora concorrente.

A IHS ainda poderá oferecer as torres para outros serviços como telefonia. Além disso, como administra 30.519 torres em nove países, a IHS pode alcançar ganhos de escala que a Globo não teria operando apenas 17 torres.

Segundo a comunicação da Globo, "O compartilhamento (das torres) é possível e o custo operacional já o prevê, no entanto ele só pode se dar com prévia aprovação técnica da Globo, para que não haja nenhum risco de impacto em suas transmissões".

Globo vende prédio da sede em SP

A venda dos imóveis também é uma questão de otimização. Os bancos brasileiros, por exemplo, há anos transformaram seus imóveis em fundos imobiliários. Assim, os bancos basicamente alugam os espaços de suas agências dos seus próprios fundos imobiliários.

Há benefícios fiscais neste modelo. O aluguel comercial pode ser adicionado como despesa e deduzido do lucro, o que reduz o imposto sobre o lucro a ser pago. Isso também torna mais fácil a administração da depreciação dos ativos, que é o valor que bens como imóveis perdem com o passar dos anos.

Já quem investe em fundos imobiliários não paga imposto de renda sobre os dividendos que recebe do fundo.

Segundo a Globo, a questão fiscal não foi a principal motivação para o negócio. "Esta não é a motivação, porque, enquanto dona do imóvel, a empresa também abate despesas de depreciação e amortização. O sale lease back tem o intuito de conferir mais leveza ao balanço da companhia, reforçando ainda mais sua já extraordinária posição financeira e de alavancagem negativa - 2,5 vezes mais caixa do que dívidas", afirma a emissora por meio de sua comunicação.

Para o executivo de uma emissora concorrente, a propriedade intocável por enquanto seriam os Estúdios Globo, mas ele não descarta a venda. "Há uma carência grande de estúdios no Brasil e tem muito dinheiro para a produção de conteúdo no mercado", diz.

Dividir a estrutura dos Estúdios Globo com Netflix, HBO e outros produtores de conteúdo poderia ser um negócio bastante lucrativo.

Aumento da Selic, investir ou deixar rendendo

"O aumento da taxa Selic é outro fator a ser levado em conta", diz um ex-executivo da Globo. Em agosto de 2020 a Selic estava em 2%. Pouco antes disso, em janeiro, a Globo realizou uma de seus maiores empréstimos no mercado internacional, captando US$ 500 milhões de dólares (R$ 2,875 bilhões) a uma taxa de juros de 4,875% e com vencimento em 10 anos.

Mas com o aumento da inflação, neste mês o Banco Central se viu forçado a elevar a Selic para 9,25%. Ou seja, em pouco mais de um ano a Selic mais que quadruplicou. Se a Globo deixar os R$ 12,5 bilhões que tem no caixa, mais os R$ 2,4 bilhões adicionais das vendas de propriedades investidos em uma aplicação que pague apenas a taxa Selic, receberia mais de R$ 1,3 bilhão ao ano somente em juros.

A poupança paga 70% dos juros Selic mais a taxa referencial (TR), que é um indicador do mercado financeiro. A TR é zero atualmente. Com a juro base em 9,25% ao ano, a rentabilidade da Caderneta é de 6,475% ao ano. Mas o rendimento passará a ser de 0,5% ao mês mais essa taxa referencial, o que equivale a 6,17% ao ano.

Vale lembrar que um investimento desse porte pode alcançar cifras bem mais altas de rentabilidade em outras aplicações. "E existe quem já aposte na Selic acima de 12% em 2022", completa o ex-executivo da Globo.

Dinheiro na conta da Família Marinho

Em 2017 e 2018, os custos da Globo já eram maiores do que as receitas, e a emissora só não teve prejuízo por causa dos ganhos com aplicações financeiras. Depois disso vieram três anos de reestruturação, pesados cortes e nenhum dividendo para os acionistas (a Família Marinho).

"Eu não descartaria uma distribuição de dividendos para os acionistas", diz o ex-executivo da Globo. A perspectiva de dinheiro novamente entrando na conta todo ano poderia diminuir um eventual interesse por uma futura venda da Globo ou mudança na estrutura societária.

Um negócio menos visível, mas altamente rentável, é a Globo Ventures. O braço de investimentos do grupo Globo tem uma longa e invejável lista de startups em seu portfólio. O plano para os próximos meses é trazer 100 novas startups dos Estados Unidos para o Brasil. Boa parte desse dinheiro também poderia ser utilizada para investir em novas empresas puramente digitais.

Questionada se os recursos seriam pagos como dividendos, a Globo afirmou que "a empresa reduziu o pagamento de dividendos ao longo dos últimos anos para investir os recursos gerados pelas operações na expansão do seu próprio negócio e na transformação digital pela qual vem passando. Os recursos da operação de leaseback vão para o caixa da Globo e serão usados para investimentos da empresa. A Globo Ventures é uma empresa distinta, do Grupo Globo, com uma operação independente, gestão separada e recursos financeiros próprios".

Aposta no conteúdo

Em uma entrevista ao Valor Econômico, Manuel Belmar, diretor-geral de finanças da Globo, afirmou que o plano para 2022 é investir 50% a mais em conteúdo em comparação a 2021. Em tecnologia deverá ser mantido o volume de investimento deste ano.

No balanço de 2020, publicado em março deste ano, a Globo afirmou ter destinado R$ 4,5 bilhões à criação de conteúdo e mais de R$ 1 bilhão à área de tecnologia. O conteúdo produzido pela Globo no Brasil pode ser vendido para outras plataformas no exterior, um ótimo negócio com o mercado sedento por novas produções.

Isso também apoiaria o avanço do Globoplay, que entre setembro de 2020 e setembro de 2021 cresceu 70% sua receita e 27% o número de assinantes. Mesmo assim, o streaming da Globo tem previsão de dar lucro somente em 2024 ou 2025, o que deve ser mais difícil se a crise econômica no país piorar ou se prolongar.

O dilema da Globo é o de boa parte das empresas no Brasil. O digital é um risco crescente e demanda altos investimentos que podem ou não funcionar. A vantagem é cada vez mais de gigantes com escala global, como a Sony, IHS Tower e Piemonte Holdings.

Para piorar, a economia está em crise, e com a alta dos juros, deixar o dinheiro no banco talvez seja uma opção mais rentável do que tentar crescer no Brasil.

Siga a coluna no Twitter, Facebook e Instagram.