PUBLICIDADE
Topo

Flamengo

Brocador vê Gabigol na trilha de Zico e lamenta ter perdido fartura no Fla

Hernane comemora o segundo gol do Flamengo contra o Athletico na final da Copa do Brasil de 2013 - Julio Cesar Guimaraes/UOL
Hernane comemora o segundo gol do Flamengo contra o Athletico na final da Copa do Brasil de 2013 Imagem: Julio Cesar Guimaraes/UOL

Leo Burlá

Do UOL, no Rio de Janeiro

27/10/2021 04h00

Classificação e Jogos

Herói em tempos de vacas magras no Flamengo, o atacante Hernane Brocador foi o símbolo de um clube que se reconstruía fora de campo e que dava passos lentos a caminho do sonhado topo.

Autor de um dos gols na vitória sobre o Athletico, resultado que garantiu aos rubro-negros o título da Copa do Brasil em 2013, o artilheiro lembra com carinho dos dias de idolatria e lamenta não ter vivido os dias de fartura que viriam nos anos seguintes. Hoje (27), o Fla recebe o mesmo rival, às 21h30, no Maracanã, e precisa de uma vitória para chegar em mais uma decisão. No jogo de ida, empate por 2 a 2 em Curitiba.

Hoje no Confiança (SE), Hernane conversou com o UOL Esporte, relembrou da campanha vitoriosa e contou o que viu de perto sobre a mudança de rumos que o Rubro-negro começava a viver.

"Quando o [Eduardo] Bandeira de Mello assumiu aquele Flamengo desacreditado, ele falou que não estava montando um time para disputar títulos, mas para fazer boas campanhas. Disse que o Flamengo ia ser a potência no futebol nos próximos anos, pena que eu não pude participar. Foi um trabalho muito bem feito, quando a gente entrou no campo para fazer a final, a gente tinha aquela oportunidade e eu não poderia desperdiçar. Quando entrei no Maracanã e vi 72 mil pessoas apoiando e acreditando, falei que a gente não ia perder o título. Quando deixa o Flamengo chegar é difícil perder", comenta.

Com um time sem grande brilho, o Fla cresceu à medida que a competição avançava. Ainda sob a batuta de Mano Menezes, o time eliminou o favoritíssimo Cruzeiro. Já com Jayme de Almeida no comando, chegou à decisão após superar Goiás e Botafogo. O goleador lembra com carinho da conquista de um "grupo aguerrido" e não esconde que aquela equipe conhecia suas próprias limitações.

Autor de oito gols no torneio de mata-mata, o baiano terminou a competição com a taça e o posto de artilheiro. Cenário que não era muito provável no início da caminhada:

"A partir do momento em que a gente eliminou o Cruzeiro, a gente percebeu que dava. A gente foi se fechando cada vez mais e foi acreditando que dava. No Brasileiro, a gente não tinha possibilidade nem de se classificar para a Libertadores, a gente estava bem focado na Copa do Brasil, que era a única competição que a gente ia conseguir ir mais longe."

Especialista na arte de fazer gols, Hernane acompanha com atenção a trajetória de seu "pupilo". Fã de Gabigol, o jogador não poupa elogios ao artilheiro e diz que o camisa 9 caminha a passos largos para escrever seu nome ao lado dos maiores da história rubro-negra.

Ele não deixa de se colocar em um lugar especial na galeria de heróis do clube, mas admite que os títulos conquistados pelo atual dono da camisa já colocam ele em um lugar privilegiado.

"Não dá para mensurar, o Gabigol fez os gols do título da Libertadores [em 2019]. Ele já é um ídolo, assim como outros jogadores. Não vou citar um, são muitos. Tive a minha história, fui feliz, me vejo como ídolo. O Gabriel é um grande ídolo do Flamengo, faz gols e ganhou títulos importantes. Ele pode chegar na história como um dos grandes que o Flamengo tem, como Zico e Adílio. Ele tem chance de chegar próximo desses jogadores. Não vai ter outro como o Zico, mas ele pode chegar próximo dele", afirmou ele.

Gabigol comemora gol no Flamengo - Thiago Ribeiro/AGIF - Thiago Ribeiro/AGIF
Gabigol comemora gol no Flamengo
Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Após o empate no jogo de ida, o centroavante vê o Fla em situação mais confortável para seguir vivo pelo tetracampeonato. Ele destacou que o Furacão perdeu a chance de chegar ao Rio de Janeiro com uma vantagem cômoda e previu pressão para cima dos atleticanos.

"O Athletico vem crescendo bastante, já mostrou que tem força na casa deles. Eles poderiam ter saído com o resultado positivo lá, mas não tem mais a vantagem de gol fora de casa. Creio que agora ficou muito mais difícil para o Athletico. O Flamengo pode ter a volta de jogadores importantes e a gente sabe da força do Flamengo. A torcida vai comparecer e, quando a torcida começa a gritar, o que era difícil fica mais difícil ainda", opina.

Sob os olhares atentos de um de seus heróis, o Flamengo chega à semi pressionado pela queda na performance e precisa da vaga para reencontrar a paz no Ninho do Urubu. No que depender da torcida do Brocador, a final é logo ali.

FICHA TÉCNICA:

FLAMENGO x ATHLETICO
Motivo: Copa do Brasil - volta semifinal
Data: 27/10/2021 (quarta-feira)
Hora: 21h30 (de Brasília)
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (Fifa/GO)
Assistentes: Fabricio Vilarinho da Silva (Fifa/GO) e Bruno Raphael Pires (Fifa/GO)
VAR: Elmo Alves Resende Cunha (GO)

FLAMENGO: Diego Alves; Isla, Rodrigo Caio, Léo Pereira e Filipe Luís; Arão, Andreas, Everton Ribeiro e Vitinho; Bruno Henrique e Gabigol. Técnico: Renato Gaúcho

ATHLETICO: Santos; Pedro Henrique, Thiago Heleno e Nicolás Hernández; Marcinho, Erick, Léo Cittadini (Richard) e Abner; Terans, Nikão e Renato Kayzer. Técnico: Alberto Valentim

Flamengo