PUBLICIDADE
Topo

Emissora se desculpa após retratar Itália com foto de pizza nas Olimpíadas

Colaboração para o UOL

26/07/2021 17h11

Na transmissão de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio, a emissora sul-coreana MBC decidiu utilizar imagens representativas para os países, o que não foi bem visto pelo público.

A delegação da Itália foi acompanhada com a foto de uma pizza, enquanto a da Ucrânia com a foto da usina nuclear de Chernobyl, que explodiu em 1986 e causou um dos maiores acidentes radioativos da história.

O ocorrido chamou a atenção dos espectadores e logo virou um dos assuntos mais comentados no Twitter da Coreia do Sul como "vergonha nacional". Por isso, a emissora publicou em suas redes sociais um pedido de desculpas, além de se comprometer a investigar a transmissão e rever as edições em programas esportivos para não cometer o mesmo erro.

"A MBC usou imagens inapropriadas para representar alguns países na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos de Tóquio em 23 de julho. As imagens e legendas tinham o objetivo de tornar mais fácil compreender os países. […] No entanto, nós admitimos que houve falta de consideração com os países envolvidos, e a inspeção não foi profunda o suficiente. Um erro indesculpável", diz o comunicado.

O jornalista freelancer Rafael Rashid, baseado em Seul, viralizou ao descrever em uma 'thread' a cobertura da MBC.

Além dos países citados, a Noruega foi "representada" com a imagem de um salmão, e o Haiti com a fotografia de uma revolta popular. Também houve gafe da emissora em relação aos comentários, como a descrição das Ilhas Marshall como "um ex-local de testes atômicos dos Estados Unidos", ou da Síria como um país em guerra civil há dez anos.

El Salvador, país caribenho, foi representado por um cartaz com referência ao bitcoin:

Rashid ainda relembrou que não é a primeira vez que a emissora faz isso, tendo acontecido também nas Olimpíadas de Pequim em 2008. "A MBC apresentou as Ilhas Cayman como 'famosas como um paraíso fiscal por estabelecer fundos fora da costa'. O Chade era 'o coração morto da África' e o Zimbábue tinha uma 'inflação assassina'. Foi advertida pela Comissão de Padrões de Comunicações da Coreia".