PUBLICIDADE
Topo

Bichos

Tudo o que você precisa saber para cuidar do seu pet

Fotógrafo é 'encarado' por onça bebendo água no Pantanal

Exemplar macho de onça-pintada, Xingu, encara fotógrafo ao beber água no Pantanal - Reprodução/ Gustavo Figueirôa
Exemplar macho de onça-pintada, Xingu, encara fotógrafo ao beber água no Pantanal Imagem: Reprodução/ Gustavo Figueirôa

Caio Santana

De Nossa, em São Paulo

25/06/2021 18h09Atualizada em 03/07/2021 12h35

O biólogo e fotógrafo Gustavo Figueirôa flagrou uma onça-pintada bebendo água no Rio São Lourenço, em Mato Grosso. Ele acabou viralizando nas redes sociais com um clique do felino, conhecido na região como Xingu, olhando fixamente para suas lentes.

Figueirôa possui uma empresa que presta serviços para a ONG (Organização Não Governamental) SOS Pantanal.

"Esse registro eu fiz no Parque Estadual Encontro das Águas, na região de Porto Jofre, no Pantanal norte [Mato Grosso]. Na tarde que eu vi [o Xingu], eu fiz mais de 250 fotos. Claro, que nem todas ficam boas", detalhou o fotógrafo em entrevista ao Nossa.

Ele afirma que de todos os cliques, apenas seis ficaram "de alto nível", uma delas é a fotografia que viralizou nas redes sociais, com o registro do exemplar macho da onça-pintada.

"Com o Xingu ficamos aproximadamente 40 minutos, perto de uma hora. Foi um tempo considerável. Ele se levantou, saía, foi até a praia, bebeu água, voltou e deitou. Ficamos um tempão com ele", declara.

O flagrante aconteceu nas margens do Rio São Lourenço, que faz divisa com os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Foto 1 - Reprodução/ Gustavo Figueirôa - Reprodução/ Gustavo Figueirôa
Além de beber água, a onça Xingu se levantou, foi até a praia (de água doce) e deitou
Imagem: Reprodução/ Gustavo Figueirôa

A 'encarada'

Ficar uma hora frente a frente com Xingu rendeu o clique viral e também fortes emoções ao biólogo, que já trabalha com onças desde 2014, quando terminou a faculdade e foi trabalhar no Pantanal.

Figueirôa, que além de biólogo e fotógrafo também é especialista em manejo e conservação da fauna silvestre, falou ao Nossa o que sentiu ao levar a "encarada" de Xingu.

"O que eu sempre sinto quando vejo onça-pintada é admiração. Consigo sentir a imponência do bicho. É o maior felino das Américas, um predador topo de cadeia [alimentar], quem manda na 'zorra' toda aqui no Pantanal", afirmou.

"Estar cara a cara com esse felino que é gigante, [...] dá uma sensação de muita contemplação da natureza. É encontrar o estado máximo da natureza na sua frente. É maravilhoso demais".

O clique da "encarada" da onça já acumula quase nove mil curtidas no perfil do SOS Pantanal e quatro mil no perfil de Figueirôa. O biólogo disse que não esperava tamanha repercussão. Veja a foto abaixo.

A expedição

A equipe do SOS Pantanal, que Gustavo Figueirôa e um sócio também fazem parte, está em uma expedição treinando as brigadas pantaneiras para prevenção e o combate dos incêndios no bioma, que no ano passado devastou, por exemplo, grande área do Parque Estadual Encontro das Águas (MT).

"Com os recursos que o SOS arrecadou ano passado, compramos equipamentos, distribuímos entre as brigadas comunitárias e estamos treinando elas para [os brigadistas] darem uma resposta e evitar que os incêndios se tornem aquela proporção que tomaram ano passado", explica o biólogo.

Foto 2 - Reprodução/ Gustavo Figueirôa - Reprodução/ Gustavo Figueirôa
Ariranha também olha para o biólogo durante missão do SOS Pantanal com Rafa Kalimann, no começo do mês
Imagem: Reprodução/ Gustavo Figueirôa

A região que eles estão atualmente foi uma das mais afetadas pelos incêndios no Pantanal em 2020.

"Esse Parque Estadual Encontro das Águas, onde eu vi essa onça-pintada, queimou 86% ano passado. Foi um cenário muito triste, de muita guerra", lembra Gustavo.

"A gente estar vendo esses bichos é um cenário de resiliência, é o que dá força e esperança para a gente continuar lutando para prevenir que os incêndios tomem a proporção que tomaram ano passado", conclui o conservacionista.