PUBLICIDADE
Topo

De erros a boas notas: Como foi a estreia de Simone Biles em Tóquio

Simone Biles durante o treino de pódio em Tóquio - Tim Clayton - Corbis/Corbis via Getty Images
Simone Biles durante o treino de pódio em Tóquio Imagem: Tim Clayton - Corbis/Corbis via Getty Images

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/07/2021 03h36Atualizada em 25/07/2021 06h21

Simone Biles estreou neste domingo (25) na ginástica artística das Olimpíadas de Tóquio 2020. A estrela e a equipe dos Estados Unidos começaram a qualificatória no solo, seguindo para o salto, barras assimétricas e trave. Os melhores desempenhos da americana foram no salto e no solo, terminando em primeiro e em segundo lugar nesses aparelhos, respectivamente, na subdivisão 3 - no total, são cinco subdivisões.

No solo, Biles começou bem e fez uma boa apresentação, com movimentos de difícil execução. Ela apresentou dois saltos de sua autoria, nomeados Biles e Biles II. O único problema da ginasta foi quando perdeu a passada depois de um movimento e acabou pisando fora da linha na aterrissagem, sendo penalizada em 0.3 pelo erro. Mesmo assim, foi a melhor americana no solo, com nota 14.133.

Em seguida, Biles partiu para o salto. No primeiro, a americana foi alto, mas acabou aterrissando com o pé para fora. A ginasta demonstrou não estar satisfeita com a forma com que competiu. No segundo, a chegada foi quase cravada. Além disso, a dificuldade da execução de seu salto era alta, o que rendeu boa pontuação. Biles terminou com 15.183, melhor nota da rodada do classificatório.

A expectativa para o aparelho era que Simone Biles pudesse fazer o Yurchenko com duplo mortal carpado, movimento que a ginasta havia apresentado durante o US Classic e também no treino de pódio das Olimpíadas, o que não aconteceu. É considerado o elemento mais difícil da prova do salto feminino. Caso a americana o faça durante os Jogos Olímpicos, o movimento será nomeado como Biles II no código de pontuação.

A terceira apresentação da atleta de 24 anos foi nas barras assimétricas. Mesmo que não seja o ponto forte dela, Biles conseguiu a melhor nota dos Estados Unidos até então, com 14.566. Ao fim, a ginasta foi superada dentro da equipe americana por Sunisa Lee, que fez 15.200 e desponta como forte candidata à medalha na competição individual do aparelho.

Ao final do classificatório, Biles terminou com a oitava melhor nota nas assimétricas. Como quatro competidoras do Comitê Olímpico Russo terminaram entre as oito, Simone terminou seu qualificatório na sexta posição no aparelho.

Biles ainda se apresentou na trave, único aparelho que não venceu na Rio-2016 (ela foi bronze). A estrela fez uma boa apresentação, mas voltou a falhar na aterrissagem. Mesmo assim, conquistou a nota de 14.066, que teve descontos pela finalização. Ela obteve a sexta melhor nota na noite.

Agora, Simone aguarda os demais resultados da fase classificatória para descobrir quais serão seus próximos compromissos em solos japoneses.