PUBLICIDADE
Topo

"Verônica é a anti-heroína falha", diz Tainá Müller sobre série no Netflix

De Nossa

27/11/2020 12h22

Em novo dia e horário (agora às sextas-feiras, às 11h), Zeca Camargo teve como convidados do programa Brasil com Zeca, todas as semanas em Nossa, a atriz Tainá Muller, o chef Marcílio Cavalcanti e o casal Camila e Pablo, do Apto.21 e na seção Tapa na Casa.

O apresentador começou o programa lamentando a parada no turismo, ainda forte na pandemia. "Eu viajaria para Belém do Pará e já não havia conseguido ir no Círio -, para um show de Fafá de Belém em Salinas, mas desisti devido ao agravamento da covid no Brasil".

"Bom dia, Verônica" e uma intensa quarentena

Tainá Muller - Gustavo Zylbersztajn - Gustavo Zylbersztajn
Tainá Muller
Imagem: Gustavo Zylbersztajn

A pandemia também foi tema da conversa entre Zeca e Tainá Müller. "Como é bom ver você nessa loucura que estávamos fazendo", disse a atriz, que está em São Paulo e ficou cinco meses sem sair de casa, nem para mercado, ao lado do marido e do filho.

Martin, de quatro anos, tem sido o maior personagem da quarentena da artista:

24 horas com uma criança, é muito intenso. E já pergunta 'mamãe, quando o coronavírus vai embora?"", conta.

Personagem da temporada e destaque na "Curva das Expectativas Flutuantes", a protagonista de "Bom dia, Verônica" (série disponível na Netflix) fez Tainá alcançar um enorme público ao abordar a violência contra as mulheres.

A trama se desenvolve sobre uma escrivã que é invisibilizada em um ambiente machista de delegacia. A partir do suicídio de uma mulher, nasce um gatilho, que a faz buscar a justiça para as mulheres."Ela é uma anti-heroína, uma personagem falível", afirma Tainá, que teve o primeiro contato com Verônica pelo livro - que a apresenta bem diferente da série, mais voltada para a vaidade, que para a sororidade.

"Acho que sou parecida com Verônica nesse sentido: em nenhum momento titubeei diante do desafio. Não tem graça se for fácil", relembra a atriz.

"Monstros estavam aí"

Com a pandemia, e crescimento de denúncias de violência doméstica (que Tainá enfatiza que não foi causado pelo confinamento), os monstros afloraram ainda mais e a série dá instrumentos para refletir sobre esse contexto.

"Muitas mulheres me escreveram e muitas revelaram um passado de dor", disse Tainá, que enfatiza que estruturas permitem que aconteça essas violências.

Sobre uma segunda temporada, já confirmada, Tainá afirma que a estreia é tudo incerto e em meados do ano que vem começam as gravações.

Brasil Cozinha Comigo

Chef Marcílio Cavalcante - Divulgação - Divulgação
Chef Marcílio Cavalcante
Imagem: Divulgação

No quadro de culinária, Zeca recebeu o chef paraibano Marcílio Cavalcanti e fez uma croqueta de sol com macaxeira, queijo coalho, coentro e cebolinha.

"Ela não leva farinha de trigo na massa, para quem não come glúten é legal. Quem quiser empanar, também é possível", conta.

Para acompanhar, uma maionese que não leva ovo (o que elimina o risco de salmonela), e sim leite gelado, mostarda, alho, pimenta e bastante óleo. E o chef crava: "Nasceu para harmonizar com cerveja".

"A gastronomia me trouxe para Bananeiras [cidade do brejo paraibano]", conta o chef, que começou vendendo salgadinhos em um shopping de João Pessoa. "Passei a ser cozinheiro junto com a minha mãe e estudei gastronomia, fiz uma pós".

Hoje em dia é chef em Bananeiras, na Estação Bananeiras, em que combina gastronomia internacional e regional. Paralelo a isso é personal chef, com gastronomia mais autoral e é consultor do SEBRAE para novos empreendedores.

Apaixonado por seu estado, o chef indicou cinco lugares para conhecer na Paraíba e comemorou o turismo em Bananeiras, cada vez mais agitado.

Eu que fiz

Camila e Pablo, do @apto.21 - Apto.21 - Apto.21
Camila e Pablo, do @apto.21
Imagem: Apto.21

Camila e Pablo, do @apto.21, e da seção Tapa na Casa, mostraram o quarto da filha do casal, a pequena Liz, de 3 meses - que nasceu como escritório e virou o cantinho dela.

"Aproveitamos a quarentena para começar pela pintura do quartinho, com referências. Não achamos papel de parede e fizemos 'na mão', com um molde feito no computador e para o papel e uma espécie de carimbos - 400 carimbadas, eu contei", brinca Camila.

Em duas semanas de reforma, o processo colaborou para deixar as más notícias de lado.

Queremos mostrar que possível decorar, ter ideias que não custem muito caro e que deixem tudo com a sua cara".