PUBLICIDADE
Topo

São Paulo

São Paulo tenta parcelar dívida de US$ 1 milhão com o Orlando City por Kaká

São Paulo tem dívida de cerca de R$ 6 milhões pelo empréstimo do ex-jogador Kaká, ainda em 2014 - Getty Images
São Paulo tem dívida de cerca de R$ 6 milhões pelo empréstimo do ex-jogador Kaká, ainda em 2014 Imagem: Getty Images

Thiago Fernandes

Do UOL, em São Paulo

08/04/2021 04h00

O São Paulo tem dívida de US$ 1 milhão (R$ 5,56 milhões na cotação atual) com o Orlando City, dos Estados Unidos, pelo empréstimo de Kaká, no mercado da bola de 2014. A gestão de Julio Casares negocia com os estrangeiros a fim de parcelar o valor do débito.

Na volta do ídolo ao clube que o revelou, foi firmado um acordo comercial entre as partes. O vínculo estabelecia alguns ganhos financeiros ao Orlando City, inclusive parte da receita dos jogos ocorridos no Morumbi que contassem com a presença do atleta. O compromisso, no entanto, não foi cumprido integralmente pelo Tricolor paulista.

Diante do descumprimento do acordo, o clube norte-americano acionou a Justiça comum a fim de receber cerca de R$ 18 milhões, incluindo as pendências dos brasileiros e uma multa elevada, que também estava determinada em cláusulas do contrato.

O São Paulo conseguiu reverter a situação na Justiça e evitou o pagamento da multa exigida pelo parceiro à época, deixando em aberto somente o valor da dívida.

Com o intuito de resolver os débitos recentes do clube, a gestão de Julio Casares tem procurado credores desde março para evitar problemas judiciais e sanções em tribunais desportivos da Fifa.

O UOL Esporte já havia adiantado que o clube conseguiu repactuar o acordo com o Athletico-PR pela dívida de R$ 12 milhões pela compra dos direitos econômicos do atacante Pablo — o valor deve ser saldado até setembro. Há também o desejo de parcelar o débito de R$ 22 milhões com o Dínamo de Kiev pela contratação em definitivo de Tchê Tchê.

As dívidas do São Paulo atualmente se aproximam de R$ 580 milhões, de acordo com o informado pela cúpula. O clube busca formas de equacionar o débito nos bastidores.

São Paulo