PUBLICIDADE
Topo

Adiamento faz zagueiro do São Paulo poder voltar a sonhar com Olimpíada

Zagueiro Walce em ação durante treino do São Paulo - Marcello Zambrana/AGIF
Zagueiro Walce em ação durante treino do São Paulo Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

17/04/2020 08h00

Uma grave lesão sofrida logo no início do ano tirou muitos sonhos e desejos de Walce, que na ocasião se preparava para o pré-olímpico com a seleção brasileira. Três meses após passar por cirurgia para reconstruir o ligamento cruzado anterior e corrigir o menisco do joelho esquerdo, o zagueiro do São Paulo permanece em recuperação e teve suas esperanças renovadas na briga por uma vaga nos Jogos de Tóquio, adiados para 2021.

Em entrevista ao Diário LANCE!, o jovem são-paulino contou como têm sido seus dias desde a lesão no joelho e como ele tem feito o tratamento durante o isolamento doméstico por conta da pandemia de coronavírus.

"Apesar de o adiamento ser por um motivo ruim que o mundo vive, eu acredito que isso vai me dar uma nova oportunidade de buscar meu espaço na seleção. É claro que não vai ser fácil, até porque o radar do treinador está recheado de jogadores de qualidade, e isso para o futebol brasileiro é muito bom", declarou o garoto, formado na base de Cotia.

Walce sofreu a lesão no joelho em jogo-treino da seleção sub-23 contra o Boavista, na Granja Comary, no dia 12 de janeiro, enquanto o grupo se preparava para o pré-olímpico. O defensor se lesionou em lance sozinho ao tentar controlar uma bola na linha lateral.

"Foi um dos momentos mais delicados que vivi, ainda mais da forma que aconteceu, porém eu consegui assimilar tudo isso de forma rápida, e com apoio dos familiares, dos amigos e principalmente de Deus. Eu consegui virar a página e hoje estou em busca de me reabilitar e continuar escrevendo minha história dentro do futebol", contou.

Naquela época, Walce era um dos alvos do Red Bull Bragantino, que chegou a fazer proposta pelo jogador, negada pelo São Paulo. Além do clube paulista, o Arsenal, da Inglaterra, mostrou interesse no jovem. No momento, porém, o defensor pensa apenas em se recuperar e voltar a jogar futebol.

"Minha recuperação está encaminhada, acredito que o mais difícil já passou, e as coisas estão começando a se encaixar novamente. Estou muito focado na reabilitação e dando sempre o meu melhor para que eu possa voltar a fazer o que mais amo que é jogar futebol", disse o garoto, sem dar prazo para voltar aos campos.

"Quanto ao meu retorno, é difícil cravar data certa pois cada pessoa leva o seu tempo para se recuperar, acredito que estou próximo a metade da recuperação", estimou.

Embora a questão do isolamento doméstico ter mudado completamente a rotina do elenco do São Paulo e daqueles que faziam tratamento do CT da Barra Funda, Walce não acredita que isso vai atrapalhar em sua recuperação. O zagueiro contou como tem sido esse trabalho à distância em sua casa.

"O clube, por meio de seu departamento médico, desenvolveu um protocolo de tratamento para eu seguir em casa, e dentro desse processo posso contar também com o auxílio do meu irmão Walber, que está prestes a se formar em fisioterapia e me acompanha de perto", afirmou.

"Essa interação entre os fisioterapeutas do clube junto ao meu irmão, que acontece todos os dias por meio de chamadas de vídeo, faz com que o processo de tratamento seja produtivo e eu possa continuar evoluindo. Dentro desse contexto sou muito grato ao São Paulo Futebol Clube por estar dando todo suporte que preciso", completou.

"Era melhor para mim", diz Hudson, sobre saída do São Paulo

Band Sports

São Paulo