PUBLICIDADE
Topo

Receita de arroz carreteiro resgata história do charque gaúcho em live

De Nossa

30/08/2020 16h38

No programa #BrasilCozinhaComigo do último domingo (30), Zeca Camargo recebeu o cozinheiro gaúcho Emiliano Notari para preparar um arroz carreteiro de charque.

Direto de Sapucaia do Sul, na região metropolitana de Porto alegre, Notari contou a história da produção desta carne no Rio Grande do Sul.

Na culinária, é sempre importante sabermos de onde vêm as tradições que nos trouxeram até aqui"

emiliano notari - Reprodução Instagram - Reprodução Instagram
O cozinheiro Emiliano Notari, convidado de Zeca no programa
Imagem: Reprodução Instagram

"A cultura do charque gaúcho remonta ao século 18", explica o cozinheiro. Um dos pioneiros foi José Pinto Martins, português que produzia carne-seca na região de Aracati, no Ceará.

Em 1777, o Nordeste sofreu uma grande estiagem, conhecida como a "Seca dos Três 7", que dizimou o rebanho bovino e inviabilizou a produção de grande volume de charque.

Ciente do abundante rebanho gaúcho, Martins decidiu transferir sua produção para a região de Pelotas. Foi o estopim para transformar o Rio Grande do Sul no principal fornecedor desse tipo de carne no país — e, mais adiante, dominar o chamado Ciclo do Charque.

"Em 1779, o estado começou a exportar e, no ano seguinte, instalou-se a primeira charqueada oficial por aqui", conta Notari. O negócio ganhou tal fama que, em 1829, Dom Pedro I autoriza a concessão do título ao primeiro Barão do Charque.

O carreteiro

carreteiro de charque - Arquivo pessoal - Arquivo pessoal
Carreteiro preparado durante o programa #BrasilCozinhaComigo
Imagem: Arquivo pessoal

De volta à receita que compartilhou com Zeca Camargo, o cozinheiro falou sobre o charque que estava utilizando em seu carreteiro — peça que ele mesmo produziu.

Emiliano explica que deixou a carne por seis dias desidratando de molho no sal grosso. "Depois, tirei e deixei por mais quatro dias pendurado ao sol e ao vento para secar", explica. E faz a ressalva:

O charque do Rio Grande do Sul é diferente da carne-seca do Nordeste. Lá, ela tem um tempo mais curto de desidratação e é mais úmida que nosso charque"

Para deixar o carreteiro mais caldoso e variar um pouco a receita tradicional, Emiliano recomenda utilizar o arroz cateto e acrescentar pimentões, tomates e azeite extra virgem: