PUBLICIDADE
Topo

Internacional

"Imparável", Palacios não deslancha e frustra expectativa no Inter

Carlos Palacios não consegue deslanchar no Inter e vive incerteza sobre titularidade - Ricardo Duarte/Inter
Carlos Palacios não consegue deslanchar no Inter e vive incerteza sobre titularidade Imagem: Ricardo Duarte/Inter

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

04/08/2021 04h00

Houve expectativa no início, paciência depois, mas Carlos Palacios superou tais etapas. A torcida do Inter já vive a fase da descrença com o chileno de 21 anos. Sem um gol ou uma assistência sequer, a demora para deslanchar gera dúvidas sobre o que de fato ele poderá dar ao clube gaúcho.

A chegada de Palacios foi construída por muitas pessoas. Departamento de futebol, análise, comissão técnica da época, direção política, todos estavam crentes de que se tratava de um ótimo negócio, tanto sob ponto de vista esportivo como financeiro. Miguel Ángel Ramírez o considerava "imparável".

Eleito jogador mais promissor do Chile, Palacios custou 3 milhões de dólares (R$ 15,6 milhões na cotação atual) pagos de forma parcelada. O vínculo foi firmado primeiro por empréstimo, mas com prorrogação em definitivo logo em seguida, até 2025.

Logo de cara ele recebeu muitos elogios de Miguel Ángel Ramírez, que treinava a equipe. Atuaria em uma posição considerada carente no grupo e poderia e poderia acabar com a alternância de jogadores nos lados do ataque. Foi o primeiro reforço anunciado pela atual gestão do clube, eleito maior potencial do futebol chileno na época.

"O Carlos é um menino com muito potencial. Ele é o jogador chileno com maior potencial agora mesmo. É um menino que pode jogar em todas as posições de ataque, centroavante, meia, ponta, nos permite adaptar nas partidas. Essa polivalência é muito importante. No um contra um, é imparável", disse o treinador.

Entrando paulatinamente no time, Palacios já não conseguia mostrar o melhor futebol e foi defendido pelo treinador, que citou a idade e a inexperiência do atleta para justificar a demora a engrenar. Ainda antes da queda do espanhol, ele fez seu melhor jogo pelo Colorado até então, mas atuando em posição diferente. Foi centralizado, atrás do atacante principal, que o futebol de Palacios começou a aparecer.

Mas durou pouco. Ramírez foi demitido e o chileno não atuou mais por ali. Voltou a entrar no time sempre aberto pela direita e o rendimento aquém do esperado se repetiu a cada nova chance.

São 19 jogos, um total de 883 minutos vestindo as cores do Colorado, sem nenhum gol e nenhuma assistência. Em estatísticas do SofaScore, Palacios acerta apenas 73% dos passes no campo do adversário, onde passa maior parte dos jogos. Não criou nenhuma grande chance de gol e tem 0,6 passes decisivos por partida. Tem média de menos de uma finalização por jogo (0.8) e a média de finalização correta é somente 0.2 por jogo.

A torcida já não tem a mesma paciência com ele. Esperar o desabrochar de Palacios se tornou um peso para o time que necessita de resposta imediata. Flertando com a zona de rebaixamento e com graves problemas para atacar, o Colorado não pode aguardar mais.

O rendimento o desligou, também, do time titular. Ainda que tenha atuado no último jogo, contra o Cuiabá, sem conseguir destaque, o retorno de Yuri Alberto deve o reconduzir ao banco de reservas no jogo seguinte, contra o Flamengo.

Segundo apurou o UOL Esporte, Palacios é um menino tímido que, aos poucos, está vencendo barreiras pessoais que impediam seu jogo. O idioma já está melhor, o entrosamento com companheiros também evoluiu, resta que ele consiga transferir o ambiente para seu futebol.

O cenário atual não o coloca "fora dos planos", mas impõe evolução, para que sua trajetória não repita outros jogadores, que chegaram sob grande expectativa e acabaram naufragando no clube.

Internacional