PUBLICIDADE
Topo

Em dois meses, Palmeiras utilizou mais a base do que em 2019 inteiro

26/03/2020 07h00

O Palmeiras começou 2020 prometendo utilizar mais as categorias de base no time principal e, até agora, a promessa vem sendo cumprida. Em dois meses desde o primeiro jogo da temporada, na Florida Cup, atletas formados no clube somam mais minutos do que jogadores nessa condição em 2019 inteiro.

No ano passado, todos os revelados no Verdão atuaram, somados, 2036 minutos. Em 2020, já são 2362 minutos. Esses números, porém, incluem jogadores que já sem idade para atuar na base, como Victor Luis e Pedrão. Retirando casos como esse, o dado é mais impactante: neste ano, são 1738 minutos com recém-promovidos, mais do que 2019 (215 minutos) e 2018 (603 minutos) somados (confira os números detalhados abaixo).

A confiança maior na base fica clara também na análise detalhada dos últimos três anos. Em 2018, os formados no clube mais usados foram Victor Luis (41 jogos, 3541 minutos) e Thiago Martins (30 jogos, 2730 minutos), ambos já sem idade de base e retornando ao Palmeiras após serem emprestados a outros times. Entre os recém-promovidos, o mais usado foi Artur (nove jogos, 303 minutos), que chegou a jogar no sub-20 no fim daquela temporada.

Em 2019, a utilização da base foi ainda menor. Victor Luis continuou sendo o mais útil entre os formados no Verdão, mas menos do que no ano anterior: 20 jogos, 1821 minutos. Entre os recém-promovidos, Gabriel Veron é quem mais esteve em campo: três jogos, 78 minutos - lembrando que estreou só na reta final do Brasileiro, já sem chances de título, e depois de ter vencido o Mundial sub-17 pela Seleção Brasileira, sendo considerado o craque do torneio.

Em 2020, o mais utilizado está no primeiro ano como profissional: Gabriel Menino, com dez jogos, 668 minutos. Antes de Victor Luis (oito jogos, 597 minutos), habitualmente usado, ainda aparecem à frente com mais tempo em campo Gabriel Veron (nove jogos, 469 minutos) e o recém-promovido Patrick de Paula (nove jogos, 400 minutos).

- Colocamos, em 70 dias, mais vezes jogadores da base do que nos últimos tempos. Só o Esteves não teve oportunidade com a gente ainda. Os outros todos tiveram - comemorou Maurício Copertino, auxiliar de Vanderlei Luxemburgo, em entrevista recente à rádio 9 de Julho.

- Tiveram chances porque estão no elenco para disputar posição. Com o passar do tempo, o jogador mostra para o Vanderlei se tem condição ou não, mas a nossa ideia é de que, se está no plantel, é para ser utilizado. Pode vir alguém da Europa e levar, como acontece com todos os clubes, pelo desequilíbrio econômico. Mas, enquanto o jogador estiver conosco, a ideia é utilizá-los, como titular ou reserva, só que na temporada inteira - prosseguiu Copertino.

2018

Victor Luis: 41 jogos / 3541 minutos

Papagaio: 6 jogos / 185 minutos

Artur: 9 jogos / 303 minutos

Pedrão: 1 jogo / 48 minutos

Yan: 1 jogo / 14 minutos

Vitinho: 1 jogo / 34 minutos

Thiago Martins: 30 jogos / 2730 minutos

Fernando: 1 jogo / 19 minutos

Total: 6874 minutos (sem Victor Luis e Thiago Martins, ambos já sem idade de base, são 603 minutos)

2019

Victor Luis: 20 jogos / 1821 minutos

Vitão: 1 jogo / 74 minutos

Esteves: 1 jogo / 4 minutos

Léo Passos: 1 jogo / 59 minutos

Gabriel Veron: 3 jogos / 78 minutos

Total: 2036 minutos (sem Victor Luis, já sem idade de base, são 215 minutos)

2020

Victor Luis: 8 jogos / 597 minutos

Gabriel Veron: 9 jogos / 469 minutos

Gabriel Menino: 10 jogos / 668 minutos

Patrick de Paula: 9 jogos / 400 minutos

Wesley: 5 jogos / 160 minutos

Alan: 2 jogos / 41 minutos

Pedrão: 1 jogo / 27 minutos

Total: 2362 minutos (sem Victor Luis e Pedrão, ambos já sem idade de base, são 1738 minutos)

Futebol