PUBLICIDADE
Topo

Mufarrej diz como Botafogo trabalha por S/A durante pandemia: "Prioridade"

Nelson Mufarrej, presidente do Botafogo - Thiago Ribeiro/AGIF
Nelson Mufarrej, presidente do Botafogo Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

06/04/2020 06h30

Nem mesmo a pandemia do coronavírus travou o processo para transformar o Botafogo em S/A. Em entrevista exclusiva ao LANCE!, Nelson Mufarrej, presidente do clube, afirmou que os responsáveis pelo plano de profissionalização do departamento de futebol do Glorioso continuam se reunindo toda semana, forma virtual, para debater sobre os planos do negócio.

"Mesmo com toda essa paralisação e mudanças em geral, o grupo de trabalho continua atuando com afinco. Hoje mesmo [última terça-feira] tivemos mais uma reunião por videoconferência. De cada um desses encontros, levamos tarefas a cumprir. É prioridade na nossa rotina. É importante trabalhar, observar as oportunidades e avançar. A equipe é extremamente qualificada, e tudo tem sido conduzido com muita dedicação e profissionalismo", afirmou.

Em meio à pandemia, Mufarrej lamentou o adiamento de ações marketing que poderiam alavancar ainda mais o programa de sócio-torcedor do Botafogo.

"É um cenário bastante complicado. Nosso programa de sócio-torcedor estava em uma crescente, e o Honda começando a performar. Muito marketing empenhado e boas ideias que seriam colocadas em prática serão adiados. O torcedor vai ter tudo isso lá na frente. Temos que entender e ser compreensivos, pois se trata de um fato histórico em escala mundial. É hora de reclusão e cuidados. Esse é o foco principal no momento", disse.

O presidente, inclusive, fez questão de parabenizar a torcida pelo recente crescimento no programa de associados, muito por conta da chegada de Keisuke Honda. Mufarrej relembra que, mesmo sem partidas oficiais, nenhum sócio-torcedor será prejudicado neste período de quarentena.

"O torcedor está de parabéns por essa corrente recente de adesão ao programa Sou Botafogo. Chegamos próximos aos 33 mil sócios. Os associados têm sido compreensivos com os prejuízos oriundos da Covid-19. É válido ressaltar que ninguém será prejudicado. Não vamos ser injustos com o nosso torcedor, isso não existe. Os funcionários do programa estão disponíveis para explicar todos os detalhes e de como está a nossa política de enfrentamento nesse sentido. Peço ao associado que continue nos prestigiando, ajudando a encarar essa crise juntos e que continue participando do Programa Sou Botafogo", declarou o dirigente.

O Botafogo foi o primeiro clube do Rio de Janeiro a disponibilizar uma instalação para as instituições de saúde com o intuito de ajudar contra a pandemia do coronavírus. Ao comentar o fato, Nelson Mufarrej afirma que este movimento é maior do que simplesmente o futebol em si.

"Oferecemos o Estádio Nilton Santos para as autoridades públicas de saúde. Temos um equipamento de infraestrutura de grande nível, com múltiplos espaços e bem localizado. É questão de responsabilidade social, o clube tem um papel na sociedade a cumprir. No final, a solidariedade talvez seja um dos grandes legados dessa crise. Estamos à disposição. Ainda não fomos contatados sobre eventual disponibilidade, mas o convite estará sempre de pé. É hora de pensar em somar forças", ressaltou.

Funcionários e jogadores

O Botafogo seguiu recomendação feita pelo Sindicato dos Atletas e resolveu dar 20 dias de férias ao elenco profissional, aos jogadores das categorias de base e a alguns funcionários. A medida, de acordo com Nelson Mufarrej, é para se adaptar ao futuro calendário do futebol brasileiro.

"A grande maioria dos funcionários entrou de férias coletivas por 20 dias, bem como os atletas. É uma forma de garantir a máxima produtividade futura no intenso calendário que será constituído. Continuam apenas os colaboradores de atividades que não podem ser encerradas, como marketing, comercial, financeiro, jurídico, entre outros, em regime de home office, além dos seguranças das sedes e manutenção emergencial", explicou.

Mesmo com a paralisação, o Botafogo divulgou que pagará os salários dos meses de março e abril de forma integral aos jogadores e funcionários. O presidente também explicou que o clube não ganhará o dinheiro de aluguéis - do Shopping Casa & Gourmet, por exemplo - neste período e pediu paciência quanto à situação financeira.

"Nesse período, as atividades que envolvem os esportes estão todas paralisadas, e as nossas sedes fechadas, como os eventos com alugueis, locações e outras fontes de receita suspensas. Esse é um momento que exige sacrifício de todos. Fica difícil programar o fluxo de caixa sem saber quando isso vai acabar", admitiu Nelson Mufarrej.

Siga o UOL Esporte no

Botafogo