PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

Diretor vê São Paulo 'em formação' e destaca 'novo ambiente' com Crespo

Carlos Belmonte, diretor de futebol do São Paulo, no "Seleção SporTV" - Reprodução/SporTV
Carlos Belmonte, diretor de futebol do São Paulo, no "Seleção SporTV" Imagem: Reprodução/SporTV

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/05/2021 16h00

Diretor de futebol do São Paulo, Carlos Belmonte vê o time ainda em formação, apesar da conquista do Campeonato Paulista, no último domingo, sobre o Palmeiras, no Morumbi.

Em entrevista ao "Seleção SporTV", o dirigente esmiuçou o planejamento tricolor para este início de temporada, projetou um time forte para as oitavas de final da Libertadores e destacou a mudança no ambiente após a chegada de Hernán Crespo.

Por conta do mata-mata do Paulista, o São Paulo poupou jogadores em duas partidas da fase de grupos da Libertadores. Classificado para as oitavas, e na segunda colocação do Grupo E, o Tricolor recebe o Sporting Cristal, hoje, às 21h30, pela última rodada.

"Nós fizemos uma análise muito clara quando chegamos aqui. Nós tínhamos quatro prioridades. A primeira era classificar em primeiro lugar no Campeonato Paulista, que nos daria vantagens, e pensávamos na classificação na Libertadores. Tínhamos outros dois projetos: um, conquistar o Paulista, e outro, conseguir a classificação em primeiro lugar do grupo da Libertadores, que não conseguimos. Nós estamos num momento de muita tranquilidade. O time está forte, encorpado, e vamos para a segunda fase da Libertadores muito possivelmente em segundo lugar, e vamos brigar nas oitavas de final", explicou Belmonte.

Em relação à conquista do Paulistão, o dirigente acredita que o "ambiente mais leve" implementado por Crespo e sua comissão técnica contribuiu para o fim do jejum de títulos.

"Eu não sei se será o bastante para outras conquistas. Nosso time está em formação, em crescimento, e nós sabemos que o Campeonato Paulista é mais frágil do ponto de vista técnico do que os demais. A gente acredita que mudou o ambiente mesmo. Com a chegada principalmente da comissão técnica argentina, se unindo à nossa comissão, é um ambiente mais leve. Nós tínhamos um ambiente razoavelmente angustiado, na busca do título. Com os argentinos, eles não trouxeram essa carga dos anos sem título, mas a alegria. O ambiente ficou mais leve, e tenho certeza que isso ajudou na conquista do Paulista", completou.

Belmonte ainda explicou que a contratação de Crespo tem relação com o trabalho anteriormente implementado por Fernando Diniz. A chegada do argentino, segundo o dirigente, deveu-se à necessidade de "evolução" ao que já existia com Diniz.

"Quando a gente pensou no Crespo, tinha muito também do que o Diniz pensava de futebol. A gente trouxe o Crespo buscando o que nós acreditávamos que o projeto Diniz não nos entregava, ou seja, um futebol mais intenso e um pouco mais vertical. Era isso que nós buscávamos. Além disso, mais intensidade na marcação. Mas é obvio que tem muito trabalho do Diniz no trabalho do Crespo. A escolha passou por isso. A gente não queria um novo trabalho. A gente queria uma evolução, e por isso a chegada do Crespo", contou.

São Paulo