PUBLICIDADE
Topo

Futebol

Arnaldo: "Chega a ser patético o filho do Tite dar instruções na seleção"

Do UOL, em São Paulo

17/11/2020 04h00

No comando da seleção brasileira desde o período classificatório para a Copa do Mundo de 2018, o técnico Tite mantém como um de seus auxiliares o filho Matheus Bachi, que dá instruções aos jogadores e após a vitória sobre a Venezuela na última sexta-feira, esteve na entrevista coletiva ao lado do treinador, que hoje comanda o time brasileiro contra o Uruguai, pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2022.

No podcast Posse de Bola #74, Arnaldo Ribeiro cita três pontos que Tite deveria fazer diferente na seleção, listando o tratamento com Neymar, que foi chamado para esta Data Fifa mesmo lesionado e acabou cortado, as convocações de jogadores que atuam nos clubes brasileiros, considerando que o calendário no Brasil não para quando há jogo da seleção, e o filho Matheus Bachi como auxiliar técnico.

"Pode parecer uma coisa boba da minha parte, mas eu acho que não tem para a função, cargo que ele ocupa, principal técnico do futebol brasileiro, na seleção brasileira, a questão da exposição e colocação do filho dele como principal auxiliar da seleção brasileira, e levá-lo para a coletiva. Com toda a formação que o filho do Tite tem, com todo o respeito que ele me merece, isso não pega bem, é óbvio que não pega bem", afirma Arnaldo.

"É óbvio. Aliás, talvez fosse mais inteligente e melhor para o filho dele não expô-lo dessa forma, porque chega a ser patético o filho do Tite sem experiência alguma no futebol anterior dar as instruções principais para a seleção brasileira de futebol, não faz o menor sentido, e ele insiste com esse negócio. São detalhes muito importantes e fundamentais para que você fique de bem com o povo, é o mínimo", completa o jornalista.

Arnaldo diz que as três questões citadas deveriam ter maior cuidado por parte de Tite e aponta que apesar de não estarem diretamente ligados ao campo, os assuntos acabam pesando até na antipatia pela seleção brasileira por parte do torcedor.

"Ele insiste nas convocações dos jogadores brasileiros sem critério, sem bom senso, na questão do Neymar, a dependência, o Ney para cá, Ney para lá, Ney pai e Ney filho, e a questão do filho dele, que para mim não tem explicação, são coisas extracampo, mas que pesam muito", conclui.

Posse de Bola: Quando e onde ouvir?

A gravação do Posse de Bola está marcada para segundas e sextas-feiras às 9h, sempre com transmissão ao vivo pela home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte nas redes sociais (YouTube, Facebook e Twitter). A partir de meio-dia, o Posse de Bola estará disponível nos principais agregadores de podcasts.

Você pode ouvir o Posse de Bola em seu tocador favorito, quando quiser e na hora que quiser. O Posse de Bola está disponível no Spotify e na Apple Podcasts, no Google Podcasts e no Castbox . Basta buscar o nome do programa e dar play no episódio desejado. No caso do Posse de Bola, é possível ainda ouvir via página oficial do UOL e YouTube do UOL. Outros podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts.

Futebol