PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Inter inicia estudo para remodelar seu escudo e vai ouvir até a Juventus

Nova terceira camisa, com apenas sigla e não escudo, foi estopim para análise de mudança - Divulgação/SC Internacional
Nova terceira camisa, com apenas sigla e não escudo, foi estopim para análise de mudança Imagem: Divulgação/SC Internacional

Jeremias Wernek

Do UOL, em Porto Alegre

25/09/2021 04h00

Classificação e Jogos

O lançamento da terceira camisa do Internacional foi estopim para uma campanha nas redes sociais: centenas de torcedores passaram a defender a ideia de que o escudo do clube precisa ser alterado, com a saída da faixa branca no entorno do círculo que abriga a sigla clássica que identifica o time gaúcho. Os pedidos foram ouvidos, em partes. O departamento de marketing colorado criou um grupo de estudos, e dentre as missões consta uma análise do símbolo atual. E no meio do trabalho, foi agendada até reunião com funcionários da Juventus, da Itália, para buscar impressões e experiências.

Em 2017, a Juve fez uma mudança radical no escudo e passou a usar apenas a letra J estilizada como marca. A campanha sofreu com protestos de parte da torcida, mas segue de pé até hoje, sob argumento de renovação da identidade visual.

Mudança no escudo da Juventus - Reprodução - Reprodução
Antigo escudo da Juventus, à esquerda, e o novo, à direita
Imagem: Reprodução

"Vamos conversar com o pessoal da Juventus para saber como foi o processo de atualização da marca deles. O que sofreram, como sofreram com as barreiras culturais e como se posicionaram em relação às diferentes faixas etárias. Tudo isso vai ajudar, se tomarmos o caminho de mudar algo", conta Jorge Avancini, vice de marketing do Inter.

Segundo o clube gaúcho, a Adidas ajudou a fazer contato com a Juve. A ideia surgiu justamente depois da repercussão da terceira camisa da atual temporada. Com a cor bordô, a peça tem apenas as letras do símbolo aplicadas no lado esquerdo do peito.

"A camisa bordô bateu recorde de vendas e aí a gente começou a falar, conversar com a Adidas. E nessa conversa, eles ofereceram o papo com a Juventus. Vamos fazer um papo por videoconferência com o pessoal do clube, da agência que trabalhou com o clube. Já trocamos ideias com o Athletico-PR também. Não é um processo simples, burocraticamente, e nem no conceito. Vamos acertar as agendas para acontecer logo. Vamos ouvir as experiências", reitera Avancini.

O estatuto do Internacional exige que qualquer mudança encare um processo burocrático dentro do clube. A ideia da diretoria é ouvir a torcida também, caso seja escolhida alguma alteração.

"A gente está atento e viu que tem muita gente pedindo para mudar. Mas nós também temos muitas manifestações de torcedores dizendo para não mexer no escudo, dizendo que ele está bom e carrega a identidade do clube por ter o nome e a data de fundação. Então, não é algo simples e nem para ser feito do dia para noite. Requer estudo, pesquisa e análise de mercado também", comenta o dirigente.

O atual escudo do Inter passou a ser usado em 2009, ano do centenário do clube. A ideia de envolver o símbolo em uma faixa branca nasceu três anos antes.

"Aquela foi uma mudança para consolidar e fortalecer nossa imagem fora das fronteiras do Rio Grande do Sul. A gente viveu momentos que nos mostraram claramente a necessidade de uma expansão da identidade. Em 2006 no Japão e em 2008, em Dubai muita gente nos chamou de Porto Alegre. E o escudo atual foi desenvolvido para tratar disso e foi muito bem aceito", relembra Avancini, vice de marketing do Inter à época e agora no clube de novo.

O grupo de estudos do Inter tem atuado para fazer uma "revisão de tudo". Os conceitos, campanhas e maneiras de se comunicar e interagir com os torcedores estão no centro do trabalho. Mas a marca, o escudo, não ficou de lado.

"Separamos o ano de 2021 para olhar e reorganizar pessoal, estrutura. Trazer peças do mercado com outras ideias para em 2022 e 2023 atrair mais torcedores, mais sócios e levar o Beira-Rio o mais longe possível (...) Queremos ser o clube mais digital do Brasil e também da América Latina", avisa o dirigente.

Internacional