PUBLICIDADE
Topo

Chile endurece restrições para o Brasil e exige quarentena paga em hotel

Medidas do Chile vão pesar no bolso: todos os custos da estadia no hotel, do PCR e dos traslados serão arcados pelo passageiro - Getty Images/iStockphoto
Medidas do Chile vão pesar no bolso: todos os custos da estadia no hotel, do PCR e dos traslados serão arcados pelo passageiro Imagem: Getty Images/iStockphoto

Luciana Taddeo

Colaboração para Nossa, de Buenos Aires, Argentina

20/03/2021 13h05

Temendo a propagação da cepa de Manaus por seu território e no limite de sua capacidade de ocupação de UTIs, o Chile anunciou neste sábado (20) medidas rígidas, como passaporte sanitário e estadia obrigatória em um hotel transitório, para pessoas que chegarem do Brasil.

A medida valerá por pelo menos um mês, a partir da próxima quinta-feira (25), e será reavaliada de acordo com a situação sanitária.

Com as novas regras, passageiros provenientes do Brasil que cheguem ao Chile ou que tenham estado no Brasil nos últimos 14 dias deverão ir para um hotel transitório, onde ficarão por pelo menos 72 horas, independente de ter PCR negativo.

Após estas 72 horas, se o resultado for negativo, o recém-chegado ainda precisará cumprir uma quarentena obrigatória de 10 dias em sua residência, sem possibilidade de ser eximido desta obrigação.

Segundo a subsecretária de Saúde Pública, Paula Daza, todos os custos da estadia no hotel, do PCR e dos traslados terão que ser arcados pelo passageiro antes do embarque, para a obtenção de um passaporte sanitário que será obrigatório para abordar o avião no Brasil rumo ao Chile..

Viajantes provenientes de outros países também terão que enfrentar restrições, com o cumprimento de 10 dias de quarentena em casa, para onde devem se dirigir diretamente do aeroporto, sem ter contato com outras pessoas. Quem apresentar um ou dois sintomas de covid-19 na chegada ou testar positivo para a doença no período de isolamento precisará ir para uma residência sanitária, onde permanecerá até obter resultado negativo.

Apesar de ser o país da América Latina com o maior índice de vacinação para cada 100 mil habitantes, com mais de 5,5 milhões de vacinados para uma população de quase 19 milhões, o Chile registra a maior quantidade de novos contágios em 24 horas desde o começo da pandemia, com mais de 7 mil casos.

Segundo o ministro da Saúde, Enrique Paris, mais de 2,8 milhões de pessoas com mais de 60 anos foram vacinadas, o que já resultou em uma diminuição de entrada na UTI de pessoas com mais de 70 anos. De acordo com ele, no entanto, as internações de pessoas abaixo desta faixa etária aumentaram.

O Chile está no limite da sua capacidade hospitalar, com quase 95% de ocupação de camas de UTI, e hoje iniciará quarentena em 24 diversos municípios, entre eles a capital Santiago, que se somam a diversos setores que entraram em confinamento na última semana. Com a medida, cerca de 9 milhões de pessoas passam a estar em quarentena.