PUBLICIDADE
Topo

Destilado de baru coloca o Cerrado brasileiro no mapa da coquetelaria

Baru Spirit  - Divulgação
Baru Spirit Imagem: Divulgação

Carlos Eduardo Oliveira

Colaboração com Nossa

26/02/2021 04h00

Há algo de novo na coquetelaria brasileira. E não se trata da milionésima marca de gim premium a brotar no mercado, fenômeno de anos recentes. Curiosamente, a novidade nas prateleiras dos bares e delicatessens de boa estirpe tem origem no Cerrado, segundo bioma do país em extensão, localizado no Planalto Central.

É de lá que vem o baru (também conhecido como cumbaru), castanha nativa, segundo especialistas, de altíssimo valor nutricional, que agora dá origem ao Baru Spirit.

Destilado a partir do fruto do baruzeiro, o Baru Spirit tem graduação alcoólica de 40 graus. No aroma e notadamente no palato, localiza-se na fronteira com as boas grappas do ramo, ainda que sua forte personalidade seja única.

É um produto fácil de beber e de entender. É uma novidade, com a qual é possível fazer muitas coisas na coquetelaria.

E saído do freezer geladíssimo também fica muito bom", avaliza Kascão Oliveira, veterano bartender da cena paulistana, que desenvolveu receitas pioneiras com o Baru Spirit, como o Mojito Baru.

"O Baru Spirit é a ponta do iceberg de todo um conceito em torno da castanha do baru" assegura o empresário Ricardo Pavan, que a seis mãos com os sócios Edson Cunha e Wesley José Machado fundou em Jussara, Goiás, a LabraFlora, companhia que comanda a partir da sede em Los Angeles, Califórnia, onde reside.

Desde 2017, quando surgiu, sucedendo a então Labra, a LabraFlora desenvolve uma série de produtos representativos da importância que o fruto começa a ter economicamente para a região: farinha de baru, óleo de baru, pasta de baru com cacau, pães, barras de cereais, chips de baru, castanha de baru "aperitivo", etc. E, agora, o Baru Spirit.

"Conheci o baru em uma viagem à Chapada dos Veadeiros, em 2015. Lá, comi muito baru. E logo percebi o produto incrível que era, e que nem nós, brasileiros, conhecíamos. No mesmo ano, fiz uma parceria com um fornecedor local, e em 2016 já o estava comercializando em feiras dos EUA", conta.

Mojito feito com Baru Spirit  - Divulgação - Divulgação
Mojito feito com Baru Spirit
Imagem: Divulgação

O Baru Spirit, detalha Pavan, surgiu quase que como uma solução para qualificar ainda mais toda a cadeia que beneficia o produto. "Há ainda um aspecto socioambiental importante no fomento dessa cadeia, já que muitas famílias do Cerrado participam da coleta do baru, que é feita de forma totalmente artesanal. Então, com o Baru Spirit, criamos um novo destilado que provém da biodiversidade brasileira".

Irresistível em (vá lá) "caipirinhas" como as de limão siciliano e lima-da-Pérsia, em breve o Baru Spirit será lançado no competitivo mercado americano, tendo Los Angeles como porta de entrada.

"Tomado puro, ele valoriza todo o seu sabor e aroma, uma experiência complexa. Mas como é uma bebida versátil, pode ser utilizado na caipirinha, no mojito e em muitos outros coquetéis", acredita Pavan.

Castanha de baru - Getty Images/iStockphoto - Getty Images/iStockphoto
Castanha de baru
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Uma nova cachaça?

São bebidas bem diferentes, até porque a cachaça vem da cana. O Baru Spirit é destilado a partir do fruto do baru, e assim será conhecido".

O empresário acredita no potencial da bebida para surfar uma carreira promissora na coquetelaria internacional.

"Estamos investindo números importantes na construção da cadeia de valores do baru, e acreditamos que em dez anos o colocaremos no radar internacional, junto com a castanha do Brasil".