PUBLICIDADE
Topo

Palmeiras

Abel faz desafio à CBF e critica calendário brasileiro: "Agora entendo"

Abel Ferreira durante a partida entre Coritiba e Palmeiras - Robson Mafra/AGIF
Abel Ferreira durante a partida entre Coritiba e Palmeiras Imagem: Robson Mafra/AGIF

Eder Traskini

Do UOL, em Santos (SP)

17/02/2021 22h30

O técnico Abel Ferreira não escondeu a irritação com o calendário do futebol brasileiro após a derrota por 1 a 0 para o Coritiba, na noite de hoje (17), no Couto Pereira, pela 35ª rodada do Brasileirão. O Palmeiras terá de voltar a campo apenas 50 horas depois, nesta sexta-feira (19), para enfrentar o São Paulo no clássico paulista.

O português lamentou o calendário, disse que isso só ocorre no Brasil e se propôs a ajudar. Abel chegou a fazer um desafio à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), disse que ninguém no país quer saber "disso" e relacionou o desempenho abaixo no Mundial com a programação apertada de jogos.

"Já é a segunda vez. Não sei quantas equipes no Brasileirão tiveram isso: jogam, recuperam e no terceiro dia jogam outra vez. Eu volto a dizer: isso não existe em lado nenhum, só no Brasil. As pessoas que organizam e tomam conta da marcação dos jogos têm que ter coragem para tomar decisões. Às vezes são difíceis, mas é para o bem de todos. Deixa eu dizer isso: tudo que eu falo, não sou perfeito, cometo erros, mas é minha intenção, dentro daquilo que eu sei, ajudar o futebol brasileiro através de minha opinião. E não é nada mais que isso. Não tenho capacidade de tomar decisões. Não sou o único treinador a falar sobre isso, é um assunto muito sério, mas ninguém no futebol brasileiro quer saber disso...", lamentou Abel, e completou ainda em tom crítico:

"Vou ter que ser muito crítico em relação a isso. De fato, temos que aprender com os bons exemplos. Um desafio que faço às pessoas que mandam: é preciso refletir. Depois nos queixamos que as equipes vão ao Mundial e não estão preparadas, mas temos que saber o porquê. Densidade competitiva que tem aqui é extremamente competitiva. Agora eu percebo porque aqui os treinadores só duram dois, três meses: porque é impossível treinar nestas condições. E, por isso, quando tu não ganhas consecutivamente, estão sempre a trocar de treinadores. Faço aqui um desafio também, colocar a mão na consciência: das equipes que mudaram de treinador, o que ganharam com essa mudança? No total, acho que só duas ou três não mudaram, de todas as que mudaram, da posição que estavam, o que é que ganharam com isso? A crítica que vem de fora ou da internet acalmou um pouquinho, mas em termos de posição é a mesma coisa. E é isso que eu digo que as pessoas têm que entender. A densidade competitiva que há aqui, não há tempo nem sequer para recuperar, quanto mais para treinar. Agora entendo porque os treinadores chegam aqui e vão embora. Talvez o Brasil seja o local onde mais rodam treinadores, porque é muito difícil competir neste tipo de condições. Se já é difícil num roteiro normal, imagina agora com a covid-19".

O Verdão enfrenta uma maratona de jogos ainda maior do que o normal por causa do seu ótimo desempenho em todas as competições que disputou no ano. Campeão da Libertadores, o Palmeiras teve seus jogos adiados por causa da disputa do Mundial de Clubes. A final da Copa do Brasil também foi adiada e ocorrerá depois da estreia da equipe no Paulistão já válido pela temporada 2021.

Palmeiras