PUBLICIDADE
Topo

Richarlyson: "Hoje conhecem o lado vitorioso, mas não sabem minha história"

Do UOL, em São Paulo

16/07/2020 04h00

Richarlyson faz parte de uma família de jogadores de futebol, com o irmão Alecsandro também em atividade pelo CSA, depois de passagens por Cruzeiro, Internacional, Flamengo, Palmeiras, entre outros, e o pai Lela, que fez sucesso na década de 80 e conquistou o título brasileiro de 1985 com o Coritiba. Em entrevista ao programa Os Canalhas, ele relata dificuldades financeiras no período em que iniciou sua carreira, quando o pai já havia parado de jogar.

Nascido em Natal, Richarlyson foi criado em Bauru, no interior de São Paulo, onde vive atualmente, e precisava de uma longa caminhada para poder chegar aos treinos na adolescência devido à falta de dinheiro para pagar bilhetes de ônibus. Ele relata alguma das dificuldades que teve mesmo sendo filho de atleta, em uma época em que o futebol tinha cifras bem diferentes das atuais nos grandes clubes.

"Na época que meu pai jogou o futebol não era tão vistoso na parte de lucros, então a gente viveu bem enquanto meu pai jogou em clubes grandes, meu pai jogou no Fluminense, jogou no Coritiba, jogou na Inter de Limeira, o interior era muito forte naquela época, diga-se de passagem, então meu pai jogou no Noroeste, meu pai foi para Bento Gonçalves, meu pai foi para a Udinese a Itália, foi para o Standard, na Bélgica, enquanto ele esteve em grandes clubes, a gente teve uma vida muito boa", conta Richarlyson.

"A gente passou por uma série de dificuldades enquanto meu pai estava nessa transição de término de carreira, e eu e meu irmão no começo de carreira, então foi muito difícil. Eu contei essa história um dia numa live que eu tinha que caminhar 28 quilômetros a pé para treinar aqui em Bauru, eram 14 para ir e 14 para voltar, porque eu não tinha passe escolar na época, meu pai não estava mais nas condições de dar um passe escolar para a gente, um passe de ônibus, essas coisas. Era tirar a comida de casa, então ele precisava colocar comida dentro de casa, que foi nessa, lembrando, foi na transição da parada do meu pai para o início meu e do meu irmão, então essa fase foi um pouco difícil para a gente", completa.

Richarlyson afirma que as dificuldades que enfrentou no início da carreira o ajudaram a construir sua carreira de conquistas dentro de campo, mas antes de ser campeão mundial e três vezes consecutivas do Campeonato Brasileiro pelo São Paulo, além da Libertadores pelo Atlético-MG, o caminho do jogador teve obstáculos.

"Eu costumo dizer que as pessoas hoje só conhecem o lado vitorioso, mas as pessoas não conhecem a história do Richarlyson em si. Eu ia para a escola e eu tinha que atravessar um rio, e eu tinha só um tênis. Para não chegar com o tênis molhado, com o pé cheirando chulé, eu tirava o tênis, atravessava o Rio, andava descalço, esperava meu pé secar para colocar o tênis de novo e chegar na escola direitinho", conta o atleta de 37 anos.

"Eu tive alguns percalços no caminho que foram importantes para eu chegar onde eu cheguei. Muitas vezes as pessoas acham que eu virei jogador porque meu pai deu um empurrãozinho, pelo contrário, meu pai nunca meteu o bedelho na minha carreira e nem do meu irmão", conclui.

Os Canalhas: Quando e onde?

O programa Os Canalhas vai ao ar toda semana em duas edições semanais, na terça-feira, às 14h, e na quinta-feira, às 18h, em transmissão ao vivo, ou gravado, disponível na home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte no Youtube e no Facebook e Twitter, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana entrevistando personalidades importantes do esporte brasileiro. Inscreva-se no canal Os Canalhas no Youtube para conferir mais de João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana.